Vítimas dos campos nazis relatam canibalismo feroz em novos documentos

H. L. Clyn Hughes / Wikimedia

Libertação do Campo de Concentração Nazi de Berger-Belsen, em 17 de Abril de 1945.

“De noite, matava-se ou era-se morto”. Eis uma das angustiantes revelações que constam de documentos só agora tornados públicos, com relatos de sobreviventes dos campos de concentração nazis.

Estes registos foram divulgados pela primeira vez pelo Arquivo Nacional Britânico, no âmbito dos pedidos de ajuda financeira apresentados por vítimas do regime nazi, depois do fim da II Guerra Mundial.

Em 1964, a então República Federal Alemã acertou com o governo britânico o pagamento de um milhão de libras (que valeriam, hoje em dia, cerca de 17 milhões, isto é, mais de 21 milhões de euros) como compensação para as vítimas do regime Nazi e as suas famílias.

Entre 1964 e 1965, cerca de quatro mil pessoas candidataram-se à ajuda desse fundo, entre as quais Harold Le Druillenec, o único sobrevivente britânico do campo de concentração de Bergen-Belsen.

No seu pedido de ajuda financeira, este homem, que passou por três campos nazis, relata as atrocidades que viveu, incluindo relatos de canibalismo na luta pela sobrevivência.

“Sobrevivi a três campos de concentração por muita sorte e pela capacidade de viver fora da carcaça”, escreve este britânico que faleceu em 1985, aos 73 anos de idade, conforme cita o jornal inglês The Independent.

Ele conta que no Campo de Neuengamme, em Hamburgo, viveu ao lado de criminosos “endurecidos” e “trabalhava-se até à morte”, enquanto em Banter Weg, na mesma cidade alemã, “a tortura e os castigos eram a regra dia e noite”. “As formas de levar os presos à morte eram espancamento, afogamento, crucificação, enforcamento“, relata.

O pior de todos os campos por onde passou foi o de Berger-Belsen, onde diz que não havia comida, nem água, nem sequer possibilidade de dormir.

“A lei da selva reinava entre os prisioneiros; de noite, matava-se ou era-se morto; de dia, o canibalismo era feroz”, refere Harold Le Druillenec.

“Todo o meu tempo aqui era passado a levantar corpos mortos para as valas comuns simpaticamente escavadas para nós por trabalhadores exteriores, porque já não tínhamos força para esse tipo de trabalho”, relata, frisando que no campo imperava a ideia de que só havia uma saída dali, “pela chaminé” do crematório.

Depois de ter sido detido em Jersey, nas Ilhas britânicas do Canal, um dia antes do Dia D, em 1944, por não ter cooperado com as forças nazis, Harold Le Druillenec esteve preso nos campos de concentração durante 10 meses, tempo durante o qual perdeu mais de metade do peso corporal.

Após ter sido libertado, em Abril de 1945, passou um ano a recuperar de disenteria, sarna, má-nutrição e septicemia e reclamava uma compensação financeira por causa de uma deficiência, que o limitava em cerca de 50%.

O seu pedido acabou por ser aceite e recebeu 1.835 libras (o equivalente a cerca de 30 mil libras, hoje em dia, cerca de 38 mil euros).

Das cerca de quatro mil pessoas que solicitaram compensações financeiras a este Fundo, apenas um quarto delas obteve apoio, conforme reporta a BBC. Muitos pedidos foram rejeitados porque se comprovou que o seu “aprisionamento não tinha sido ilegal”, enquanto outros não eram cidadãos britânicos, refere o canal.

SV, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

A Família Real inglesa vai ter um novo membro (e será já no início de 2021)

A Rainha Isabel II vai ter mais um bisneto. A princesa Eugénia anunciou hoje, através das redes sociais, que está à espera do seu primeiro filho. Também a Casa real já se pronunciou sobre a …

Google Maps vai localizar e mapear áreas de contágio de covid-19

O Google Maps, 'website' e aplicação de cartografia da gigante norte-americana Google, vai poder revelar nos mapas, consultados por utilizadores, as áreas de infeção da covid-19. “Ao abrir o Google Maps, clique na guia à direita …

Cabra com mais de 400 anos encontrada mumificada numa montanha de gelo

Uma cabra morta há mais de 400 anos foi descoberta por um esquiador, em Val Aurina, em Itália. Hermann Oberlechner, alpinista e campeão de esqui, estava a caminhar quando encontrou algo invulgar e inesperado no …

Norte-americano morre após overdose de guloseimas

Um homem de 54 anos morreu na sequência de uma paragem cardíaca causada por hipocaliemia severa. A ingestão de alcaçuz preto em altas quantidades é apontada como a causa da morte. Um norte-americano de 54 anos, …

Cidade brasileira de Manaus pode já ter atingido a imunidade de grupo

Um estudo liderado pela Universidade de São Paulo, no Brasil, sugere que a cidade brasileira de Manaus, a capital do estado do Amazonas, pode já ter atingido a imunidade de grupo para o novo coronavírus …

Segunda vaga da covid-19 aumenta fosso entre ricos e os pobres em Madrid

A capital de Espanha foi a mais atingida da Europa ao nível de contágios e mortes por covid-19, situação que levou a presidente da Comunidade de Madrid, Isabel Díaz Ayuso, a decretar o bloqueio parcial …

Sobrinho de Pablo Escobar terá encontrado 18 milhões escondidos na parede do apartamento do traficante

Um sobrinho do traficante colombiano Pablo Escobar disse que encontrou 18 milhões de dólares em dinheiro escondidos dentro de uma parede de um dos apartamento do seu tio. De acordo com o jornal britânico The Independent, …

Bebé nasce durante voo (e companhia aérea oferece-lhe "passagem vitalícia")

Foi durante uma viagem de avião que uma menina resolveu vir ao mundo A mãe da bebé viajava num voo da Egyptair quando entrou em trabalho de parto e teve direito a um presente inesperado. …

Pelo menos 22 mortos em queda de avião militar na Ucrânia

Pelo menos 22 pessoas morreram, esta sexta-feira, na queda de um avião militar no este da Ucrânia, entre as quais estudantes de uma escola militar, havendo ainda registo de dois feridos graves. "Vinte mortos e dois …

Empresas espanholas terão de pagar despesas dos funcionários em teletrabalho

A lei não se aplicará se o teletrabalho tiver sido forçado pela pandemia de covid-19, mas a empresa terá de assumir, porém, as despesas dos funcionários que estejam a trabalhar à distância. De acordo com o …