Tribunal de Justiça da UE dá razão a Oriol Junqueras. Catalão devia ter tomado posse como eurodeputado

agenciaacn / Flickr

O independentista catalão Oriol Junqueras

O Tribunal de Justiça da União Europeia considerou, esta quinta-feira, que Oriol Junqueras deveria ter sido reconhecido como eurodeputado e gozado da respetiva imunidade parlamentar desde a proclamação dos resultados das Europeias.

O acórdão preliminar publicado pelo Tribunal de Justiça da UE surge na sequência de um recurso interposto pelo político eleito nas eleições Europeias, em maio, que viu a Justiça espanhola negar-lhe, em junho, permissão para deixar o estabelecimento prisional para jurar a Constituição espanhola e ocupar o seu assento no Parlamento Europeu (PE).

Segundo o Tribunal, se a Justiça espanhola — neste caso, o Supremo Tribunal — considerava necessário manter Oriol Junqueras em prisão preventiva, deveria ter solicitado sem demoras o levantamento da sua imunidade parlamentar junto do PE.

No dia 12 de novembro, nas conclusões remetidas ao Tribunal de Justiça da UE, o advogado-geral Maciej Szpunar já considerara que o mandato de um eurodeputado só depende dos votos recebidos e não pode estar sujeito a formalidades impostas por um Estado-membro.

O advogado-geral sublinhou também que o eurodeputado espanhol beneficia da imunidade que advém da sua eleição e que o mandato é válido e teve início com a abertura da primeira sessão do Parlamento Europeu após as eleições, apesar de Junqueras não ter tomado posse, por não ter cumprido todas as formalidades exigidas pelo direito nacional.

“Nenhuma disposição subordina o início do mandato à presença efetiva do deputado europeu na primeira sessão do Parlamento Europeu após cada eleição, à tomada de posse efetiva em geral ou a qualquer outra circunstância”, considerou.

A 20 de junho de 2019, por Junqueras não ter prestado o juramento, a Comissão Eleitoral Central espanhola declarou vago o seu mandato de eurodeputado e suspendeu todas as prerrogativas associadas às suas funções, tendo comunicado ao hemiciclo da UE uma lista dos deputados eleitos em Espanha, na qual não figurava o nome do dirigente catalão.

Em outubro, o independentista catalão, ex-vice-presidente da Generalitat, acabaria por ser condenado a 13 anos de prisão, devido ao referendo ilegal de de outubro de 2017 sobre a independência da Catalunha.

O acórdão preliminar de hoje dá assim razão a Junqueras, ao rejeitar os argumentos do Estado espanhol — e do próprio Parlamento Europeu —, de que o político catalão não tinha o estatuto de eurodeputado, dado não ter cumprido os trâmites exigidos pela lei espanhola (em virtude de não lhe ter sido permitido abandonar a prisão para o fazer, alegadamente por risco de fuga).

Este acórdão também aumenta as possibilidades de que o Tribunal reconheça a imunidade do ex-presidente da Generalitat, Carles Puidgemont, que não foi julgado dado encontrar-se na Bélgica.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Papa Francisco critica negacionistas da covid-19 e fala da morte de George Floyd

O papa Francisco, num livro esta segunda-feira publicado, criticou os opositores ao uso de máscaras ou outras restrições impostas para conter a pandemia de covid-19, sublinhando que nunca se manifestariam contra a morte do afro-americano …

Fenprof reconhece abertura da tutela do Ensino Superior para negociar apesar de divergências

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reconheceu esta segunda-feira a abertura do Governo para negociar algumas questões do Ensino Superior, depois de uma reunião em que a tutela e a organização sindical nem sempre estiveram …

Bombeiros vão receber verba adicional de três milhões de euros

As associações humanitárias de bombeiros vão receber uma verba adicional de três milhões de euros em 2021 para fazer face aos constrangimentos financeiros devido à pandemia de covid-19, segundo uma proposta do PS hoje aprovado. Este …

Media Capital desafia ERC e elege Mário Ferreira como presidente

Os acionistas da Media Capital elegeram, esta terça-feira, o empresário Mário Ferreira presidente da dona da TVI. A assembleia-geral esteve inicialmente convocada para 28 de outubro, tendo sido suspensa, retomando hoje os trabalhos e com uma …

Estado de emergência. Maioria dos portugueses concorda com novas medidas de restrição

Uma sondagem da Intercampus para o Correio da Manhã revela que a maioria dos portugueses concorda com o regresso ao estado de emergência e com as restrições impostas pelo Governo. De acordo com o Correio da …

Taarabt é o terceiro jogador do Benfica infetado com covid-19

O internacional marroquino também testou positivo à covid-19, dois dias antes de o Benfica, que já tinha previstas oito baixas no plantel, defrontar o Rangers para a Liga Europa.  Depois de Darwin Nuñez e Julian Weigl …

Oposição israelita pedirá dissolução do parlamento e novas eleições

O líder da oposição israelita, Yair Lapid, anunciou na segunda-feira que apresentará na próxima semana uma iniciativa para dissolver o Knesset (parlamento) e convocar eleições, num contexto de tensão na coligação governamental, noticiou a agência …

PSD de Castelo Branco pede demissão da deputada do PS Hortense Martins

O PSD de Castelo Branco pediu esta segunda-feira a demissão da deputada socialista Hortense Martins, alegando que não tem condições para representar o distrito, depois de condenada a pagar o arquivamento de um processo onde …

Bruxelas anuncia sexto contrato para vacinas, desta vez com a Moderna

A presidente da Comissão Europeia anunciou, esta terça-feira, um novo contrato para assegurar vacinas contra a covid-19, desta feita com a norte-americana Moderna, que fornecerá até 160 milhões de doses. "Estou feliz por anunciar que aprovámos …

Shinzo Abe investigado por alegado uso ilegal de fundos para financiar eventos privados

Procuradores no Japão estão a investigar o gabinete pessoal do antigo primeiro-ministro Shinzo Abe pela alegada utilização ilegal de fundos para financiar eventos privados, para os quais foram convidados apoiantes do líder japonês entre 2013 …