Vaticano abre arquivos sobre Pio XII. Silêncio da igreja contra o nazismo sob investigação

Os arquivos do Vaticano, que conservam a documentação do Papa Pio XII (1939-1958), vão ser hoje tornados públicos, permitindo que se esclareça o silêncio do líder da igreja católica contra o nazismo.

O Vaticano confirmou há duas semanas a abertura dos arquivos reforçando a ideia de que a consulta da documentação venha a esclarecer o silêncio do Papa Pio XII acusado durante as últimas décadas de não ter levantado a voz contra o nazismo durante a II Guerra Mundial (1939-1945).

“A Igreja não tem medo da História. Pelo contrário”, disse o Papa Francisco no dia 4 de março de 2019 quando anunciou a abertura da documentação relativa ao pontificado de Eugenio Pacelli (Papa Pio XII) que se prolongou entre 1939 e 1958.

Oitenta e cinco investigadores estão já inscritos para poderem pesquisar 16 milhões de documentos pertencentes ao “arquivo secreto”, mas também de diferentes instituições do Estado do Vaticano que foram organizados nos últimos 14 anos.

Entre os investigadores estão historiadores do Museu do Holocausto (Washington) assim como de Israel, Alemanha, Itália, França, Rússia, Espanha e de vários países da América do Sul.

A decisão de abrir os arquivos tem sido comentada por historiadores e organizações judias que teorizam sobre um Papa acusado de se ter calado perante o fascismo e o nazismo, notando inclusivamente que a poucos metros da cidade do Vaticano, no dia 16 de outubro de 1943, soldados nazis capturavam 1.022 judeus, entre os quais 200 crianças e adolescentes, que poucos dias depois foram enviados para o complexo de extermínio de Auschwitz instalado na Polónia. Destes 1.022 judeus capturados perto da cidade do Vaticano sobreviveram 17 pessoas.

Até ao momento, o Vaticano apenas acedeu, em 2004, abrir para consulta a “Inter Arma Caritas”, o gabinete de informação sobre os prisioneiros de guerra instituído por Pio XII e que recolheu entre 1939 e 1947 fichas de 2,1 milhões de prisioneiros de guerra.

Em 1965, o Vaticano publicou documentação que acabou por ser coligida em 12 volumes — “Atos e documentos da Santa Sé relativos à II Guerra Mundial” — que continha material de arquivo sobre o pontificado de Pio XII.

Luis Manuel Cuña Ramos, um dos membros da equipa dos arquivos do Vaticano, já veio dizer que “desta documentação vai sair muito engrandecida a figura de Pio XII”. “Vamos deixar-nos de ideologias e de preconceitos e vamos à História. Este é o momento para os historiadores tirarem conclusões”, acrescentou.

“Naquela altura (Segunda Guerra Mundial) falava-se ou fazia-se, mas ele (Pio XII) decidiu fazer. É muito mais fácil falar do que fazer, mesmo sabendo que estava a arriscar o próprio prestígio”, disse ainda o arquivista espanhol do Vaticano.

Alguns livros publicados nos últimos anos, que têm como base testemunhas da época, indicam que o Papa ajudou a salvar quatro a seis mil judeus que conseguiram refugiar-se na América do Sul. A teoria é defendida por Pierre Belt no livro “Pio XII e a II Guerra Mundial nos Arquivos Secretos”.

O bispo Sergio Pagano, responsável pelo Arquivo Apostólico Vaticano, disse recentemente que os historiadores têm “agora” o dever de consultar os documentos e “de forma honesta”, compará-los com diferentes fontes.

“Nós acreditamos que os documentos ‘novos’ e os documentos ‘antigos’ podem trazer aspetos particulares e objetivos de um pontificado que foi crucial”, afirmou.

Sobre os documentos que mais o impressionaram, o bispo Pagano destaca a existência de cartas de estudantes judeus que depois da guerra enviaram mensagens de agradecimentos ao Papa.

“Há numerosos testemunhos sobre a ajuda prestada por simples cristãos, assim como pelas instituições religiosas e bispos para conseguiram salvar essa pobre gente tão cruelmente perseguida”, concluiu.

