A última sobrevivente do comércio transatlântico de escravos foi identificada (e era uma “rebelde”)

Domínio Público

Matilda Mccrear

No ano passado, Sally “Redoshi” Smith foi identificada como a última sobrevivente do comércio transatlântico de escravos. Porém, novas evidências revelam que Matilda McCrear viveu mais três anos do que Smith.

Há um ano, Hannah Durkin, da Universidade de Newcastle, identificou a a última sobrevivente do comércio transatlântico de escravos como sendo Sally “Redoshi” Smith. A menina foi raptada aos 12 anos e levada para o Clotilda, o último navio de escravos a chegar aos Estados Unidos em 1860, que foi encontrado no ano passado. Smith viveu no Alabama até à sua morte em 1937.

No entanto, de acordo com a emissora britânica BBC, a investigação mais recente de Durkin, publicada este mês na revista científica Slavery & Abolition, contraria essa conclusão. Na verdade, a última escrava sobrevivente foi uma mulher chamada Matilda McCrear.

De acordo com o jornal britânico Daily Mail, Matilda McCrear foi capturada no Reino do Daomé, que hoje é o Benim, e viveu mais três anos do que Smith, morrendo no Alabama em janeiro de 1940.

Apesar de McCrear ter morrido aos 83 anos sem contar aos seus descendentes sobre a sua juventude como escrava, a sua história foi trazida à tona. De acordo com o portal All That’s Interesting, a sua vida não só é a uma prova da força e resiliência, como também era o último elo vivo com todos os outros raptados como ela.

Matilda McCrear foi capturada na África Ocidental com 2 anos, chegando ao Alabama em 1860, onde foi comprada por um rico proprietário de plantações chamado Memorable Creagh, juntamente com a sua mãe Grace e a irmã Sallie.

O pai e dois dos seus irmãos ficaram em África. Ao chegar à América, McCrear e a sua irmã foram separadas da mãe e vendidas a outro proprietário. Toda tentaram escapar, mas foram imediatamente recapturadas.

Quando a abolição da escravidão em 1865 emancipou McCrear e a sua família, eles não tiveram outro opção: permaneceram onde viviam e trabalharam como agricultoras num regime de parceria rural.

“A história de Matilda é particularmente notável porque ela resistiu ao que era esperado de uma mulher negra no sul dos Estados Unidos nos anos após a emancipação”, disse Durkin. “Não se casou. Em vez disso, viveu em união de facto com um homem branco nascido na Alemanha, com quem teve 14 filhos”.

Esse relacionamento é surpreendente, segundo Durkin, porque, na época, a aparente incompatibilidade de raça, classe, religião e expectativa social não importava para o casal. McCrear manteve o seu senso de identidade cultural.

Aos 70 anos, a mulher caminhou 24 quilómetros até um tribunal do condado e exigiu uma indemnização pela sua escravidão. Porém, o racismo nos anos 30 ainda existia.

Mesmo quando morreu, uma década depois, havia mais vergonha no seu nome do que comemoração. “Havia muito estigma associado à escravidão”, disse Durkin. “A vergonha foi colocada sobre as pessoas que foram escravizadas, e não sobre os que escravizaram”.

Johnny Crear, o neto de Matilda, tem hoje 83 anos. Durante a sua vida, participou em ações de ativismo pelos direitos civis na sua cidade natal, Selma, onde Martin Luther King Jr. fez a sua marcha histórica e se dirigiu ao povo, mas nunca conheceu a história da sua própria avó era escrava – até agora.

Para o neto, estas novas revelações são chocantes e inspiradoras. “Isso preenche muitos dos buracos que temos sobre ela”, disse. “Desde o dia em que o primeiro africano foi trazido para este continente como escravo, tivemos de lutar pela liberdade. Não me surpreende que tenha sido tão rebelde. É refrescante saber que tinha o tipo de espírito que é edificante”.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O comércio transatlântico de escravos pode ter terminado há muito, mas o comércio de escravo prossegue atualmente na África sub-sahariana. Porém, acerca disso não se houve falar. O relativismo cultural neo-marxista impera.

