Um ano depois do Ice Bucket Challenge, o que mudou?

thegatesnotes / YouTube

-

Por esta altura, no ano passado, as redes sociais foram invadidas por vídeos de pessoas a despejar um balde de água fria sobre a cabeça. Quem não embarcou no desafio do balde de gelo pelo menos conhece alguém que participou.

Vídeos foram partilhados, amigos foram desafiados e inúmeras celebridades apareceram encharcadas – tudo por uma boa causa. Mais de 17 milhões de pessoas publicaram os seus vídeos no Facebook, com mais de 440 milhões de visualizações.

Mas o que aconteceu um ano depois daquela que foi considerada a maior campanha do mundo nas redes sociais?

Apesar das críticas, na altura, de que poucas pessoas que estavam a participar sabiam de facto qual era o motivo do desafio, as instituições de solidariedade ligada a doenças do neurónio motor como a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA, ou ALS, na sigla em inglês), que motivou o desafio, dizem que o dinheiro chegou até si.

No Reino Unido, a Motor Neurone Disease (MND) Association arrecadou sete milhões de libras (cerca de 9,5 milhões de euros) – em grande parte graças a um casal de Yorkshire.

Paula e Robert Maguire viram que o desafio estava a tornar-se viral nos EUA e criaram uma página de arrecadação de recursos na Internet para quem quisesse participar do desafio no Reino Unido.

Alguns anos antes, o tio de Paula tinha morrido em apenas nove semanas por causa de uma doença deste tipo, e eles estavam determinados a ajudar a arrecadar fundos e criar consciência.

“Estávamos a ver o telejornal e os Kennedys tinham desafio Barack Obama. Imediatamente pensamos que queríamos que as pessoas dos EUA se ligassem às do Reino Unido”, afirma.

Eles criaram um número para envio de mensagens, lançaram o desafio do balde de gelo no início de agosto e definiram uma meta de 500 libras (cerca de 710 euros) para a associação MND.

Até agora, seus esforços através da página já renderam mais de quatro milhões de libras (cerca de 5,7 milhões de euros) para a entidade.

EUA

Nos EUA, a ALS Association – que representa pessoas com ELA e outros tipos de doenças do neurónio motor – recebeu 115 milhões de dólares (cerca de 105 milhões de euros) em doações de agosto a setembro de 2014, quando o desafio estava no auge.

A entidade americana diz que o dinheiro ajudou a triplicar o seu investimento anual em investigação.

Chris James, diretor de assuntos externos da MND Association, diz que foram 12 meses extraordinários, que começaram com o ator Benedict Cumberbatch a lançar o desafio para ajudar a instituição.

Também ajudou o fato de o ator Eddie Redmayne ter ganhado o Óscar pela sua interpretação do professor Stephen Hawking, que tem a doença, no filme “A Teoria de Tudo”.

“Nunca houve nada tão grande em arrecadação de fundos e doações voluntárias, fez-nos valorizar mais as redes sociais. Antes víamos como ferramentas de comunicação, mas agora são a ferramenta de comunicação mais importante para algumas campanhas particulares.”

“Levantamos uma quantia significativa e aumentamos o conhecimento sobre a doença no ano passado”, afirma. No entanto, a entidade decidiu não repetir este ano o Ice Bucket Challenge.

Investigação

Em vez disso, criaram uma campanha para agradecer aos muitos doadores – que também serve para lembrar o público sobre o verdadeiro objetivo do desafio do balde de gelo.

Há aproximadamente cinco mil pessoas a viver com estas doenças no Reino Unido. James afirma que o desafio fez com que algumas delas se sentissem menos sozinhas porque, agora, mais pessoas sabem o que é o problema e o sofrimento que ele causa.

O desafio também teve efeitos positivos em termos de investigação sobre as causas da doença.

Um projeto internacional para analisar o genoma de 15 mil pessoas com doenças do neurónio motor, incluindo todas as pessoas no Reino Unido com o problema, foi acelerado com fundos do Ice Bucket Challenge.

