Universidade alemã está a oferecer bolsas para não fazer absolutamente nada

Em prol da Ciência, a Universidade de Belas Artes de Hamburgo, na Alemanha, está a oferecer bolsas de estudo para não fazer absolutamente nada.

A instituição de Ensino Superior tem, ao todo, três bolsas de estudo para oferecer, sendo estas parte de um projeto que quer estudar a preguiça e a falta de ambição – na prática, os participantes serão pagos para fazerem o mínimo humanamente possível.

As bolsas são no valor de 1.600 euros, detalha o jornal britânico The Independent.

Os interessados terão de convencer os académicos de que ficarão inativos de uma forma particularmente interessante através de um formulário onde serão convidados a explicar o que é que vão deixar de fazer exatamente e durante quanto tempo.

O que é que não queres fazer?“, “Porque é que é importante não fazer essa atividade em particular”?, serão algumas das perguntas incluídas na inscrição.

“Pode ser um locutor de rádio que decide ficar em silêncio durante cinco minutos numa emissão ou alguém que decide não produzir resíduos plásticos durante um mês”, explicou Friedrich von Borries, responsável pelo projeto, em declarações à Deutsche Welle.

Borries, arquiteto de profissão, considera que é importante estudar mais de perto a preguiça para ajudar a levar a cabo uma transformação eco-social: “É sobre sair da espiral de sucesso constante, sair da roda do hamster da vida”.

“Se queremos viver em sociedade que consome menos energia, desperdiça menos recursos, este não é o sistema com os valores certos (…) Não seria mais agradável ganhar prestígio social ao dizer: ‘Tenho tempo para sonhar, encontrar amigos, levantar os pés – tenho tempo para fazer alguma coisa?”.

Os candidatos de toda a Alemanha são convidados a enviar os seus planos sobre “inatividade ativa” até 15 de setembro, não precisando de ser artistas para concorrer.

O projeto fará parte de uma exibição sob o nome Inconsequentiality: Towards A Better Life, que estará disponível na Universidade de Hamburgo no próximo ano.

  ZAP //

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.