Trump vai tomar “grande decisão” sobre Acordo de Paris nas próximas duas semanas

Olivier Douliery / EPA

O presidente dos EUA, Donald Trump

O presidente dos EUA, Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou este sábado, ao cumprir 100 dias na Casa Branca, que vai tomar “uma grande decisão” sobre o Acordo de Paris relativo às alterações climáticas “nas próximas duas semanas”.

“Vou tomar uma grande decisão sobre o Acordo de Paris nas próximas duas semanas. Vamos ver o que acontece”, anunciou Trump, insistindo que os regulamentos ambientais sufocam o crescimento económico e são responsáveis pela perda de empregos no país.

Os EUA estão a equacionar se mantêm o Acordo de Paris, assinado por 195 países em dezembro de 2015 para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e conter o aquecimento global abaixo dos dois graus celsius.

O secretário da Energia norte-americano, Rick Perry, declarou, esta semana, que os Estados Unidos devem permanecer no Acordo de Paris sobre o clima, mas renegociar os seus termos, juntando-se ao campo daqueles que, na administração de Donald Trump, são favoráveis à manutenção.

Por seu turno, o director da Agência de Proteção do Ambiente dos Estados Unidos, Scott Pruitt, pediu recentemente que o país saia deste acordo, considerando que se tratou de “um negócio prejudicial para a América” e que beneficiou principalmente a China, o maior emissor mundial de dióxido de carbono (CO2).

Steve Bannon, o estratega de Trump e um nacionalista económico que parece estar a perder a sua influência, também propôs uma retirada.

A Casa Branca fez saber que iria avaliar a sua posição sobre as alterações climáticas e a política energética, mas sem indicar se iria cumprir a promessa eleitoral de Trump de “anular” a participação dos Estados Unidos no Acordo de Paris, aguardando-se então agora uma decisão “nas próximas duas semanas”.

A anterior administração norte-americana prometeu, em Paris, que os Estados Unidos vão reduzir as suas emissões de CO2 de 26 a 28% até 2025, por comparação com o nível de 2005 e, para o efeito, o então Presidente democrata, Barack Obama, autorizou a Agência de Proteção do Ambiente a forçar as indústrias de carvão a reduzir as emissões.

As declarações de Donald Trump ocorreram no mesmo dia em que se realizaram massivas marchas em defesa do clima e contra as suas políticas de desregulação do ambiente nos Estados Unidos, incluindo uma em Washington que juntou milhares de manifestantes.

Segundo os organizadores, decorreram em simultâneo cerca de 300 marchas ou protestos semelhantes em todo o país. Os participantes na Marcha pelo Clima afirmaram-se contra o recuo de Trump nas restrições à exploração mineira, à perfuração petrolífera e às emissões de gases com efeito de estufa em fábricas alimentadas a carvão.

Trump assinou, na sexta-feira, uma ordem executiva para rever as proibições impostas por Obama para permitir explorações de petróleo na costa do país, o que poderia abrir zonas do Ártico e do Golfo do México a novos poços, com o objetivo, segundo argumenta, de criar mais empregos.

No final de março, também declarou o fim da “guerra ao carvão”, ao prometer o cancelamento de normativas do Governo federal que estão a “destruir empregos”, e anunciou uma “nova era” na produção de energia, com a nova diretiva a ordenar um reexame da emblemática medida de Obama sobre o clima, o ‘Clean Power Plan’, que impõe às centrais térmicas reduções nas suas emissões de CO2.

Em diversas ocasiões, o Presidente norte-americano classificou as alterações climáticas como um embuste, contestando o esmagador consenso no seio da comunidade científica de que o planeta está a aquecer e que as emissões de carbono de origem humana são as principais responsáveis.

Trump chegou a afirmar inclusive que o aquecimento global era uma farsa inventada pela China antes de moderar a sua posição, após as eleições.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Não insulte as pessoas com debilidade mental… (modo irónico ligado)
      Este tipo é muito pior… e se se pensar que o tipo não bebe álcool e que portanto faz tudo “lúcido” (como dizia um comediante), então a preocupação é ainda maior…

RESPONDER

Governo disponível para retomar reuniões no Infarmed (mas nega falta de informação)

O Governo manifestou esta quinta-feira “abertura para retomar as reuniões” no Infarmed sobre o ponto de situação da epidemia de covid-19, mas rejeitou falhas na informação ao parlamento e aos partidos. Na conferência de imprensa do …

Israel e Emirados Árabes Unidos alcançam "acordo histórico" mediado pelos Estados Unidos

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta quinta-feira que Israel e os Emirados Árabes Unidos concordaram em estabelecer relações diplomáticas plenas, como parte de um acordo para impedir a anexação israelita de terras ocupadas pelos …

Em contingência, Câmaras de Lisboa passam a definir horários do comércio. O (pouco) que muda este sábado

A generalidade de Portugal continental continuará em situação de alerta e a Área Metropolitana de Lisboa em situação de contingência até ao final do mês devido à pandemia de covid-19, anunciou o Governo. Segundo explicou esta …

Três meses depois do anúncio, o apoio de emergência às Artes ainda não chegou

Cinquenta das 311 entidades abrangidas pela Linha de Apoio de Emergência às Artes, dotada de 1,7 milhões, ainda não tinham esta quinta-feira recebido o valor que lhes foi atribuído, três meses depois do anúncio dos …

Avaliação dos professores, "mock exams" e testes no outono. Britânicos podem "escolher" as próprias notas

O Governo britânico deu aos estudantes de liceu três alternativas diferentes para obterem o resultado das suas avaliações deste ano letivo, que foi atípico devido à pandemia de covid-19. De acordo com o jornal britânico The …

Governo reitera que não há exceções para a Festa do Avante. Críticas multiplicam-se

A ministra de Estado e da Presidência destacou que o Governo “não tem competências legais ou constitucionais” para proibir iniciativas políticas como a Festa do Avante!, mas salientou que não serão admitidas exceções às regras. Na …

Trabalhadores que estiveram em lay-off durante pelo menos 30 dias também vão ter bónus

O Conselho de Ministros aprovou um decreto-lei que clarifica que os trabalhadores que estiveram em lay-off por mais de 30 dias consecutivos, mesmo sem completar um mês civil, vão receber o complemento de estabilização. "Criado com …

Marcelo pede tolerância zero contra o racismo (e pede “sentido nacional” a Governo e oposição)

O Presidente da República recomendou esta quinta-feira aos democratas “tolerância zero” e “sensatez” para combater o racismo, ao comentar as ameaças de que foram alvo três deputadas e outros sete ativistas. “Os democratas devem ser muito …

43% das escolas no mundo sem condições de higiene para reabertura segura

Mais de 40% das escolas no mundo não têm acesso a condições básicas de higiene, como água para lavar as mãos e sabão, aumentando os riscos de reabertura no contexto da pandemia de covid-19, alertam …

Mais seis mortes, 325 novos casos e 237 recuperados

Portugal regista esta quinta-fira mais seis mortes por covid-19, 325 novos casos de infeção e mais 237 pessoas dadas como recuperadas em relação a quarta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …