UE escondeu estudo que revela que downloads ilegais não afectam as vendas

(dr)

As autoridades governamentais da União Europeia poderão ter alguma dificuldade em explicar porque motivo um estudo encomendado pela própria UE, que concluiu que os downloads ilegais não têm impacto negativo nas vendas – e que até as promovem, no caso de certos conteúdos – foi “suprimido”.

O estudo em causa, que custou 370 mil euros, foi encomendado em 2014 e as conclusões do mesmo foram entregues em Maio de 2015 à Comissão Europeia. Mas estranhamente, em vez de o estudo, financiado com dinheiros públicos, ter sido publicado, foi mantido em segredo.

Recente, a eurodeputada Julia Reda, do Partido Pirata, teve curiosidade em saber porque motivo os resultados do estudo não tinham sido revelados, e fez um pedido para os obter.

O pedido da eurodeputada alemã acabou por se transformar numa experiência surreal, que culminou com a publicação “voluntária” do estudo – depois de a Comissão Europeia ter dito que “era o que já planeava fazer e que nada teve a ver com o pedido feito” por Júlia Rada.

O estudo, que analisa 30.000 pessoas na Alemanha, França, Polónia, Espanha, Suécia e Reino Unido, refere que, em 2014, cerca de 51% dos adultos e 72% dos jovens fazia downloads ou streaming ilegais.

Mas o mais mais interessante, realça o TechDirt, é que o estudo não conseguiu demonstrar que estes downloads e streams tivessem qualquer impacto negativo nas vendas de uma forma global.

O único caso em que foi detectada uma correlação foi no caso de filmes recentes, em que o recurso à pirataria era acompanhado por uma redução nas vendas  – eventualmente  também influenciado pelo facto de os filmes recentes muitas vezes nem sequer estarem disponíveis para serem comprados.

Em contrapartida, também acontece o caso dos jogos de computador, acerca dos quais o estudo concluiu que a pirataria promove a compra de mais jogos legais. Outra conclusão curiosa, que não será novidade para uma pessoa “normal” é a questão do preço.

Nos filmes e séries a grande maioria das pessoas que faz downloads ou streaming considera que estes conteúdos têm preços exagerados, que as leva a recorrer às fontes alternativas. Mas no caso de jogos, música e livros, os preços eram considerados “justos”, pelo que haveria mais pessoas dispostas a comprá-los pela via legal.

A evidência de que autoridades europeias ocultaram os resultados deste estudo, que contraria completamente os argumentos usados para tentar justificar leis abusivas – e o facto de o terem feito de forma consciente, torna este caso preocupante e bastante mais grave do que simplesmente um assunto de “downloads e copyrights”.

Mas para agravar ainda mais o aspecto surreal do caso, surge a cereja em cima do bolo. Uma publicação académica de alguns membros da Comissão Europeia cita uma parte dos resultados deste estudo: os que se referem à “excepção” dos filmes recentes.

Convenientemente, a publicação esquece-se de referir a conclusão geral do estudo, de que os downloads não têm impacto mensurável nas vendas de conteúdos legais, ou que até as promovem, no caso de alguns conteúdos. Ou seja, o estudo era de facto conhecido… mas estava a ser utilizado apenas com os excertos que “interessavam”.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Grande novidade. Downloads ilegais foi o que aumentou a publicidade. Ilegal devia ser o sistema actual de patentes que apenas protege as grandes empresas.

  2. Cada vez mais os produtores de multimédia têm ganho através da publicidade, mesmo quando oferecem conteúdos grátis. A discussão sobre a “pirataria” já não é tão actual quanto parece…

RESPONDER

A nova fábrica da Tesla não vai ser no Reino Unido por causa do Brexit

O presidente executivo da Tesla admitiu que as incertezas à volta do Brexit tiveram peso na decisão de abrir a primeira fábrica da empresa na Europa antes em Berlim. A Tesla anunciou, esta terça-feira, que vai …

Esta sexta-feira, a condenação ao comunismo e ao nazismo vai ser debatida no Parlamento

O debate sobre a resolução do Parlamento Europeu que condenou o comunismo e o nazismo chega esta sexta-feira à Assembleia da República, em Lisboa. De acordo com o Observador, de um lado, os partidos mais à …

Mexia não vai deixar que chineses interfiram no plano estratégico da EDP

O presidente da EDP, António Mexia, garantiu que não vai deixar que nenhum acionista impeça o desenvolvimento do plano estratégico da empresa, deixando o aviso à China Three Gorges. Em entrevista concedida ao Jornal Económico, António …

Impostos indiretos subiram com Governo de Costa e são já 55% da carga fiscal

Os impostos indiretos têm vindo a aumentar em Portugal. Dados da Direção-Geral do Orçamento mostram que o peso da tributação indireta no total da receita fiscal do subsector Estado, em 2018, ascendeu a 55,4%, o …

Espanha pode ficar isenta de cumprir caudais do rio Tejo por causa da falta de chuva

Os caudais do Tejo podem ficar ainda mais baixos dentro de semanas. Com a falta de chuva, Espanha deverá invocar a exceção prevista na Convenção de Albufeira para não libertar os valores mínimos de água …

Haaland tem cinco namoradas e meio mundo atrás dele (mas pode seguir o caminho da Red Bull)

Apesar do interesse de grandes clubes do futebol mundial, Haaland pode seguir o trilho da Red Bull e transferir-se para do Salzburg para o Leipzig. O norueguês é uma das maiores jovens promessas da atualidade. Erling …

PSD pondera propor fim dos debates quinzenais e torná-los mensais

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …

Dois procuradores do caso Tancos vão sair do DCIAP

Os procuradores Vítor Magalhães e João Valente, da equipa que investigou o caso Tancos, vão sair do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) no âmbito do movimento de magistrados do Ministério Público (MP), …