Ammar Al-Chalabi, professor de neurologia e doenças genéticas complexas no King’s College London, diz que este é “um projeto enorme que vai produzir dados suficientes para encher 10 mil hard drives”.

O projeto vai permitir que cientistas comparem o genoma de pessoas afetadas pela doença com o das que não sofrem dela, chegando perto assim de isolar os genes que aumentam a probabilidade de alguém desenvolvê-la.

Com cinco milhões de libras destinados a investigação, 1,5 milhões foram usados com cuidados e apoio aos pacientes. O resto do dinheiro financiará novos centros de tratamento e dará bolsas aos cuidadores.

No final das contas, houve algum aspeto negativo no desafio?

Al-Chalabi diz que há o risco de as pessoas pensarem que essas doenças já não precisam de mais dinheiro – mas a verdade é exatamente o oposto.

Precisamos de um desafio do balde de gelo constante.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Paços de Ferreira 0-5 Benfica | Seferovic “parte tudo” na Capital do Móvel

Na noite deste sábado, o Benfica somou o sétimo triunfo consecutivo no campeonato, ao golear o Paços de Ferreira por 5-0, num embate relativo à 26.ª jornada do campeonato. A equipa de Jorge Jesus, que acabou …

Após terramotos e deslizamentos, a "cidade moribunda" de Itália ainda resiste no topo de uma montanha

Chamar-se a si mesmo de "Cidade Moribunda" pode não parecer a melhor forma de atrair turistas, mas Civita, em Itália, aprendeu a viver com o facto de estar a morrer. Há vários séculos, a cidade …

"Alexa, estou com calor." Já é possível controlar o ar condicionado de um Lamborghini apenas com a voz

A Amazon está a dar um grande passo na indústria automóvel ao integrar a Alexa no Huracán EVO da Lamborghini, não apenas para fazer perguntas, mas dando ao assistente virtual a capacidade de controlar as …

Nova tecnologia pode enviar luz solar para o subsolo

Investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, na Singapura, inventaram um novo dispositivo que pode ajudar o país a iluminar a sua crescente infraestrutura subterrânea. A Singapura é um dos países que tem apostado cada vez mais …

Livro lança "caça ao tesouro" a urna de ouro oferecida por Inglaterra a França antes da Entente Cordiale

Um novo enigma literário está prestes a chegar às estantes de livros com uma recompensa incomum. Pistas em "The Golden Treasure of the Entente Cordiale" podem levar leitores no Reino Unido e França a um …

Para evitar casos de burnout, LinkedIn deu uma semana de férias aos quase 16 mil funcionários

O LinkedIn decidiu dar uma semana de férias (remunerada), que começou esta segunda-feira, a todos os seus funcionários espalhados pelo mundo. O objetivo? Desconectar, recarregar baterias e prevenir casos de burnout.  "Queríamos ter a certeza de …

Pequenos nadadores-robô curam-se a si próprios (e em movimento)

Uma equipa de investigadores da American Chemical Society desenvolveu pequenos robôs nadadores que conseguem curar-se a si mesmos magneticamente. O tecido vivo pode curar-se autonomamente de muitos ferimentos, mas fornecer habilidades semelhantes a sistemas artificiais, como …

Tondela 0-2 FC Porto | Missão cumprida com serviços mínimos

Missão cumprida. O FC Porto fez poupanças no jogo com o Tondela, mas levou os três pontos para casa, graças a um triunfo por 2-0. Os “dragões” foram claramente superiores no primeiro tempo, marcaram por Toni …

Portugal pode atingir linha vermelha dos 120 novos casos por 100 mil habitantes em dois meses

Portugal pode atingir uma taxa de incidência de de 120 casos por 100 mil habitantes daqui a dois ou mais meses se se mantiver o atual ritmo de crescimento deste indicador. Esta é a conclusão de …

Akon ainda não construiu a "Wakanda da vida real", mas o Uganda já lhe está a dar terrenos para a segunda

O artista de R&B Akon ainda não concretizou a sua visão ambiciosa de uma cidade “futurística” alimentada por uma criptomoeda chamada “Akoin” e construída num terreno que lhe foi dado pelo governo senegalês. Contudo, o …