Três Franças de plástico: há 80 mil toneladas de lixo plástico no Pacífico Norte

Entre a Califórnia e o Havai é possível observar uma ilha de resíduos, com uma área equivalente a três vezes a França, onde o lixo encontrado é maioritariamente plástico vindo do Oceano Pacífico.

São quase 80 mil toneladas de detritos de plástico, compostos por 1,8 mil milhões de fragmentos, que compõem a ilha de plástico, visível entre a Califórnia e o Havai, no Oceano Pacífico. A área que ocupa é assustadoramente grande: equivalente a três vezes a França.

De acordo  com o trabalho desenvolvido pela fundação Ocean Cleanup e por investigadores de instituições na Nova Zelândia, Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Dinamarca, divulgado no boletim Scientific Reports da revista científica Nature, a quantidade de plástico encontrada nesta área está “a aumentar exponencialmente“.

Os cientistas utilizaram dois aviões e 18 barcos para avaliar a poluição causada pelo plástico no oceano. “Queríamos ter imagem uma clara e precisa daquela extensão de lixo no mar”, disse o coordenador do estudo, o investigador Laurent Lebreton, da Ocean Cleanup Foundation.

“Pensamos que há cada vez mais plástico a acumular-se nesta área”, salientam os cientistas, devido ao sentido das correntes marítimas e ao descuido dos humanos, tanto no mar, como em terra.

Não é a primeira vez que a concentração de lixo flutuante, muitas vezes descrita como uma “ilha” apesar de ser dispersa, é descrita. No entanto, o estudo, publicado esta quinta-feira, estima que a quantidade da massa de plástico presente é quatro a 16 vezes maior que o anteriormente referido.

“A concentração de plástico parece estar a acumular-se ao longo do tempo na área. A maior parte do material que existe chega como detritos grandes e passa a microplástico. Ao longo do tempo, podem degradar-se em partículas nocivas cada vez mais pequenas”, alerta Laurent Lebreton.

Não se trata de uma ilha ou de uma massa única, mas sim de uma vasta área com grandes quantidades de plástico, com detritos que vão dos pequenos bocados a elementos maiores, como redes de pesca abandonadas, que representam 46% do total, segundo o estudo.

A maior parte daquele plástico tem provavelmente origem em países do Pacífico, mas também pode vir de qualquer ponto do mundo pois aquele material anda por todo o oceano e até já foi encontrado no Ártico, segundo Lebreton.

Cotonetes, palhinhas ou sacos de plástico descartáveis são plásticos que usamos diariamente e que vão parar aos oceanos, acabando por se deteorar, dando origem a pequenas partículas que são ingeridas pelos animais e podem levar à sua morte. É também através dos peixes, os microplásticos chegam à cadeia alimentar humana.

Os microplásticos também são ingrediente de muitos cosméticos e produtos de higiene pessoal, como exfoliantes para cabelo, corpo e rosto, pastas e cremes dentais, entrando na rede de esgotos. Contudo, como são demasiado pequenos para serem completamente filtrados nos sistemas de tratamento vão para os rios e mares.

Daqui a alguns anos, poderá haver nos oceanos mais plástico do que peixe. A poluição do mar é um problema global. Em 1990, a produção de plástico era metade da atual.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O Lamborghini mais potente acelera dentro de água. É um iate com 4.000 cavalos

O resultado da primeira colaboração entre a a Lamborghini e os especialistas da Tecnomar é um iate de luxo, com 4.000 cavalos que recria a sensação de condução de um superdesportivo dentro de água. O mais …

Aproxima-se o lançamento do rover Perseverance

O rover Perseverance da NASA está a menos de um mês da data de lançamento prevista para 20 de julho. A missão de astrobiologia do veículo vai procurar sinais de vida microscópica passada em Marte, explorar …

Benfica 3-1 Boavista | Águias põem fim a quarentena caseira

O Benfica venceu na noite deste sábado o Boavista, naquele que foi o primeiro triunfo caseiro após a retoma da Liga. Poderá ter sido a redenção das águias? Após ter somado apenas dois triunfos, quatro desaires …

Cortina do abraço permite às famílias reencontrar os familiares num lar de São Paulo

Abraçar, tocar e até dançar. Uma cortina do abraço permite que filhos visitem seus pais residentes numa casa de repouso em São Paulo. O empresário Bruno Zani, autor da criação, pretende agora colocar a cortina …

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas com os amigos

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas não só com as suas progenitoras mas também com os seus pares, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido. De acordo …

Entre uma "história de recusas" e uma “opção clara” pelos interesses do grande capital

A líder do BE disse hoje que a legislatura do Partido Socialista tem sido a “história das recusas” tanto sobre um acordo no final das eleições 2019, seja na recusa dum Orçamento Suplementar para lá …

Homem morre nos Estados Unidos depois de receber mais de 50 choques taser na sua detenção

Dos agentes da polícia da cidade de Wilson, no estado norte-americano do Oklahoma, foram nesta quarta-feira acusados de homicídio em segundo grau pela morte de um homem durante a sua detenção. De acordo com o …

TESS fornece novas ideias sobre um mundo ultra-quente

Medições do TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA permitiram aos astrónomos melhorar bastante a sua compreensão do ambiente bizarro de KELT-9b, um dos planetas mais quentes conhecidos. "O factor de estranheza de KELT-9b é alto," …

Bill Gates elenca quatro pilares-chave para combater a pandemia

O co-fundador da Microsoft, Bill Gates, elencou quatro pilares que a sua fundação considera essenciais para combater a pandemia de covid-19, que já matou mais de 520 mil pessoas em todo o mundo. Segundo o norte-americano, …

Tesla já vale mais do que a Toyota, Disney e Coca-Cola

As ações da Tesla chegaram esta quarta-feira a um preço recorde de 1.120 dólares por ação, levando a empresa de Elon Musk a superar a cotação de mercado de grandes empresas como a Coca-Cola ou …