UE escondeu estudo que revela que downloads ilegais não afectam as vendas

(dr)

As autoridades governamentais da União Europeia poderão ter alguma dificuldade em explicar porque motivo um estudo encomendado pela própria UE, que concluiu que os downloads ilegais não têm impacto negativo nas vendas – e que até as promovem, no caso de certos conteúdos – foi “suprimido”.

O estudo em causa, que custou 370 mil euros, foi encomendado em 2014 e as conclusões do mesmo foram entregues em Maio de 2015 à Comissão Europeia. Mas estranhamente, em vez de o estudo, financiado com dinheiros públicos, ter sido publicado, foi mantido em segredo.

Recente, a eurodeputada Julia Reda, do Partido Pirata, teve curiosidade em saber porque motivo os resultados do estudo não tinham sido revelados, e fez um pedido para os obter.

O pedido da eurodeputada alemã acabou por se transformar numa experiência surreal, que culminou com a publicação “voluntária” do estudo – depois de a Comissão Europeia ter dito que “era o que já planeava fazer e que nada teve a ver com o pedido feito” por Júlia Rada.

O estudo, que analisa 30.000 pessoas na Alemanha, França, Polónia, Espanha, Suécia e Reino Unido, refere que, em 2014, cerca de 51% dos adultos e 72% dos jovens fazia downloads ou streaming ilegais.

Mas o mais mais interessante, realça o TechDirt, é que o estudo não conseguiu demonstrar que estes downloads e streams tivessem qualquer impacto negativo nas vendas de uma forma global.

O único caso em que foi detectada uma correlação foi no caso de filmes recentes, em que o recurso à pirataria era acompanhado por uma redução nas vendas  – eventualmente  também influenciado pelo facto de os filmes recentes muitas vezes nem sequer estarem disponíveis para serem comprados.

Em contrapartida, também acontece o caso dos jogos de computador, acerca dos quais o estudo concluiu que a pirataria promove a compra de mais jogos legais. Outra conclusão curiosa, que não será novidade para uma pessoa “normal” é a questão do preço.

Nos filmes e séries a grande maioria das pessoas que faz downloads ou streaming considera que estes conteúdos têm preços exagerados, que as leva a recorrer às fontes alternativas. Mas no caso de jogos, música e livros, os preços eram considerados “justos”, pelo que haveria mais pessoas dispostas a comprá-los pela via legal.

A evidência de que autoridades europeias ocultaram os resultados deste estudo, que contraria completamente os argumentos usados para tentar justificar leis abusivas – e o facto de o terem feito de forma consciente, torna este caso preocupante e bastante mais grave do que simplesmente um assunto de “downloads e copyrights”.

Mas para agravar ainda mais o aspecto surreal do caso, surge a cereja em cima do bolo. Uma publicação académica de alguns membros da Comissão Europeia cita uma parte dos resultados deste estudo: os que se referem à “excepção” dos filmes recentes.

Convenientemente, a publicação esquece-se de referir a conclusão geral do estudo, de que os downloads não têm impacto mensurável nas vendas de conteúdos legais, ou que até as promovem, no caso de alguns conteúdos. Ou seja, o estudo era de facto conhecido… mas estava a ser utilizado apenas com os excertos que “interessavam”.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Grande novidade. Downloads ilegais foi o que aumentou a publicidade. Ilegal devia ser o sistema actual de patentes que apenas protege as grandes empresas.

  2. Cada vez mais os produtores de multimédia têm ganho através da publicidade, mesmo quando oferecem conteúdos grátis. A discussão sobre a “pirataria” já não é tão actual quanto parece…

RESPONDER

A Lua pintou-se de vermelho na Argentina (e a causa não é propriamente boa)

Uma estranha lua com tons avermelhados pintou o céu da Argentina. O fenómeno misterioso encheu as redes sociais de fotografias e teorias. Em diferentes regiões da Argentina, várias pessoas puderam apreciar, nas últimas noites, a Lua …

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …