Trump vai tomar “grande decisão” sobre Acordo de Paris nas próximas duas semanas

Olivier Douliery / EPA

O presidente dos EUA, Donald Trump

O presidente dos EUA, Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou este sábado, ao cumprir 100 dias na Casa Branca, que vai tomar “uma grande decisão” sobre o Acordo de Paris relativo às alterações climáticas “nas próximas duas semanas”.

“Vou tomar uma grande decisão sobre o Acordo de Paris nas próximas duas semanas. Vamos ver o que acontece”, anunciou Trump, insistindo que os regulamentos ambientais sufocam o crescimento económico e são responsáveis pela perda de empregos no país.

Os EUA estão a equacionar se mantêm o Acordo de Paris, assinado por 195 países em dezembro de 2015 para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e conter o aquecimento global abaixo dos dois graus celsius.

O secretário da Energia norte-americano, Rick Perry, declarou, esta semana, que os Estados Unidos devem permanecer no Acordo de Paris sobre o clima, mas renegociar os seus termos, juntando-se ao campo daqueles que, na administração de Donald Trump, são favoráveis à manutenção.

Por seu turno, o director da Agência de Proteção do Ambiente dos Estados Unidos, Scott Pruitt, pediu recentemente que o país saia deste acordo, considerando que se tratou de “um negócio prejudicial para a América” e que beneficiou principalmente a China, o maior emissor mundial de dióxido de carbono (CO2).

Steve Bannon, o estratega de Trump e um nacionalista económico que parece estar a perder a sua influência, também propôs uma retirada.

A Casa Branca fez saber que iria avaliar a sua posição sobre as alterações climáticas e a política energética, mas sem indicar se iria cumprir a promessa eleitoral de Trump de “anular” a participação dos Estados Unidos no Acordo de Paris, aguardando-se então agora uma decisão “nas próximas duas semanas”.

A anterior administração norte-americana prometeu, em Paris, que os Estados Unidos vão reduzir as suas emissões de CO2 de 26 a 28% até 2025, por comparação com o nível de 2005 e, para o efeito, o então Presidente democrata, Barack Obama, autorizou a Agência de Proteção do Ambiente a forçar as indústrias de carvão a reduzir as emissões.

As declarações de Donald Trump ocorreram no mesmo dia em que se realizaram massivas marchas em defesa do clima e contra as suas políticas de desregulação do ambiente nos Estados Unidos, incluindo uma em Washington que juntou milhares de manifestantes.

Segundo os organizadores, decorreram em simultâneo cerca de 300 marchas ou protestos semelhantes em todo o país. Os participantes na Marcha pelo Clima afirmaram-se contra o recuo de Trump nas restrições à exploração mineira, à perfuração petrolífera e às emissões de gases com efeito de estufa em fábricas alimentadas a carvão.

Trump assinou, na sexta-feira, uma ordem executiva para rever as proibições impostas por Obama para permitir explorações de petróleo na costa do país, o que poderia abrir zonas do Ártico e do Golfo do México a novos poços, com o objetivo, segundo argumenta, de criar mais empregos.

No final de março, também declarou o fim da “guerra ao carvão”, ao prometer o cancelamento de normativas do Governo federal que estão a “destruir empregos”, e anunciou uma “nova era” na produção de energia, com a nova diretiva a ordenar um reexame da emblemática medida de Obama sobre o clima, o ‘Clean Power Plan’, que impõe às centrais térmicas reduções nas suas emissões de CO2.

Em diversas ocasiões, o Presidente norte-americano classificou as alterações climáticas como um embuste, contestando o esmagador consenso no seio da comunidade científica de que o planeta está a aquecer e que as emissões de carbono de origem humana são as principais responsáveis.

Trump chegou a afirmar inclusive que o aquecimento global era uma farsa inventada pela China antes de moderar a sua posição, após as eleições.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Não insulte as pessoas com debilidade mental… (modo irónico ligado)
      Este tipo é muito pior… e se se pensar que o tipo não bebe álcool e que portanto faz tudo “lúcido” (como dizia um comediante), então a preocupação é ainda maior…

RESPONDER

Em Itália, todos os alunos vão passar de ano. Mas serão avaliados

A Itália decidiu que que todos os alunos vão passar de anos, mas que serão avaliados, avançou na segunda-feira o Governo daquele país, que esteve reunido em Conselho de Ministros. "Pensamos em duas opções que possibilitarão …

Redução de 3% na eletricidade para o mercado regulado entra em vigor esta terça-feira

A descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh), ou seja, uma redução de aproximadamente 3% no total da fatura de eletricidade dos consumidores, entra esta terça-feira em …

Em termos económicos estamos pior que "numa situação de guerra", diz Daniel Bessa

“Na recuperação da economia não podemos esperar uma fase ascendente tão rápida. Vamos ter uma recuperação mais lenta", alerta o economista Daniel Bessa. O economista Daniel Bessa considera que a atual situação económica, decorrente da pandemia, …

Escolas não devem reabrir em abril

Esta terça-feira ao início da tarde, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que as escolas vão manter-se fechadas até ao final de abril. Marcelo Rebelo de Sousa esteve reunido, esta terça-feira, com especialistas …

Câmara de Comércio e Governo criam gabinete de apoio às empresas

A Câmara de Comércio e Indústria (CCIP) e o Governo criaram um gabinete de apoio às empresas para esclarecer e facilitar o acesso das companhias às ajudas lançadas pelo executivo. Segundo noticiou a TSF, a estrutura, …

Tragédia continua. Encontrado corpo de sobrinha-neta de John F. Kennedy

O corpo da sobrinha-neta do ex-Presidente norte-americano John F. Kennedy, que estava desaparecida com o filho desde quinta-feira, foi encontrado na segunda-feira, informaram esta terça-feira os meios de comunicação norte-americanos. Maeve Kennedy Townsend McKean, de 40 …

Jornal Económico e A Bola avançam para regime de lay-off

O Jornal Económico e o desportivo A Bola vão avançar para o regime de lay-off devido a quebras significativas nas vendas e publicidade desencadeadas pela pandemia de covid-19, que já fez mais de 300 vítimas …

Moratória nos créditos à habitação não suspende Seguros (e pode ter que os pagar durante mais tempo)

A suspensão dos pagamentos dos empréstimos do Crédito à Habitação, por parte dos clientes bancários que queiram aderir à moratória aprovada pelo Governo, pode não travar os pagamentos dos Seguros de Vida e Multi-riscos que …

Espanha poderá ser o primeiro país na Europa a avançar com rendimento básico universal

A ministra da Economia espanhola assegurou, este domingo, que o Governo está a trabalhar para aplicar o rendimento básico universal, embora não tenha dado ainda uma data concreta. Em declarações ao canal televisivo laSexta, a ministra …

Presidente revela que não está imune e é contra "descompressão" de medidas em abril

O Presidente da República revelou numa entrevista esta terça-feira divulgada pela Antena 1 que já fez um dos novos testes sorológicos para detetar a presença de anticorpos para o novo coronavírus e não está imunizado. "Depois …