O trabalho é a nova praga mundial. “Está (literalmente) a matar as pessoas”

“O trabalho está a matar as pessoas e ninguém quer saber.” Quem o diz é o professor da Universidade de Stanford, nos EUA, Jeffrey Pfeffer, que se dedica há décadas a estudar os efeitos das condições laborais na vida e na saúde dos trabalhadores.

Autor de vários livros na área da teoria organizacional, Jeffrey Pfeffer alerta que o sistema de trabalho actual está literalmente a matar pessoas, conforme declarações numa entrevista à BBC.

O professor destaca o sistema de trabalho desumano dos dias actuais, devido ao excesso de carga laboral, e lembra o caso do japonês Kenji Hamada, de 42 anos, que morreu de um ataque de coração no seu escritório em Tóquio, onde trabalhava 75 horas por semana.

Hamada demorava cerca de duas horas a chegar ao emprego e antes de morrer, tinha trabalhado 40 dias seguidos.

Um exemplo extremo que Pfeffer cita no seu livro “A morrer por um salário” (“Dying for a paycheck” no original em Inglês), onde evidencia como o stress associado ao trabalho, dadas as condições laborais actuais, tem consequências dramáticas na vida e na saúde dos trabalhadores.

“As condições de trabalho causam doenças crónicas como diabetes ou problemas cardiovasculares”, aponta o professor na entrevista à BBC. Também destaca “as longas jornadas laborais, os despedimentos, a falta de seguros médicos” como factores de stress no trabalho, considerando que este provoca “uma enorme insegurança económica, conflitos familiares e doenças”.

Um estudo publicado no início deste ano no Journal of Clinical Investigation vinca os danos causados pelo stress, notando que, para além dos prejuízos que causa ao coração e à esperança média de vida, também acelera o crescimento de células cancerígenas, sobretudo quando assume características crónicas, manifestando-se de forma prolongada e contínua.

Outra investigação divulgada neste mês de Março pela University College of London (UCL), no Reino Unido, associa o trabalho prolongado ao aumento da depressão nas mulheres, mas não nos homens.

A pesquisa apurou que as mulheres que trabalham mais de 55 horas por semana têm maiores riscos de sofrerem de depressão. O facto de o mesmo não se verificar nos homens pode ter a ver com a circunstância de as mulheres ainda acumularem a maior fatia das tarefas domésticas, pelo que estaremos perante um acumular de trabalho com consequências muito lesivas para elas.

Os investigadores da UCL apuraram também que trabalhar ao fim-de-semana resulta num maior risco de depressão para ambos os sexos.

Portugal é o quarto país da UE onde se trabalha mais

Pfeffer fala do “local de trabalho” como “a quinta causa de morte nos EUA“, realçando também que as suas investigações apontam que o stress está directamente relacionado com a morte anual de 120 mil trabalhadores naquele país.

Em Portugal, não há dados globais concretos, mas um estudo divulgado em Fevereiro deste ano pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ), sobre a avaliação dos riscos psicossociais na carreira, aponta que estes profissionais têm risco elevado de burnout [Síndrome do Esgotamento Profissional], de stress, de sintomas depressivos e de problemas em dormir.

Como factores que fomentam este tipo de problemas, o estudo do SOJ destaca as “pressões intensas, resultantes da tensão salarial, da redução de efectivos, da criação de quadros de instabilidade e da pulverização do trabalho”.

Em termos gerais, “Portugal é o quarto país da União Europeia onde se trabalha habitualmente mais horas por semana, a seguir à Grécia, Áustria e Reino Unido”, como aponta a CGTP (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses), citando dados de 2017 do Eurostat.

Em 2018, ainda segundo a CGTP, os trabalhadores portugueses “trabalharam, em média, 41 horas semanais, mas no sector da agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca chegaram às 43 horas”.

O excesso de horas acumuladas complica a conciliação do trabalho com a família, um dado que é vincado pelo relatório “Desafios à conciliação família – trabalho” da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) que foi divulgado pelo Eco.

O estudo da CIP nota que os trabalhadores, seja por “falta de conhecimento sobre a legislação em vigor e sobre as ferramentas oferecidas pelos empregadores”, seja por “resistência sentida no seio das empresas, o receio das repercussões de chefias e colegas, a perda de oportunidades de progressão na carreira e, no limite, a perda do próprio emprego”, não usufruem das possibilidades de conciliar os universos profissional e familiar.

