Ufa, o CAPSTONE da NASA já não está aos trambolhões no Espaço

Os engenheiros da problemática missão CAPSTONE à Lua fizeram progressos na estabilização da nave espacial.

Há um mês, o CAPSTONE (Cislunar Autonomous Positioning System Technology Operations and Navigation Experiment), do tamanho de um microondas, começou a cair e perdeu a sua orientação no Espaço.

Mas agora, após semanas a resolver o problema de forma meticulosa e paciente, os membros da equipa executaram com sucesso uma operação para interromper os movimentos giratórios da nave. A NASA diz que isto elimina um grande obstáculo no retorno da nave espacial às operações normais.

A missão do pequeno satélite é realizar testes para garantir que a órbita lunar exclusiva do futuro Lunar Gateway da NASA seja realmente estável. Foi lançado a 28 de junho de 2022 na Nova Zelândia no foguete Electron da Rocket Lab.

No início de julho, após realizar uma correção de curso, a nave espacial perdeu contacto com a Deep Space Network; no entanto, as comunicações foram restabelecidas após cerca de 24 horas.

Mas a 8 de setembro, no final de outra manobra de correção de curso, a atitude da nave espacial começou a desviar-se. As rodas de reação do CAPSTONE foram incapazes de contrariar as oscilações da nave espacial, e o veículo entrou numa rotação descontrolada. Com a sua antena não mais apontada para a Terra, as comunicações foram perdidas novamente.

Os engenheiros logo conseguiram restabelecer uma ligação de comunicação fraca e os dados indicaram que os painéis solares da nave espacial não estavam a produzir energia suficiente para carregar as baterias, o que fazia com que a nave fosse reiniciada com frequência por falta de energia.

O mais preocupante era que, sem energia para acionar os aquecedores a bordo, os propulsores necessários para parar a queda poderiam congelar. Mas a equipa da missão conseguiu colocar o CAPSTONE no modo de segurança, o que permitiu que os painéis solares se concentrassem no fornecimento de energia para aquecer a nave. Em seguida, a equipa poderia concentrar-se na tentativa de resolver o problema da queda. Foram capazes de determinar que o problema surgiu de uma válvula de propulsão que estava parcialmente aberta.

Ao rever os dados de telemetria, um dado encorajador foi que o CAPSTONE estava a caminho de, eventualmente, atingir a sua trajetória orbital desejada. A órbita lunar incomum, chamada de órbita halo quase retilínea (NRHO), é uma órbita polar alongada que leva uma nave espacial a 1600 km de um pólo lunar na sua passagem próxima e 70 000 km do outro pólo a cada sete dias.

Uma vez que a órbita usa um ponto de equilíbrio nas gravidades da Terra e da Lua, teoriza-se que as naves espaciais neste tipo de órbita requerem menos capacidade de propulsão e requerem energia mínima para a manutenção. Este é o objetivo da CAPSTONE, determinar o quão estável e economizadora de energia esta órbita realmente é.

Na semana passada, sexta-feira, 7 de outubro, os comandos de recuperação foram executados e a telemetria inicial do CAPSTONE aponta para uma manobra bem-sucedida, indicando que a nave parou de girar e recuperou o controlo total de atitude de 3 eixos. Isso significa que a posição do CAPSTONE é controlada e os seus painéis solares estão a apontar para o Sol e a antena de comunicação está apontada para a Terra.

A equipa agora está a monitorizar a nave e a fazer os ajustes necessários nos procedimentos para contabilizar e mitigar os efeitos da válvula de propulsão parcialmente aberta. A equipa da missão também trabalhará para projetar possíveis correções para este problema relacionado com válvula, a fim de reduzir o risco em manobras futuras. CAPSTONE continua no caminho certo para se inserir na sua órbita de halo quase retilínea na Lua a 13 de novembro.

  ZAP // Universe Today

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.