Três Franças de plástico: há 80 mil toneladas de lixo plástico no Pacífico Norte

Entre a Califórnia e o Havai é possível observar uma ilha de resíduos, com uma área equivalente a três vezes a França, onde o lixo encontrado é maioritariamente plástico vindo do Oceano Pacífico.

São quase 80 mil toneladas de detritos de plástico, compostos por 1,8 mil milhões de fragmentos, que compõem a ilha de plástico, visível entre a Califórnia e o Havai, no Oceano Pacífico. A área que ocupa é assustadoramente grande: equivalente a três vezes a França.

De acordo  com o trabalho desenvolvido pela fundação Ocean Cleanup e por investigadores de instituições na Nova Zelândia, Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Dinamarca, divulgado no boletim Scientific Reports da revista científica Nature, a quantidade de plástico encontrada nesta área está “a aumentar exponencialmente“.

Os cientistas utilizaram dois aviões e 18 barcos para avaliar a poluição causada pelo plástico no oceano. “Queríamos ter imagem uma clara e precisa daquela extensão de lixo no mar”, disse o coordenador do estudo, o investigador Laurent Lebreton, da Ocean Cleanup Foundation.

“Pensamos que há cada vez mais plástico a acumular-se nesta área”, salientam os cientistas, devido ao sentido das correntes marítimas e ao descuido dos humanos, tanto no mar, como em terra.

Não é a primeira vez que a concentração de lixo flutuante, muitas vezes descrita como uma “ilha” apesar de ser dispersa, é descrita. No entanto, o estudo, publicado esta quinta-feira, estima que a quantidade da massa de plástico presente é quatro a 16 vezes maior que o anteriormente referido.

“A concentração de plástico parece estar a acumular-se ao longo do tempo na área. A maior parte do material que existe chega como detritos grandes e passa a microplástico. Ao longo do tempo, podem degradar-se em partículas nocivas cada vez mais pequenas”, alerta Laurent Lebreton.

Não se trata de uma ilha ou de uma massa única, mas sim de uma vasta área com grandes quantidades de plástico, com detritos que vão dos pequenos bocados a elementos maiores, como redes de pesca abandonadas, que representam 46% do total, segundo o estudo.

A maior parte daquele plástico tem provavelmente origem em países do Pacífico, mas também pode vir de qualquer ponto do mundo pois aquele material anda por todo o oceano e até já foi encontrado no Ártico, segundo Lebreton.

Cotonetes, palhinhas ou sacos de plástico descartáveis são plásticos que usamos diariamente e que vão parar aos oceanos, acabando por se deteorar, dando origem a pequenas partículas que são ingeridas pelos animais e podem levar à sua morte. É também através dos peixes, os microplásticos chegam à cadeia alimentar humana.

Os microplásticos também são ingrediente de muitos cosméticos e produtos de higiene pessoal, como exfoliantes para cabelo, corpo e rosto, pastas e cremes dentais, entrando na rede de esgotos. Contudo, como são demasiado pequenos para serem completamente filtrados nos sistemas de tratamento vão para os rios e mares.

Daqui a alguns anos, poderá haver nos oceanos mais plástico do que peixe. A poluição do mar é um problema global. Em 1990, a produção de plástico era metade da atual.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Não pôr o dedo no nariz". Livro medieval ensinava as regras de etiqueta às crianças do século XV

Um livro de boas maneiras do século XV, digitalizado recentemente pela Biblioteca Britânica, está cheio de regras de etiqueta que não são muito diferentes das de hoje. O manuscrito chama-se "The Lytille Childrenes Lytil Boke", as …

Abanca pagou menos de 250 milhões pelo EuroBic

O Abanca ofereceu menos de 250 milhões de euros por 95% do EuroBic, segundo avança o Jornal Económico, o que significa que o banco espanhol avaliou o EuroBic ligeiramente abaixo do múltiplo a que transaciona …

Alegado escritor-fantasma confessa que recebeu pagamentos de Sócrates

Domingos Farinho, alegado escritor-fantasma do livro de José Sócrates "A Confiança no Mundo", confessou que recebeu pagamentos do ex-primeiro-ministro através da RMF Consulting. No requerimento de abertura de instrução que apresentou em janeiro de 2020, o …

Os cavalos perdem quatro dedos no útero

Os cavalos têm apenas um dedo em cada pata, sendo os cascos o equivalente à falange dos nossos dedos médios. No entanto, os seus ancestrais tinham mais dedos em cada pata, variando entre três e …

"Década perdida". Novo Banco com prejuízos de 1.058,8 milhões em 2019

O presidente executivo do Novo Banco disse esta sexta-feira que os últimos dez anos foram uma "década perdida" para a empresa que começou por ser BES e passou em 2014 a Novo Banco, mas …

Estados Unidos assinam acordo de paz com os talibãs no Afeganistão

O presidente norte-americano, Donald Trump, pediu esta sexta-feira aos afegãos para "aproveitar a oportunidade de paz", ao abrigo do acordo de paz que os Estados Unidos vão assinar no sábado com os rebeldes talibãs. A …

Portugal poderá ter um milhão de infetados (e ser decretada quarentena obrigatória)

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admite que poderá haver um milhão de portugueses infetados pelo Covid-19, 21.000 na semana mais crítica, assegurando que as autoridades de saúde estão a preparar-se para esta possibilidade. “Estamos a …

Descobertos na Sibéria vestígios do Evento de Tunguska, um dos maiores impactos na Terra

Um grupo de investigadores russos que investigam o fenómeno de Tunguska de 1908, o maior impacto terrestre registado na história moderna, descobriu camadas em sedimentos locais que podem conter substâncias de origem extraterrestre. A 30 de …

Exoplaneta gigante pode ter as condições ideais para abrigar vida

Uma equipa de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, descobriu que o enorme exoplaneta K2-18b - tem duas vezes o tamanho da Terra - pode reunir as condições ideais para abrigar vida. Depois de …

A Terra pode ter uma nova (e temporária) mini-lua

A Terra pode ter um novo vizinho, ainda que temporário. Astrónomos do Catalina Sky Survey, programa financiado pela NASA, acreditam ter identificado um asteróide que ficou preso na gravidade da Terra - pode ser a …