Vítimas dos campos nazis relatam canibalismo feroz em novos documentos

H. L. Clyn Hughes / Wikimedia

Libertação do Campo de Concentração Nazi de Berger-Belsen, em 17 de Abril de 1945.

“De noite, matava-se ou era-se morto”. Eis uma das angustiantes revelações que constam de documentos só agora tornados públicos, com relatos de sobreviventes dos campos de concentração nazis.

Estes registos foram divulgados pela primeira vez pelo Arquivo Nacional Britânico, no âmbito dos pedidos de ajuda financeira apresentados por vítimas do regime nazi, depois do fim da II Guerra Mundial.

Em 1964, a então República Federal Alemã acertou com o governo britânico o pagamento de um milhão de libras (que valeriam, hoje em dia, cerca de 17 milhões, isto é, mais de 21 milhões de euros) como compensação para as vítimas do regime Nazi e as suas famílias.

Entre 1964 e 1965, cerca de quatro mil pessoas candidataram-se à ajuda desse fundo, entre as quais Harold Le Druillenec, o único sobrevivente britânico do campo de concentração de Bergen-Belsen.

No seu pedido de ajuda financeira, este homem, que passou por três campos nazis, relata as atrocidades que viveu, incluindo relatos de canibalismo na luta pela sobrevivência.

“Sobrevivi a três campos de concentração por muita sorte e pela capacidade de viver fora da carcaça”, escreve este britânico que faleceu em 1985, aos 73 anos de idade, conforme cita o jornal inglês The Independent.

Ele conta que no Campo de Neuengamme, em Hamburgo, viveu ao lado de criminosos “endurecidos” e “trabalhava-se até à morte”, enquanto em Banter Weg, na mesma cidade alemã, “a tortura e os castigos eram a regra dia e noite”. “As formas de levar os presos à morte eram espancamento, afogamento, crucificação, enforcamento“, relata.

O pior de todos os campos por onde passou foi o de Berger-Belsen, onde diz que não havia comida, nem água, nem sequer possibilidade de dormir.

“A lei da selva reinava entre os prisioneiros; de noite, matava-se ou era-se morto; de dia, o canibalismo era feroz”, refere Harold Le Druillenec.

“Todo o meu tempo aqui era passado a levantar corpos mortos para as valas comuns simpaticamente escavadas para nós por trabalhadores exteriores, porque já não tínhamos força para esse tipo de trabalho”, relata, frisando que no campo imperava a ideia de que só havia uma saída dali, “pela chaminé” do crematório.

Depois de ter sido detido em Jersey, nas Ilhas britânicas do Canal, um dia antes do Dia D, em 1944, por não ter cooperado com as forças nazis, Harold Le Druillenec esteve preso nos campos de concentração durante 10 meses, tempo durante o qual perdeu mais de metade do peso corporal.

Após ter sido libertado, em Abril de 1945, passou um ano a recuperar de disenteria, sarna, má-nutrição e septicemia e reclamava uma compensação financeira por causa de uma deficiência, que o limitava em cerca de 50%.

O seu pedido acabou por ser aceite e recebeu 1.835 libras (o equivalente a cerca de 30 mil libras, hoje em dia, cerca de 38 mil euros).

Das cerca de quatro mil pessoas que solicitaram compensações financeiras a este Fundo, apenas um quarto delas obteve apoio, conforme reporta a BBC. Muitos pedidos foram rejeitados porque se comprovou que o seu “aprisionamento não tinha sido ilegal”, enquanto outros não eram cidadãos britânicos, refere o canal.

SV, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Carlos Amaral Dias terá ficado retido na ambulância avariada durante uma hora

Os resultados de um inquérito aberto pelo INEM apontam para que Carlos Amaral Dias tenha ficado dentro de uma ambulância avariada durante uma hora. De acordo com o Jornal de Notícias, a equipa da ambulância dos …

Luanda Leaks. Mário Leite Silva renuncia à presidência do Banco de Fomento Angola

O presidente do Conselho de Administração do Banco de Fomento Angola (BFA), Mário Leite Silva, gestor de Isabel dos Santos, renunciou ao cargo, com efeitos a partir de 22 de janeiro. A informação foi transmitida …

Tempestade “Glória” faz pelo menos nove mortos em Espanha

Pelo menos nove pessoas morreram e outras quatro estão dadas como desaparecidas em Espanha na sequência da passagem da tempestade “Glória”, intempérie que atinge o país desde o passado fim de semana. As autoridades confirmaram cinco …

Há um "milagre da multiplicação" dos votos que os deputados querem travar

Todos os partidos concordam: é preciso travar o "milagre da multiplicação" dos votos na Assembleia da República. Estabelecer regras objetivas para o fazer é o mais complicado. Os deputados começaram esta quarta-feira a discutir como “regrar” …

Pensões entre 877 e 2600 euros têm aumento mínimo de 6,14 euros

Os pensionistas que ganham entre 877,6 e os 2558 euros brutos por mês vão ter aumentos acima dos 0,24% que inicialmente se calculou com base na taxa de inflação (sem habitação) apurada até novembro do …

PCP quer travar "ameaça de despejos" no final deste ano

O PCP entregou uma proposta de alteração ao Orçamento do estado para 2020 para manter congeladas as rendas antigas, quando os locatários tenham um rendimento inferior a cinco salários mínimos nacionais. O PCP quer manter congeladas …

CDS/Congresso: Carlos Meira disponível para acordo que vença João Almeida

Carlos Meira, candidato à liderança do CDS-PP, admite estar disponível para se unir a Filipe Lobo d'Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos para vencer João Almeida e lutar "contra o sistema". Carlos Meira, militante de Viana …

Manuais gratuitos também no privado e no cooperativo. Iniciativa Liberal quer igualdade na Educação

O Iniciativa Liberal (IL) propôs uma alteração ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) na área da educação, que passa por fornecer manuais escolares gratuitos a todos os alunos da escolaridade obrigatória, quer frequentem o ensino …

Bezos lembra que Governo saudita assassinou um jornalista. ONU pede investigação a pirataria

Dois peritos das Nações Unidas dizem que Mohammed Bin Salman acedeu a informações pessoais de Jeff Bezos para tentar influenciar cobertura do The Washington Post sobre a Arábia Saudita. Depois de uma investigação do The Guardian …

MAI abre inquérito à "atuação policial" no caso da mulher alegadamente agredida por agente da PSP

O Ministério da Administração Interna (MAI) já abriu um inquérito à "atuação policial" no caso da mulher alegadamente agredida por um agente da PSP, na Amadora, de maneira a apurar responsabilidades. "O Ministro da Administração Interna …