Uma circunstância que tem repercussões na saúde e na satisfação pessoal dos trabalhadores, mas também nas próprias empresas que arriscam “o aumento dos gastos com a saúde” dos seus colaboradores, bem como “a perda de produtividade e o absentismo”, aponta a CIP citada pelo Eco.

Por outro lado, o Estado também paga a factura com o aumento dos gastos com a Segurança Social e com o Serviço Nacional de Saúde.

Ficaria numa sala “cheia de fumo”?

“Os dados são bastante esmagadores”, destaca Pfeffer na BBC, lamentando que, apesar disso, ninguém quer assumir a responsabilidade de resolver um problema que está à vista de todos.

“O trabalho tornou-se desumano”, lamenta o professor, frisando que hoje em dia, “está tudo centrado nos accionistas” e nos seus interesses.

“Os empregadores são responsáveis e os governos são responsáveis por não fazer nada quanto a isso”, aponta, realçando que os políticos precisam de agir “para travar” esta praga dos tempos modernos, avançando com “algum tipo de regulamentação“.

Em França, num tempo em que a Internet “obriga” os trabalhadores a estarem sempre ligados ao trabalho, já existe uma Lei que determina que as empresas com mais de 50 trabalhadores têm que respeitar o direito dos colaboradores a “desligarem-se” de emails e de chamadas telefónicas depois do horário laboral.

Mas com cada vez mais pessoas a trabalharem a título independente e com horários flexíveis, a resolução do problema não é assim tão linear.

Os trabalhadores têm que ser os primeiros a assumir “a responsabilidade de cuidar da sua própria saúde”, nota Pfeffer. “Se se vai trabalhar para um lugar onde não permitem equilibrar a vida laboral e a vida familiar, tem que se ir embora”, aconselha, comparando o caso com o facto de se estar numa sala “cheia de fumo”, de onde obviamente se vai tentar sair “porque as consequências para a saúde serão muito graves”.

SV, ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. De facto as condiçoes do trabalho teem degradado num modo geral pela europa, veja se os coletes amarelos em frança ou greves em varios pontos da europa …neste momento existe 3 grandes fatores que impedem para ja melhores condiçoes, primeiro existe um grande desorganizaçao e uma inercia ainda ninguem sabe muito bem lidar com uma nova super potencia que é a China e os EUA que se tornou o filho nao prodrigo, com conseguinde a ultima crise foi mal resolvida ainda nao explodio de facto os problemas os Ricos conseguiram ficar mais Ricos e isso nota se com os acionistas de hoje a impelirem para mais e mais sem quererem saber da base com os trabalhadores, por seu turno os governos foram tao permiaveis que acabaram com grande tecido da classe media, a realidade e que temos paises super individados o povo cada vez mais pobre e um apetite por consumo que leva os Ricos a ficaram mais e mais poderosos ….em terceiro lugar nós, o povo sente que alguma coisa tem que ser feita para e contra a inercia de todo o sistema, mas em vez de a solucao passar por cada um de nos o nervosismo leva nos a votar em politicos nacionalista e por vezes radicais, pode ser bom quando veem de boa fe mau quando essas ideias teem que fazer sofrer uns para o bem de outros …

  2. A sede de dinheiro por parte dos patrões vai acabar mal, muito mal e já esteve mais longe de acabar mal!Não é difícil de perceber que quanto mais infeliz um trabalhador está com o seu trabalho menos produtivo é e que o patrão vai perder dinheiro e não interessa se o vai substituir porque outro que venha vai-lhe acontecer exactamente o mesmo!O patrão com a cegueira do dinheiro só não ganha mais porque não quer ver os funcionários felizes, é muito mais satisfatório para o patrão ver os funcionários sendo desgraçados!

    • Bem… fale por si!
      E já agora, reflectir no que manda…. enfim, só lá falta mesmo a TAL SANTA! ahahahahahaha
      Resto de excelente dia! 🙂

    • Não são os patrões; é capitalismo selvagem!!
      Esses charlatães das “energias”, “frequências”, “dimensões” ou lá que é (do vídeo que colocaste) também ajudam…
      Andar a trabalhar para depois pagar 50€ para ouvir tretas e banalidades!…
      Enfim…

      • Concordo com essa do capitalismo selvagem, mais, culpa também da globalização desvirtuada. Acrescentando a isso está a injustiça tributária, castiga os mais fracos de uma forma abismal. E, de um modo geral, a nova forma de fazer política enganando os povos. Um dia isto vai acabar, os ricos hão-de ficar sozinhos no mundo e depois veremos quem explora quem.

