Um antigo cenário do faroeste em Espanha está à venda por 2,8 milhões

Wikimedia

Cenário de “Once Upon a Time in the West”.

Um cenário de oito hectares construído nos anos 60 para um dos filmes de Sergio Leone está à venda por 2,8 milhões de euros.

Numa paisagem árida e acidentada, as portas de salão do século XIX abrem-se para uma rua larga e poeirenta, cheia de estábulos e postos de atrelagem de cavalos. É um cenário do oeste selvagem dos EUA — em Espanha — e está à venda.

O local perto da aldeia de Tabernas, no sul de Espanha, junta uma mistura singular de culturas que se uniram há décadas para criar um filme conhecido em todo o mundo.

A partir da década de 1960, um conjunto de realizadores maioritariamente italianos capitalizou os penhascos da zona para ganhar terreno no género cinematográfico conhecido como ‘western’ — os filmes de cowboys.

Os famosos tiroteios, cowboys e ângulos de câmara abrangentes — os westerns esparguete, como eram conhecidos — foram reavivaram o género já desvanecido, ao projetarem o oeste americano.

“Spaghetti western”, “faroeste esparguete” ou “faroeste italiano”, muito populares nos anos 60 e 70, são o termo dado aos filmes do faroeste americano.

A maioria dos filmes foi dirigida e produzida por italianos, por vezes em colaboração com outros países europeus, como Espanha ou Alemanha.

O termo “spaghetti western” era originalmente considerado depreciativo, com alguns críticos a considerar as obras inferiores aos ‘westerns’ americanos.

Entre os realizadores mais conhecidos do género encontra-se Sergio Leone, o italiano cujos filmes como “The Good, The Bad, and the Ugly” (1966) e “A Fistful of Dollars” (1964) catapultaram Clint Eastwood para o estrelato.

No final dos anos 60, Sergio Leone chegou a Tabernas com carta branca para realizar um filme que passaria a ser um dos mais famosos ‘spaghetti westerns’ do realizador: “Once Upon a Time in the West“.

A sua equipa tinha como objetivo usar o Ocidente como pano de fundo para um confronto entre os atores Henry Fonda e Charles Bronson.

Cinco décadas mais tarde, o cenário de oito hectares construído para o filme está à venda por 2,8 milhões de euros.

“O que estamos a vender é um pequeno pedaço da história de Almería”, realçou José Ruda, da agência imobiliária Grupo Rukasa. “Este é um lugar onde memórias e brincadeiras foram forjadas”.

Pouca coisa parece ter mudado desde que o cenário se tornou o Rancho Sweetwater do filme — à exceção da deterioração da cidade, onde outrora os cowboys Fonda e Bronson se confrontavam, segundo o The Guardian.

“Quando está ventoso, vê-se, no entanto, o rolar das ervas secas”, afirmou Ruda. “E deixa-nos a pensar ‘onde estão os cowboys com as armas?'”

Hoje em dia, o local é uma atração turística e é esporadicamente utilizado para filmar anúncios e vídeos musicais. Mas mantém o legado de ser construído para “Once Upon a Time in the West”, um fracasso inicial, que desde então tem sido considerado um dos melhores westerns alguma vez realizados.

“Os proprietários adoravam ver o local restaurado, com aquela vibração que teve nos anos 70 e 80, quando os realizadores lá entraram para filmar”, contou Ruda. “Eles sentiam-se como se fizessem parte de uma família”.

A história fundiu-se com a identidade da zona. Durante mais de uma década, Tabernas tem acolhido o festival de cinema ocidental de Almería — “o maior evento cinematográfico europeu dedicado ao género ocidental”.

Este não é o local para criar um parque de diversões“, insistiu Ruda. “Há tanta história que pode ser explorada aqui”, concluiu.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.