    • Meu caro para certos canalhas isso são “detalhes”. O que importa é apenas culpar os brancos. A irracionalidade humana é pior é selectiva para contar apenas o que lhe interessa. Note que o neto da mulheres da historia só fala da ascendente negra, está-se nas tintas para o seu avô branco. A história desse homem, não interessa nem serve os propósitos de vitimização, é para ser apagada. A escravatura existia em áfrica antes dos brancos lá terem chegado, e manteve-se muito depois – a Mauritânia só em Novembro de 1981 terminou oficialmente como o “negócio”, oficiosamente ainda se mantem: “as pessoas mais ricas ainda podem ter escravos”, é normal na sua sociedade em pleno século XXI, apesar de tal ser considerado crime desde… 2007! Os muçulmanos e chineses forma os maiores escravocratas da História, mas desses ninguém fala para manter a falsidade histórica que é manipulada ao gosto dos que refere e, rebaixar quem é branco.

RESPONDER

Veneno de caracol marinho usado para criar insulina híbrida promissora no tratamento da diabetes

Cientistas criaram uma versão minimalista e híbrida de insulina, a partir da hormona humana e de um caracol marinho, que pode vir a melhorar o tratamento da diabetes, divulgou a universidade norte-americana de Ciências da …

Sequelas da covid-19 em doentes mais graves ainda estão por compreender

O acompanhamento depois da alta para doentes que estiveram internados com covid-19 é um dos grandes desafios do sistema de saúde para compreender que sequelas, por enquanto desconhecidas, a doença poderá deixar. “Só daqui a seis …

Criança nasce com duas bocas nos EUA. É o 35.º caso registado desde 1900

A menina, nascida nos Estados Unidos, foi operada ao seis meses para remover a cavidade oral secundária, que incluía dentes, língua e um lábio. Uma bebé nasceu nos Estados Unidos com duas bocas, devido a uma …

Funcionários do Facebook em "greve virtual" face à recusa de Zuckerberg em agir contra Trump

Os funcionários do Facebook estão insatisfeitos com a decisão do fundador da rede social de manter uma postura neutra perante as recentes publicações do Presidente dos Estados Unidos. De acordo com o jornal The Guardian, os …

Inteligência Artificial recria "verdadeiro" rosto de Napoleão Bonaparte

Recorrendo a uma técnica de Inteligência Artificial, um artista holandês criou um retrato em alta definição do imperador francês Napoleão Bonaparte. O fotógrafo freelancer holandês Bas Uterwijk, cujo pseudónimo é Gandbrood, recorreu a uma rede neuronal …

"Apito" da covid-19. Novo teste deteta novo coronavírus em apenas um minuto

Uma equipa de cientistas da Universidade Ben-Gurion, em Israel, desenvolveu um novo dispositivo que é capaz de detetar a presença do novo coronavírus no organismo humano em apenas um minuto. O novo teste, desenvolvido pelos investigadores …

"We Call it Alentejo". Novo filme promocional destaca as maravilhas alentejanas

A gastronomia e vinhos, as pequenas aldeias, a sustentabilidade e a natureza são atributos do Alentejo evidenciados no mais recente filme promocional do território, lançado pela agência regional de promoção turística para chamar visitantes estrangeiros. Com …

Curandeiro convocou cerca de 100 pessoas para se abraçarem contra a "farsa" da pandemia

Josep Pàmies, um agricultor espanhol defensor das terapias alternativas, convocou cerca de 100 pessoas a abraçarem-se a beijarem-se contra a "farsa" da pandemia. No sábado, cerca de uma centena de pessoas juntaram-se em Balanguer, na província …

Rússia anuncia início de ensaios clínicos de uma vacina contra a covid-19

A Rússia vai começar os ensaios clínicos de uma vacina contra a covid-19 em 50 soldados que se ofereceram para participar nos testes, anunciou esta terça-feira o Ministério da Defesa. "Para verificar a segurança e eficácia …

Montenegro tem uma carta na manga para promover o turismo

Para incentivar o turismo, Montenegro tem a intenção de usar a carta da segurança sanitária para convencer os turistas estrangeiros a visitar o país. No dia 25 de maio, Montenegro declarou-se um "país livre de coronavírus" …