Paralelamente, o Papa Francisco alterou formalmente, no final do ano passado, o nome – Arquivo Secreto do Vaticano, por – Arquivo Apostólico do Vaticano. Em outubro de 2019 um documento oficial informava que o “Arquivo Secreto do Vaticano, sem mudar de identidade, estrutura e missão”, mudava de designação.

Na altura o Papa Francisco recordava que o Arquivo Secreto do Vaticano, com mais de 400 anos de história nasceu do núcleo documental da Câmara Apostólica e da Biblioteca Apostólica (que ficou conhecida como biblioteca secreta), nas duas primeiras décadas do século XVII.

Inicialmente recebeu o nome de “Archivum Novum” tendo depois passado a ser designado por “Archivum Apostolicum” e em 1646 passou a ter o título de “Archivum Secretum”.

Para o Papa Francisco o termo “Secretum” estava justificado porque indicava que o novo arquivo do Papa Paulo V (1610-1612) “não era mais do que um arquivo privado, separado e reservado”.

Mesmo assim, para o Papa Francisco, em virtude das mudanças que ocorreram nas línguas modernas, nas culturas e na sensibilidade social dos “diferentes países” o termo “Secretum” começou a ser mal interpretado e a tornar-se “ambíguo e com aspetos negativos”.

O Papa, depois de consultar sacerdotes, colaboradores e arquivistas optou por modificar a denominação para Arquivo Apostólico do Vaticano.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Centro Europeu de Controlo de Doenças alerta: países que retirem medidas para o Natal terão aumento de internamentos

O Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que se os países que em outubro e novembro tomaram novas medidas para controlar a pandemia as levantassem a 21 de dezembro, os internamentos hospitalares aumentariam na …

Pensilvânia certifica vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais

As autoridades da Pensilvânia certificaram, esta terça-feira, a vitória do democrata naquele estado nas eleições presidenciais norte-americanas. Na sua conta do Twitter, o governador local, o democrata Tom Wolf, escreveu que o Departamento de Estado da Pensilvânia …

Nos Países Baixos, há drive-ins para as crianças poderem visitar o Pai Natal em tempo de pandemia

Muito se tem falado de como será o Natal neste ano atípico. Contudo, há países que já começam a arranjar alternativas para a época festiva. Nos Países Baixos, os drive-ins estão a ser usados para …

Vereador da Educação de Lisboa ameaça autarca com “um par de murros”

O vereador da Educação da Câmara de Lisboa afirmou, num comentário no Facebook, em resposta a uma publicação de um vogal da Junta de Freguesia do Areeiro, estar disponível para lhe dar "um par de …

Papa Francisco critica negacionistas da covid-19 e fala da morte de George Floyd

O papa Francisco, num livro esta segunda-feira publicado, criticou os opositores ao uso de máscaras ou outras restrições impostas para conter a pandemia de covid-19, sublinhando que nunca se manifestariam contra a morte do afro-americano …

Fenprof reconhece abertura da tutela do Ensino Superior para negociar apesar de divergências

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reconheceu esta segunda-feira a abertura do Governo para negociar algumas questões do Ensino Superior, depois de uma reunião em que a tutela e a organização sindical nem sempre estiveram …

Bombeiros vão receber verba adicional de três milhões de euros

As associações humanitárias de bombeiros vão receber uma verba adicional de três milhões de euros em 2021 para fazer face aos constrangimentos financeiros devido à pandemia de covid-19, segundo uma proposta do PS hoje aprovado. Este …

Media Capital desafia ERC e elege Mário Ferreira como presidente

Os acionistas da Media Capital elegeram, esta terça-feira, o empresário Mário Ferreira presidente da dona da TVI. A assembleia-geral esteve inicialmente convocada para 28 de outubro, tendo sido suspensa, retomando hoje os trabalhos e com uma …

Estado de emergência. Maioria dos portugueses concorda com novas medidas de restrição

Uma sondagem da Intercampus para o Correio da Manhã revela que a maioria dos portugueses concorda com o regresso ao estado de emergência e com as restrições impostas pelo Governo. De acordo com o Correio da …

Taarabt é o terceiro jogador do Benfica infetado com covid-19

O internacional marroquino também testou positivo à covid-19, dois dias antes de o Benfica, que já tinha previstas oito baixas no plantel, defrontar o Rangers para a Liga Europa.  Depois de Darwin Nuñez e Julian Weigl …