Vírus que mata bebés ajuda a criar novos tratamentos contra o cancro

O Citomegalovírus (CMV) é um dos vírus mais frequentes na espécie humana e, apesar de pode causar vários tipos de problemas de saúde, a investigação sobre o vírus está a ajudar-nos a aproveitar o poder do nosso sistema imunitário para tratar certos tipos de cancro.

O CMV é transmitido através de fluidos corporais como urina, sangue, saliva e leite materno. Estima-se também que a cada ano um ou dois bebés em cada 200 nasçam com CMV. Até 20% dos bebés que estão infetados no útero morrem, e estima-se que cause até 12% de todas as perdas auditivas neurossensoriais e 10% dos casos de paralisia cerebral em recém-nascidos.

Se uma mãe é infetada pela primeira vez enquanto está grávida, o risco de aborto, morte fetal e hidrópsia fetal — uma condição séria que resulta no acumulo anormal de líquido no feto — também aumentam.

A infeção representa um grande risco para crianças e adultos. É uma causa comum de morte e doença em pessoas que sofrem de SIDA, para pessoas que fizeram um transplante de órgãos e medula óssea e também para aqueles que estão a ser tratados com quimioterapia para o cancro.

Controlo imunológico e cancro

Se pode causar problemas tão sérios, porquê que muitas pessoas não ouviram falar do CMV? Para a maioria de nós não representa um problema. Se o sistema imunológico estiver totalmente desenvolvido e funcionar bem, o corpo pode manter o vírus sob controlo. Isto explica por que razão o CMV pode causar defeitos congénitos, uma vez que fetos e recém-nascidos não têm um sistema imunológico totalmente funcional.

Em pessoas que têm sistemas imunológicos totalmente funcionais, a replicação viral do CMV é controlada. No entanto, o vírus infeta seres humanos há 180 milhões de anos e, durante esse tempo, desenvolveu muitos mecanismos que permitem escapar ou, mais propriamente, “modular” o sistema imunológico.

Isto significa que o corpo não é capaz de erradicar completamente a infeção do CMV. Na maioria dos casos, o Citomegalovírus só provoca doenças em indivíduos infetados se o sistema imunológico estiver comprometido.

Desde 1954, quando o CMV foi pela primeira vez isolado, investigadores têm estudado o vírus e como o sistema imunitário responde. Chegaram à conclusão que um tipo de célula imunológica é importante para o controlo da infeção: as células exterminadoras naturais. Estudos passados mostram que pessoas com falta destas células frequentemente contraem doenças derivadas do CMV.

Atualmente, os cientistas conhecem 16 genes do CMV que modulam as células exterminadoras naturais e esse conhecimento está a ajudar os cientistas a entender como é que as células sanguíneas funcionam. A investigação foi publicada no ano passado na revista Frontiers in Immunology.

A capacidade destas células de erradicar as células tumorais levou os cientistas a investigar a sua eficácia clínica para imunoterapia. Agora, novos tratamentos estão a ser desenvolvidos, que esperam usar as habilidades anti-tumorais das células exterminadoras naturais para tratar cancros, como a Leucemia Mielóide Aguda (LMA).

Enquanto atualmente não há cura ou vacina para o CMV, não pode ser negado que ajudou investigadores a desenvolverem novas abordagens para tratamentos imunológicos. Este vírus pode ser a chave para desbloquear o poder do sistema imunitário e tratar vários tipos de doenças.

PARTILHAR

RESPONDER

Patrick Shanahan desiste da nomeação para secretário da Defesa dos EUA por alegado caso de violência doméstica

Donald Trump ia nomear oficialmente Patrick Shanahan como secretário da Defesa, mas este desistiu após ter sido divulgado um caso de violência doméstica contra a mulher com um taco de beisebol. O Presidente norte-americano anunciou esta …

Portugal está entre os países com melhores políticas de apoio à família

Portugal é o quinto país, entre os membros da União Europeia e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), com as melhores políticas de apoio à família, segundo dados de 2016 divulgados hoje …

Ex-líder da ETA sai em liberdade sob controlo judicial

O histórico líder da organização separatista ETA vai ser libertado da prisão, ficando sob controlo judicial, decisão tomada e divulgada esta quarta-feira pelo Tribunal de Recursos de Paris. Detido em maio nos Alpes franceses, José Antonio …

Angola. Situação é "dramática" e há que "declarar guerra aberta" ao VIH/SIDA

A organização não-governamental Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida (Anaso) considera "dramática" a situação do VIH/SIDA em Angola, referindo que a taxa de prevalência de 2% "é irreal e não reflete o estado …

Nicolas Sarkozy vai mesmo ser julgado por corrupção

A justiça francesa validou definitivamente a realização do julgamento do ex-Presidente num caso revelado por escutas telefónicas em que é nomeadamente acusado de corrupção de um magistrado. De acordo com a AFP, o Tribunal de Recurso de …

Luís Filipe Vieira pediu informações sobre Keylor Navas em Madrid

O presidente do Benfica aproveitou a visita a Madrid para saber mais pormenores sobre a situação do guarda-redes dos merengues. O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, dirigiu-se na passada segunda-feira a Madrid para ultimar os …

Jovens que acusaram Harry de “traição da raça” condenados com pena de prisão

O caso remonta a dezembro de 2018, quando surgiram as primeiras notícias de uma investigação da BBC que envolvia a família real britânica. Um grupo neonazi era responsável por uma propaganda online onde sugeriam que o …

UEFA confirma três jogos de suspensão para Neymar

A UEFA anunciou, esta quarta-feira, que rejeitou o recurso do Paris Saint-Germain e manteve os três jogos de suspensão a Neymar, na sequência de insultos aos árbitros na partida com o Manchester United, da Liga …

Transportes estão cada vez mais cheios. Carris vai comprar 100 novos autocarros

A Carris vai lançar dois concursos para a aquisição de 100 novos autocarros, 70 dos quais a gás natural e 30 elétricos, anunciou o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina. Falando na apresentação da …

Apenas 59% dos habitantes da Europa ocidental confiam na vacinação. França é o país com mais dúvidas

Na Europa oriental, apenas metade da população olha para as vacinas como uma forma segura de prevenção de saúde. No caso da zona ocidental, o número sobe para os 59%, mas fica ainda distante dos …