Tsipras defende terceiro resgate e rejeita coligação com a Nova Democracia

linkeimep / Flickr

Alexis Tsipras, ex-Primeiro-Ministro da Grécia

O líder do Syriza e ex-Primeiro-Ministro grego, Alexis Tsipras, rejeitou indiretamente uma coligação com os conservadores da Nova Democracia e pediu um forte mandato para que o Governo de esquerda não se converta num “parêntesis” da história.

“O povo decidirá se o Syriza deve continuar a governar e com quem. Na realidade, o dilema será se a Grécia vai ser governada pelo Syriza ou pela Nova Democracia”, disse o líder do partido da esquerda radical, durante uma conferência de imprensa em Salónica, onde no domingo apresentou as principais prioridades do seu Governo caso vença das eleições antecipadas de 20 de setembro.

A apenas duas semanas do escrutínio, as sondagens têm indicado um “empate técnico” entre o Syriza e a principal força da oposição na Grécia, mas Tsipras decidiu desta forma rejeitar, de forma indireta, a oferta do líder da ND, Vangelis Meimarakis, de formar uma grande coligação para “garantir a permanência” do país na zona euro.

“O primeiro memorando obrigou a medidas de ajustamento de 17 mil milhões de euros ao ano; o segundo, de 9,8 mil milhões ao ano, e o nosso programa é de apenas 2,9 mil milhões anuais”, disse Tsipras, ao recordar que o primeiro foi firmado pelo Governo do Movimento Socialista Pan-Helénico (Pasok) e o segundo pelos conservadores da Nova Democracia.

“Temos o nosso programa, reivindicamos a maioria absoluta. Se não a conseguirmos, o país terá um Governo, porque ninguém tomará a responsabilidade de convocar novas eleições”, disse.

Na sua perspetiva, as diferenças entre o Syriza e a Nova Democracia são tão significativas “como o dia e a noite”, apesar de o líder dos conservadores, Vangelis Meimarakis, “tentar criar um cenário em que todos são parecidos”.

“Devemos deixar para trás as práticas políticas do passado e avançar em direção ao futuro”, disse o líder do Syriza, para precisar a necessidade de pôr termo ao “clientelismo e à corrupção” que assinalaram a prática dos anteriores governos.

Tsipras assinalou como uma “diferença fundamental” entre o Syriza e a ND a “abertura do debate” sobre a renegociação da dívida, além da abordagem às dívidas de longo prazo, a proteção dos salários mais baixos ou do restabelecimento dos contratos coletivos de trabalho.

O ex-Primeiro-Ministro assinalou ainda como outra diferença essencial a assinatura pelo anterior executivo do Syriza, que governou e coligação com um pequeno partido da direita soberanista entre janeiro e agosto, a assinatura de um acordo “após ter negociado com firmeza” e que permitirá relançar a economia devido, entre outras medidas, aos 35 mil milhões do denominado plano Juncker.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Felipe VI designa Sánchez como candidato a formar o próximo Governo

O Rei de Espanha designou, esta quarta-feira, em Madrid, o secretário-geral do PSOE e primeiro-ministro em funções como candidato a chefe do próximo Governo, anunciou a presidente do Parlamento. "Sua majestade o Rei [...] comunicou-me a …

No Porto, há um painel publicitário que recicla tanto ar como 230 árvores

O painel publicitário da Volvo, instalado na fachada de um prédio entre a Avenida da Boavista e a Rua 5 de Outubro, no Porto, é mais do que publicidade. A tela ajuda a reciclar o …

Governo recua e deixa cair proposta sobre perda de férias em caso de baixa prolongada

O Governo recuou e deixou cair a proposta apresentada aos sindicatos que previa que os funcionários públicos mais antigos que estivessem de baixa prolongada perdessem dias de férias, disse esta quarta-feira o líder da Fesap, …

Marta Temido recusa ser "refém" de Centeno e anuncia maior concentração de Urgências até ao verão de 2020

"Eu nunca me senti refém [de Mário Centeno]. Tenho alguma dificuldade nessa leitura. Este reforço de meios também permitirá injetar mais confiança no sistema e criar respostas. Mas não considero que tenho estado refém do …

IVA da luz. Proposta do Governo foi afastada há um ano porque "não tinha enquadramento legal"

Em 2018, o Bloco de Esquerda apresentou a proposta da taxa reduzida do IVA da luz para um primeiro escalão de consumo. O Governo não fez o pedido a Bruxelas - como fez agora -, …

Nenhum dos treinadores do FC Porto ou Belenenses relatou agressões à PSP

Nem Sérgio Conceição nem Pedro Ribeiro mencionaram uma eventual agressão nas suas declarações à polícia. O treinador portista deverá ser ilibado de qualquer acusação. No domingo, os treinadores de FC Porto e Belenenses, Sérgio Conceição e …

Estado não cumpre os requisitos mínimos que criou para os cuidados paliativos

A maioria das equipas de cuidados paliativos do SNS não tem cumprido os requisitos mínimos definidos pelo próprio Estado. Há uma grave falta de profissionais nesta área. Os cuidados paliativos em Portugal têm vindo a regredir …

Rússia diz que pode organizar os seus próprios Jogos Olímpicos

Na sequência da exclusão por quatro anos, anunciada na segunda-feira, a presidente do Parlamento russo sugeriu que o país pode organizar os seus próprios Jogos Olímpicos. A presidente do Parlamento russo, Valentina Matviyenko, afirmou que o …

Israel vai voltar às urnas. É a terceira eleição consecutiva em menos de um ano

Israel vai ter o terceiro ato eleitoral consecutivo em menos de um ano, estancado num bloqueio político e com um primeiro-ministro acusado de corrupção. Ao terminar à meia-noite de quarta-feira o prazo do Parlamento para eleger …

Benfica é cabeça-de-série no sorteio da Liga Europa

O Benfica será cabeça-de-série no sorteio dos 16-avos-de-final da Liga Europa, que está agendado para a próxima segunda-feira. Depois da vitória por 3-0 sobre o Zenit, que garantiu ao Benfica o apuramento para a Liga Europa, …