Trump reúne-se com seguidores em Ohio (em tom de desforra e a pensar em 2024)

Com as eleições de 2024 na mira, o ex-presidente norte-americano Donald Trump reúne-se com seguidores em Ohio este sábado, no primeiro grande comício desde que deixou a Casa Branca, em apoio a um candidato republicano ao Congresso.

Sem acesso às redes sociais depois de ser acusado de divulgar notícias falsas e de estimular o ataque ao Capitólio a 6 de janeiro, Trump fez dois importantes discursos públicos desde que deixou Washington há cinco meses.

No entanto, o ambiente rígido das salas de eventos alugadas pelos republicanos nunca chegou perto da atmosfera superexcitada dos seus famosos comícios ao ar livre.

Alguns dos seus seguidores estão acampados há vários dias em Wellington, onde o ex-presidente vai subir ao palanque por volta das 19h00 (00h00 em Lisboa).

Bonés de Trump, camisas e bandeiras com a sua imagem: a pequena cidade parece-se com todos os lugares visitados pelo magnata durante as suas duas campanhas presidenciais, em 2016 e 2020.

O ex-presidente retomou e alterou o seu famoso slogan: “Make America great again, again!” (“Fazer a América grande de novo, de novo!”).

O republicano, de 75 anos, não reconheceu a vitória do democrata Joe Biden, repetindo as suas alegações de suposta fraude eleitoral, apesar da rejeição das suas denúncias nos tribunais, inclusive por juízes que ele mesmo nomeou.

Trump deverá repetir as acusações infundadas neste sábado e voltar a criticar o início de mandato de Biden.

O comício será organizado em apoio a um ex-assessor de Trump, Max Miller, que enfrenta um republicano com cadeira na Câmara de Representantes, Anthony González.

Este último, que representa Ohio, foi um dos 10 republicanos da Câmara – de um total de 211 – que votou a favor da destituição de Trump durante o seu julgamento político por “estímulo à insurreição”.

Acusado de ter estimulado os seus apoiantes a invadir o Capitólio, onde os congressistas estavam reunidos para certificar a vitória de Joe Biden, o ex-presidente terminou absolvido em fevereiro no Senado, então controlado pelos republicanos.

Desde então, Trump promete fazer o possível para que os seus poucos críticos republicanos não sejam reeleitos.

Expulso das principais redes sociais, Twitter e Facebook, após o ataque ao Capitólio, o ex-presidente continua a ser muito influente entre os republicanos, apesar do silêncio forçado, e prometeu desempenhar um papel importante no apoio aos candidatos pró-Trump nas eleições intercalares de novembro de 2022.

ZAP // AFP

 

PARTILHAR

RESPONDER

EUA trocaram "guerra implacável" por "diplomacia implacável" no Afeganistão, diz Biden

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, disse esta terça-feira à Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) que o país se está a concentrar na "diplomacia implacável" e no encerramento de uma era de …

Presidente de El Salvador autodenomina-se "Ditador de El Salvador"

O Presidente de El Salvador, Nayib Bukele, alterou no domingo a descrição do seu perfil no Twitter para "Ditador de El Salvador", passando depois para "Ditador mais 'cool' do mundo mundial", situação registada após os …

Ordem dos Médicos abre processo disciplinar contra Fernando Nobre

O Conselho Disciplinar Regional do Sul da Ordem dos Médicos abriu um processo contra Fernando Nobre, por causa das suas declarações numa manifestação de negacionistas em frente à Assembleia da República. A Ordem dos Médicos (OM) …

Crise da energia obriga UE a enfrentar dependência do gás natural

Os países europeus estão a tentar proteger os consumidores de energia, numa região onde, desde o início do ano, os preços do gás aumentaram 250%, resultado de uma série de forças económicas, naturais e políticas.  Na …

Companhia de aviação privada oferece voo de 20 mil dólares para reunir uma família separada pela pandemia

A empresa de aviação privada Tradewind Aviation está a comemorar o seu 20.º aniversário de uma forma original: vai dar um voo no valor de 20 mil dólares (cerca de 17 mil euros) para reunir …

Mais de 60 pinguins morrem na África do Sul após ataque de abelhas

Dezenas de pinguins-africanos ameaçados de extinção foram mortos por um enxame de abelhas na África do Sul, na passada sexta-feira. Segundo a CNN, 63 pinguins-africanos, uma espécie ameaçada de extinção, foram encontrados mortos na sexta-feira numa …

Macron e Modi manifestam vontade de "agir em conjunto" após disputa submarina

O Presidente Emmanuel Macron discutiu a cooperação na região Indo-Pacífico com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, esta terça-feira. O Presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, conversaram esta terça-feira, em plena crise dos …

Académica treme: salários, último lugar e treinador de saída

Clube de Coimbra, tal como o Boavista, terá de comprovar que tem cumprido no pagamento dos salários. Em campo, mais uma derrota complicou a situação de Rui Borges. Ainda não há muitos anos, a Académica apareceu …

Marcelo discursou na ONU, lembrou Sampaio e mostrou total sintonia com Guterres

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou nas Nações Unidas o antigo Presidente da República Jorge Sampaio, que morreu no dia 10 deste mês, aos 81 anos, pela sua atividade no acolhimento de refugiados. O chefe de …

Governo promete que preço da eletricidade não vai aumentar (e anuncia pacote de 430 milhões)

Esta terça-feira, João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e Ação Climática, anunciou um pacote de medidas no valor de 430 milhões de euros que visam travar a subida do preço da eletricidade no mercado …