Tsipras defende terceiro resgate e rejeita coligação com a Nova Democracia

linkeimep / Flickr

Alexis Tsipras, ex-Primeiro-Ministro da Grécia

O líder do Syriza e ex-Primeiro-Ministro grego, Alexis Tsipras, rejeitou indiretamente uma coligação com os conservadores da Nova Democracia e pediu um forte mandato para que o Governo de esquerda não se converta num “parêntesis” da história.

“O povo decidirá se o Syriza deve continuar a governar e com quem. Na realidade, o dilema será se a Grécia vai ser governada pelo Syriza ou pela Nova Democracia”, disse o líder do partido da esquerda radical, durante uma conferência de imprensa em Salónica, onde no domingo apresentou as principais prioridades do seu Governo caso vença das eleições antecipadas de 20 de setembro.

A apenas duas semanas do escrutínio, as sondagens têm indicado um “empate técnico” entre o Syriza e a principal força da oposição na Grécia, mas Tsipras decidiu desta forma rejeitar, de forma indireta, a oferta do líder da ND, Vangelis Meimarakis, de formar uma grande coligação para “garantir a permanência” do país na zona euro.

“O primeiro memorando obrigou a medidas de ajustamento de 17 mil milhões de euros ao ano; o segundo, de 9,8 mil milhões ao ano, e o nosso programa é de apenas 2,9 mil milhões anuais”, disse Tsipras, ao recordar que o primeiro foi firmado pelo Governo do Movimento Socialista Pan-Helénico (Pasok) e o segundo pelos conservadores da Nova Democracia.

“Temos o nosso programa, reivindicamos a maioria absoluta. Se não a conseguirmos, o país terá um Governo, porque ninguém tomará a responsabilidade de convocar novas eleições”, disse.

Na sua perspetiva, as diferenças entre o Syriza e a Nova Democracia são tão significativas “como o dia e a noite”, apesar de o líder dos conservadores, Vangelis Meimarakis, “tentar criar um cenário em que todos são parecidos”.

“Devemos deixar para trás as práticas políticas do passado e avançar em direção ao futuro”, disse o líder do Syriza, para precisar a necessidade de pôr termo ao “clientelismo e à corrupção” que assinalaram a prática dos anteriores governos.

Tsipras assinalou como uma “diferença fundamental” entre o Syriza e a ND a “abertura do debate” sobre a renegociação da dívida, além da abordagem às dívidas de longo prazo, a proteção dos salários mais baixos ou do restabelecimento dos contratos coletivos de trabalho.

O ex-Primeiro-Ministro assinalou ainda como outra diferença essencial a assinatura pelo anterior executivo do Syriza, que governou e coligação com um pequeno partido da direita soberanista entre janeiro e agosto, a assinatura de um acordo “após ter negociado com firmeza” e que permitirá relançar a economia devido, entre outras medidas, aos 35 mil milhões do denominado plano Juncker.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

"Uma cena da Idade Média". Refugiado encontrado morto e cercado de ratos em acampamento grego

O jovem, proveniente da Somália, foi encontrado morto dentro de uma tenda no início desta semana. No momento em que as autoridades chegaram ao local, cerca de 12 horas após a morte do rapaz, o …