Trump forçado a doar dois milhões em acordo judicial por uso indevido da sua fundação

Michael Reynolds / EPA

Uma juíza do estado de Nova Iorque ordenou o Presidente Donald Trump a distribuir cerca de dois milhões de dólares por várias organizações sem fins lucrativos, como resultado de um acordo judicial a propósito do uso indevido de fundos da sua fundação, dissolvida em dezembro de 2018.

Segundo revelou a Associated Press, citada pelo Observador, a juíza, Saliann Scarpulla, decidiu aplicar a multa de 1,8 milhões de dólares (cerca de 1,6 milhões de euros) depois de o próprio Presidente ter admitido uma série de episódios de má conduta à frente da fundação, na sequência de um processo judicial aberto pela procuradoria de Nova Iorque.

Na acusação, a que o Washington Post teve acesso, lê-se que a Fundação Donald J. Trump teria tido uma “conduta persistentemente ilegal”. Numa declaração assinada pelo advogado do Presidente, este admite não ter tido uma supervisão adequada das ações da Fundação e aponta sete incidentes em que os fundos do organismo foram utilizados indevidamente.

Entre eles, contam-se incidentes em que o dinheiro da fundação não foi usado para fins beneméritos, mas para promover interesses pessoais de Donald Trump, como uma recolha de fundos relacionada com a sua campanha presidencial, pagamento de acordos judiciais relacionados com outras das suas empresas (como um dos seus clubes de golfe ou o seu resort em Mar-A-Lago) ou até a compra de um retrato seu no valor de dez mil dólares, que foi depois exposto num dos seus hotéis, na Florida, de acordo com o New York Times.

A fundação acabou por fechar portas em dezembro de 2018, seis meses após a procuradoria de Nova Iorque ter aberto a investigação. Na decisão desta quarta-feira, a juíza Saliann Scarpulla afirmou que Donald Trump “quebrou o seu dever fiduciário” ao usar a fundação para promover a sua carreira e os seus interesses.

Os três filhos mais velhos do Presidente (Ivanka, Donald Jr. e Eric Trump) também foram inicialmente acusados, por fazerem parte do conselho da fundação, que tinha como objetivo supervisionar as ações da instituição, mas que não se reuniu uma única vez entre 1999 e 2018, como apontou o Washington Post. Os três foram obrigados a fazer uma formação sobre os deveres de um membro de conselho, mas não foram condenados.

Em junho de 2018, o Presidente tinha garantido no Twitter que não iria aceitar nenhum entendimento em tribunal, por considerar que a acusação tinha motivações políticas. “Não vou chegar a acordo neste caso!”, prometeu.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Governo pondera criar nova contribuição sobre a banca para financiar Segurança Social

O Governo de António Costa está a estudar a criação de uma contribuição adicional de solideriedade sobre o setor bancário para ajudar a financiar a Segurança Social e fazer face aos custos de resposta à …

Arqueólogos encontram rara ferramenta de caça com 300 mil anos

Arqueólogos encontraram uma ferramenta de madeira utilizada na caça há 300 mil anos. É muito raro encontrar artefactos paleolíticos feitos de madeira, realça o autor do estudo. Uma equipa de investigadores da Universidade de Tübingen e …

Twitter não descarta suspender conta de Donald Trump

Um alto responsável da plataforma digital Twitter não excluiu a suspensão da conta da Donald Trump caso o Presidente norte-americano prossiga a publicação de mensagens incendiárias que transgridam as regras daquela rede social. Com 81,7 milhões …

Patrões agradados com o plano do Governo. PSD diz que "é muito fraco"

Enquanto patrões e sindicalistas ficaram bastante satisfeitos com o Programa de Estabilização Económica e Social apresentado pelo Governo, o PSD deixou duras críticas. Esta quinta-feira, no final do Conselho de Ministros, onde foi aprovado o plano …

Na resposta a uma crise, ligações humanas podem piorar ainda mais as coisas

Um novo estudo sugere que a conexão humana nem sempre é uma coisa boa, sobretudo quando se trata de ultrapassar uma crise com sucesso. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 2480 voluntários …

Brasil ultrapassa Itália e torna-se no terceiro país com mais mortes

O país sul-americano, que tem uma população estimada em 210 milhões de habitantes, contabiliza 34.021 vítimas mortais e 614.941 casos confirmados. O Brasil ultrapassou a Itália e tornou-se no terceiro país do mundo com mais mortes …

PCP é o primeiro partido a retomar comícios ao ar livre

O PCP foi o último partido a fazer um comício, em março, antes de o país "parar" devido à pandemia de covid-19 e vai ser o primeiro a organizar uma iniciativa deste tipo, no domingo, …

Asteróide que matou os dinossauros criou uma província hidrotermal nove vezes maior do que Yellowstone

O asteróide que dizimou os dinossauros da face da Terra criou uma província hidrotermal nove vezes maior do que a caldeira do supervulcão Yellowstone, localizado nos Estados Unidos, conclui um novo estudo agora divulgado. De acordo …

Encontrar uma agulha num palheiro cósmico. Astrónomos resolvem mistério do primeiro Anel de Einstein

Determinados a encontrar uma agulha num palheiro cósmico, um par de astrónomos viajou no tempo através dos arquivos de dados antigos do Observatório W. M. Keck em Mauankea e do Observatório de Raios-X Chandra da …

As pequenas (e estranhas) estrelas quentes são atormentadas por manchas gigantes e explosões

Há uma classe de estrelas que perplexa os cientistas há seis décadas, conhecidas como estrelas de ramos horizontais extremos (EHB). Apesar de terem metade da massa do Sol, são quatro a cinco vezes mais quentes …