Trump vai tomar “grande decisão” sobre Acordo de Paris nas próximas duas semanas

Olivier Douliery / EPA

O presidente dos EUA, Donald Trump

O presidente dos EUA, Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou este sábado, ao cumprir 100 dias na Casa Branca, que vai tomar “uma grande decisão” sobre o Acordo de Paris relativo às alterações climáticas “nas próximas duas semanas”.

“Vou tomar uma grande decisão sobre o Acordo de Paris nas próximas duas semanas. Vamos ver o que acontece”, anunciou Trump, insistindo que os regulamentos ambientais sufocam o crescimento económico e são responsáveis pela perda de empregos no país.

Os EUA estão a equacionar se mantêm o Acordo de Paris, assinado por 195 países em dezembro de 2015 para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e conter o aquecimento global abaixo dos dois graus celsius.

O secretário da Energia norte-americano, Rick Perry, declarou, esta semana, que os Estados Unidos devem permanecer no Acordo de Paris sobre o clima, mas renegociar os seus termos, juntando-se ao campo daqueles que, na administração de Donald Trump, são favoráveis à manutenção.

Por seu turno, o director da Agência de Proteção do Ambiente dos Estados Unidos, Scott Pruitt, pediu recentemente que o país saia deste acordo, considerando que se tratou de “um negócio prejudicial para a América” e que beneficiou principalmente a China, o maior emissor mundial de dióxido de carbono (CO2).

Steve Bannon, o estratega de Trump e um nacionalista económico que parece estar a perder a sua influência, também propôs uma retirada.

A Casa Branca fez saber que iria avaliar a sua posição sobre as alterações climáticas e a política energética, mas sem indicar se iria cumprir a promessa eleitoral de Trump de “anular” a participação dos Estados Unidos no Acordo de Paris, aguardando-se então agora uma decisão “nas próximas duas semanas”.

A anterior administração norte-americana prometeu, em Paris, que os Estados Unidos vão reduzir as suas emissões de CO2 de 26 a 28% até 2025, por comparação com o nível de 2005 e, para o efeito, o então Presidente democrata, Barack Obama, autorizou a Agência de Proteção do Ambiente a forçar as indústrias de carvão a reduzir as emissões.

As declarações de Donald Trump ocorreram no mesmo dia em que se realizaram massivas marchas em defesa do clima e contra as suas políticas de desregulação do ambiente nos Estados Unidos, incluindo uma em Washington que juntou milhares de manifestantes.

Segundo os organizadores, decorreram em simultâneo cerca de 300 marchas ou protestos semelhantes em todo o país. Os participantes na Marcha pelo Clima afirmaram-se contra o recuo de Trump nas restrições à exploração mineira, à perfuração petrolífera e às emissões de gases com efeito de estufa em fábricas alimentadas a carvão.

Trump assinou, na sexta-feira, uma ordem executiva para rever as proibições impostas por Obama para permitir explorações de petróleo na costa do país, o que poderia abrir zonas do Ártico e do Golfo do México a novos poços, com o objetivo, segundo argumenta, de criar mais empregos.

No final de março, também declarou o fim da “guerra ao carvão”, ao prometer o cancelamento de normativas do Governo federal que estão a “destruir empregos”, e anunciou uma “nova era” na produção de energia, com a nova diretiva a ordenar um reexame da emblemática medida de Obama sobre o clima, o ‘Clean Power Plan’, que impõe às centrais térmicas reduções nas suas emissões de CO2.

Em diversas ocasiões, o Presidente norte-americano classificou as alterações climáticas como um embuste, contestando o esmagador consenso no seio da comunidade científica de que o planeta está a aquecer e que as emissões de carbono de origem humana são as principais responsáveis.

Trump chegou a afirmar inclusive que o aquecimento global era uma farsa inventada pela China antes de moderar a sua posição, após as eleições.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Não insulte as pessoas com debilidade mental… (modo irónico ligado)
      Este tipo é muito pior… e se se pensar que o tipo não bebe álcool e que portanto faz tudo “lúcido” (como dizia um comediante), então a preocupação é ainda maior…

RESPONDER

Depois de um conselho nacional tenso, líder do CDS reúne-se com a bancada parlamentar

O líder do CDS vai reunir-se, esta quinta-feira, com os cinco deputados centristas para dialogarem sobre a articulação entre a direção e a bancada parlamentar. Tal como recorda o jornal Público, esta reunião de trabalho acontece depois …

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …