Trump avisa Irão: “NUNCA, NUNCA MAIS voltem a ameaçar os Estados Unidos”

Gage Skidmore /Flickr

O milionário americano Donald Trump

Continua a troca acesa de ameaças entre os presidentes dos Estados Unidos e do Irão. Em letras maiúsculas e tom de fúria, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou o Twitter para responder ao presidente iraniano Hassan Rohani e deixar claro que não irá tolerar ameaças.

“Para o Presidente Rohani: Nunca mais volte a ameaçar os EUA, ou vai sofrer as consequências como poucos na história sofreram. Já não somos um país que apoia as suas palavras dementes de violência e morte. Tenha cuidado”, escreveu Donald Trump, em caps lock.

Este domingo, o presidente iraniano, Hassan Rohani, advertiu os Estados Unidos para não “brincarem com a cauda do leão“, assegurando que um conflito com Teerão será “a mãe de todas as guerras“. As declarações de Rohani foram feitas poucas horas antes de um esperado discurso do secretário de Estado norte-americano sobre o Irão.

“Declaram a guerra e depois falam da vontade de apoiar o povo iraniano”, disse Rohani dirigindo-se ao presidente dos EUA, Donald Trump, numa reunião de diplomatas iranianos em Teerão.

“Não pode provocar o povo contra a segurança e os seus próprios interesses”, disse o presidente. Rohani voltou a avisar que o Irão poderá fechar o estreito estratégico de Ormuz, que controla o Golfo e por onde passa cerca de 30% do petróleo mundial que é transportado por via marítima.

“Nós somos a garantia de segurança desse estreito desde sempre, não brinque com a cauda do leão, vai arrepender-se”, avisou, acrescentando: “A paz com o Irão será a mãe das pazes e a guerra com o Irão representará a mãe das guerras”.

“Sempre que a Europa procurou um acordo connosco a Casa Branca semeou discórdia”, disse Rhoani, acrescentando: “Não devemos pensar que a Casa Branca ficará para sempre neste nível de oposição ao direito internacional, contra o mundo muçulmano”.

EUA sem medo de aplicar sanções

Também em resposta a Rohani, Mike Pompeo, secretário de Estado norte-americanom disse que os Estados Unidos da América “não têm medo” de impor sanções “ao mais alto nível” ao regime de Teerão.

Num discurso na diáspora iraniana na Califórnia, Pompeo confirmou que Washington quer que todos os países reduzam as suas importações de petróleo iraniano “perto de zero” até 4 de novembro, caso contrário enfrentarão sanções dos EUA.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a saída dos EUA do acordo internacional de 2015, que foi assinado com o objetivo de impedir que o Irão adquirisse armas nucleares, e o regresso das sanções norte-americanas.

Enquanto muitos dos aliados dos Estados Unidos tentam salvar o acordo nuclear iraniano, o chefe da diplomacia norte-americana reiterou o seu desejo de que “o regime iraniano mude significativamente o seu comportamento, tanto dentro do Irão como no cenário mundial”, recusando-se a distinguir entre radicais e moderados.

Mike Pompeo anunciou ainda o fortalecimento da campanha de propaganda norte-americana com o lançamento de um canal multimédia (televisão, rádio, redes digitais e sociais) 24 horas por dia em farsi, “para que os iranianos comuns, no Irão e em todo o mundo, saibam que a América está do seu lado”, bem como medidas “para ajudar os iranianos a contornar a censura na Internet”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. A besta trumpiana mais uma vez a dizer que existe. Que PRQUENEZ de criatura!!!
    E continua a pensar que manda no mundo: «Washington quer que todos os países reduzam as suas importações de petróleo iraniano “perto de zero”, caso contrário enfrentarão sanções dos EUA.», confirmou Mike Pompeo, secretário de estado norte americano.
    Será que essa gente tem a noção do que diz e do que é? Os disparates são tantos que até dão para rir. Só que também sabemos que tais disparates, saindo de onde têm saído, têm dado origem a criminosos e imperdoáveis actos de guerra, como se tem visto. Por isso, e só por isso, não me parece que faça sentido rirmo-nos deles. De contrário, até eu poderia entrar na porfia da risota, aconselhando o presidente americano a quedar-se no seu canto, sob pena de lhe pregar quatro bofetadas se vier a encontrar-me com ele.

  2. Ah velho danado!… És muita parra e pouca uva!

    De Fire & Fury, passaste a ver no KimJong Un um exemplo de ditador porque ele fala e o povo põe-se em sentido! E até já dizes que gostarías que o povo americano fizesse o mesmo.

    És um fala barato… A tua estratégia é fazer todos os dias qualquer estupidez pra ser notícia. Tu gostas é de palhaçada e mise en scène!

  3. Olha, Olha, a besta do Trump ficou furioso com uma advertência e não uma ameaça!!!! Coitadinho, não gostou. Ele que ameaça e não só, que apoia o terrorismo, sendo inclusive os EUA a maior potência terrorista do planeta, não gostou??? Temos pena, meta rolhas. O Irão fez muito bem ao advertir os EUA para se meterem na sua vida e deixar ou outros em paz. Todo o mundo sabe que os EUA só estão bem promovendo rebeliões nos 4 cantos do mundo. E neste momento é certo e sabido que estão a trabalhar a Venezuela, o Irão e muitos outros

  4. Infelizmente Trump só há um, e povos europeus idiotas desgovernados e de joelhos perante os terroristas há muitos…

RESPONDER

Quase 900 professores vão entrar nos quadros do Ministério da Educação

Quase 900 professores vão entrar nos quadros do Ministério da Educação, no âmbito do concurso externo imposto ao Estado pela União Europeia. Mais de 800 professores passaram a integrar os quadros do Ministério da Educação através …

Após saída do primeiro-ministro, Macron faz remodelação governamental e muda ministros-chave

O Presidente francês Emmanuel Macron aproveitou a mudança de primeiro-ministro para levar a cabo uma profunda remodelação do seu Governo. Anunciada na segunda-feira, a grande mudança é o novo ministro do Interior, Gérald Darmanin, até …

Marcelo promete ir todas as semanas ao Algarve para "puxar pelo turismo"

O Presidente da República disse esta segunda-feira, no Algarve, que é necessário “olhar para a frente e lutar” para o turismo na região superar as perdas causadas pela exclusão de Portugal do corredor aéreo com …

Portugal sabe a 27 de julho se entra nos corredores aéreos do Reino Unido

A reavaliação da lista de países isentos de quarentena nas chegadas ao Reino Unido, da qual Portugal foi excluído devido aos surtos de covid-19, vai ser feita a 27 de julho, revelou esta segunda-feira o …

Efacec. Estado não vai assumir a dívida de Isabel dos Santos aos bancos

O Conselho de Ministros português aprovou, na quinta-feira, a nacionalização de 71,73% do capital social da Efacec, pertencentes à empresária angolana Isabel dos Santos. Pedro Siza Vieira, ministro da Economia, defendeu esta terça-feira que o Estado …

China confirma caso de peste negra e anuncia mais um suspeito. É uma jovem de 15 anos

O caso suspeito de peste bubónica na região autónoma da Mongólia Interior já foi confirmado pela China, avança esta terça-feira a emissora britânica BBC, que dá ainda conta de um novo caso em análise. O …

Portugal regista mais nove mortes e 287 novos casos

Portugal regista, esta terça-feira, mais nove mortos de 287 novos casos de infeção por covid-19. Dos 287 novos casos, 207 foram registados na região de Lisboa e Vale do Tejo. De acordo com o boletim epidemiológico …

Portugal vai apoiar Nadia Calviño para substituir Centeno no Eurogrupo

O primeiro-ministro, António Costa, revelou esta segunda-feira que Portugal vai apoiar a candidatura da ministra espanhola Nadia Calviño à presidência do Eurogrupo, cargo atualmente ocupado por Mário Centeno em fim de mandato. Tal como escreve o …

Universidade do Minho volta a ter praxe presencial em julho

O Cabido de Cardeais, o grupo que gere as ações da praxe na Universidade do Minho (UM), anunciou esta segunda-feira que as praxes presenciais voltam ao estabelecimento de ensino durante "todo o mês de julho".  Em …

Afinal, Medina não quer acabar com a "galinha dos ovos de ouro" de Lisboa

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, não pretende, afinal, acabar com o AirBnB na capital. A ideia surgiu no título de um artigo do jornal inglês The Independent, mas está errada. A correcção …