Turquia acusa formalmente 20 sauditas pelo assassinato de Jamal Khashoggi

pomed / Flickr

O Jornalista saudita Jamal Khashoggi

A Turquia acusou formalmente 20 sauditas, incluindo duas pessoas próximas do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

O gabinete do procurador-geral de Istambul adiantou, em comunicado, que identificou duas pessoas próximas do príncipe Mohammed bin Salman como autores intelectuais do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi: o ex-conselheiro Saud Al Qahtani e o ex-diretor de inteligência, general Ahmed Al Assiri.

Após vários meses de investigação, a relatora da ONU sobre tortura, Agnes Callamard, concluiu que o príncipe herdeiro saudita, assim como outros altos responsáveis do regime, têm responsabilidades no assassínio.

Em dezembro, um tribunal da Arábia Saudita condenou à morte cinco pessoas pelo seu alegado envolvimento no crime e condenou outras três a penas de prisão. “Diz-se que vão ser executadas algumas pessoas sem explicar quem são e porque o fizeram, não foi um julgamento aberto, tudo decorreu à porta fechada, desta forma não aceito o resultado nem creio que ninguém o faça”, afirmou Cengiz, noiva do jornalista.

A 9 de março, a também investigadora turca, criticou a inação da ONU perante este crime, dizendo que prejudica o seu prestígio e apelando a que se adotem medidas concretas contra a monarquia saudita. “O relatório da relatora da ONU Agnes Callamard foi claro, pediu que fosse investigado o crime, mas infelizmente não foi dado qualquer passo”, disse.

Segundo as agências noticiosas, Cengiz compareceu na sede europeia da ONU para renovar perante o Conselho de Estado as suas pressões dirigidas à Arábia Saudita para que se investigue e castigue os autores do crime.

“Apesar da inação e da paralisia ainda estou otimista e acredito que este é o lugar onde algo tem de ocorrer, e por isso estou aqui, para recordar que ainda se pode fazer algo. Esta é a oportunidade da ONU para se fortalecer a si própria e surgir como a autoridade na matéria, como um corpo para impor sanções e castigar os culpados”, afirmou Cengiz.

A investigadora e ativista turca também se dirigiu aos países da União Europeia, a quem pediu um papel mais ativo que não se limite a simples declarações de condenação pelo assassínio do jornalista.

“Posso ver que muitos países estão incomodados com o odioso crime cometido, e por isso exorto-os a tomarem ações individuais. Sei que entre eles existe essa vontade”, declarou.

Jamal Khashoggi, um jornalista crítico da monarquia saudita e que trabalhava para o The Washington Post, foi assassinado e desmembrado a 2 de outubro de 2018, no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bruxelas disponibiliza 300 milhões de euros a pequenas e médias empresas para alavancar investimentos

O programa "Escalar" disponibiliza 300 milhões de euros, através do Fundo Europeu de Investimento, para apoiar investimentos de pequenas e médias empresas "promissoras" que queiram crescer. A Comissão Europeia anunciou que vai disponibilizar 300 milhões de …

Maçonaria cancela eleições e proíbe rituais em sessões virtuais

A pandemia de Covid-19 levou o Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, Fernando Lima, a principal obediência maçónica em Portugal, a cancelar as eleições e a proibir os encontros com rituais maçónicos 'online', visto que …

Mourinho quebra regras e assume que errou ao ir treinar com Ndombele

Fotografias e vídeos divulgados nas redes sociais mostram José Mourinho e os jogadores do Tottenham a treinar juntos e a violar as regras de segurança impostas devido ao surto do novo coronavírus. O Tottenham, treinado por …

Rússia bate recordes de infeções diárias. Em Itália, o número de mortes voltou a diminuir

Há três dias consecutivas que o número de novos casos bate recordes de crescimento na Rússia. Já em Itália, o número de mortes voltou a diminuir esta quarta-feira. Pelo terceiro dia consecutivo, o crescimento de número …

Governo prepara apoios aos media "à medida das televisões"

O Governo está a preparar medidas de apoio aos meios de comunicação social, gravemente afetados pela crise causada pela pandemia de Covid-19. Contudo, como considerou o administrador da Global Media Group, Afonso Camões, citado pelo Dinheiro Vivo, tudo …

Archewell. Harry e Meghan registam a sua nova marca

O príncipe Harry e Meghan Markle registaram a sua nova marca, uma fundação sem fins lucrativos chamada Archewell. De acordo com o jornal britânico The Guardian, que cita registos datados de 3 de março, a marca …

Libertação de reclusos. Esquerda ao lado do Governo garante aprovação

PSD, CDS-PP, PAN e Iniciativa Liberal manifestaram reservas ao diploma que prevê a concessão de indultos e antecipação do fim das penas para reclusos que tenham cometido crimes pouco graves. A proposta do Governo que cria …

Galp anuncia cortes de 500 milhões de euros por ano devido à pandemia

A Galp Energia decidiu cortar mais de 500 milhões de euros por ano dos seus custos operacionais e investimentos para 2020 e 2021, visando fazer face ao impacto da pandemia de Covid-19 na procura de …

Bombeiros de Beja admitem recusar transportar suspeitos e doentes

As 15 corporações de bombeiros do distrito de Beja admitem recusar transportar utentes suspeitos e doentes com covid-19 por falta de condições e apoios. As 15 corporações de bombeiros do distrito de Beja referem que, "por …

Ministra sul-africana suspensa por violar medidas de contenção

A ministra das Comunicações sul-africana, Stella Ndabeni-Abrahams, foi suspensa depois de ter sido apanhada em flagrante desobediência numa fotografia publicada no Instagram, onde é vista a almoçar com outras cinco pessoas. O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, anunciou …