  3. Sim, porque há 100 ou 200 anos era tão bom! Trabalho verdadeiramente escravo e permitido por lei, total ausência de fins de semana e férias pagas, permitido por lei, etc.

  4. Bom!!! Se só tem sede de ter dinheiro, é de certeza um verme que só vê dinheiro à frente, sem qualquer outra forma moral e ética nesta sociedade.
    É melhor guardar o NIB, para si e avidamente utilize-o, veja se pelo menos se alimenta de coisas saudáveis que não seja dinheiro.

  5. As pessoas estão dependentes do trabalho para sobreviver. Não podem responder à letra ao chefe, ao patrão ou ao colega por medo do despedimento ou então trabalhar só quando apetece. Isso cria tensão emocional e stress que são levados para casa e no dia seguinte para o local de trabalho. A ajudar estão os baixos salários que não permitem mimos anti stress. Mas é uma situação que o dinheiro também não resolveria. A solução passa por reduzir a exposição ao stress. Aumentar os dias de folga com substituição por desempregados e assim diminuir o desemprego no país.

Liderança do Montepio pode voltar a mudar

Uma nova reviravolta na administração do Banco Montepio pode estar prestes a acontecer. Carlos Tavares, atual presidente da administração com poderes não executivos, pode voltar a ser presidente executivo deste banco. Se isso acontecer, Dulce Mota …

Berardo era peça na "estratégia" de Sócrates para dominar a banca

Em entrevista ao Jornal Económico, o empresário Patrick Monteiro de Barros defende que Joe Berardo foi uma das pessoas de quem José Sócrates se serviu para dominar a banca. Patrick Monteiro de Barros disse, em entrevista …

BCE arrasa propostas de Centeno. Reforma coloca em risco independência do BdP

O Banco Central Europeu teceu duras criticas às propostas de Centeno para a reforma da supervisão financeira em Portugal. O BCE admite que a independência do Banco de Portugal poderia ficar em risco. Depois da Comissão …

#MeToo. Acordo de 40 milhões para evitar processo contra Harvey Weinstein

O antigo produtor de Hollywood Harvey Weinstein terá chegado a um acordo no valor de 44 milhões de dólares (cerca de 40 millhões de euros) em indemnização com dezenas das suas vítimas, de forma a …

Paulo Sande, cabeça de lista do Aliança, recebeu salário de Belém. Mas vai devolver

O cabeça de lista do Aliança decidiu devolver o vencimento que lhe foi pago este mês pela Presidência da República enquanto assessor político de Marcelo Rebelo de Sousa. Paulo Sande começou por gozar uma licença sem …

Trump quer vender armas à Arábia Saudita sem aprovação do Congresso

Uma grande venda de bombas à Arábia Saudita pode estar na mira da Administração Trump. O Presidente dos Estados Unidos quer fintar o Congresso norte-americano e desbloquear 6,3 mil milhões de euros em vendas.  O jornal …

Europeias: Com o PS a "malhar" no Bloco, Rangel fala em encenação eleitoral

Na véspera do último dia de campanha para as eleições europeias, António Costa e Augusto Santos Silva deram um empurrão ao candidato do PS com discursos apontados aos parceiros de esquerda. Enquanto isso Paulo Rangel …

ADSE: Hospitais privados faturaram 21 milhões a mais em 2017 e 2018

A ADSE fechou o ano passado com mais dinheiro em caixa do que no ano anterior, contrariando a tendência de queda registada nos últimos três anos, revela o Relatório de Atividades do instituto que gere …

Pré-reforma travada por serviços do Estado

Os serviços do Estado já receberam milhares de pedidos de pré-reforma, mas ainda não foi autorizado qualquer processo. Milhares de trabalhadores já pediram a pré-reforma, mas os serviços do Estado ainda não deram seguimento a qualquer …

Acordo com SIRESP estava por horas. Já passaram quase 2 semanas

Há duas semanas, António Costa disse que o acordo com o SIRESP estava por horas. A proposta de pré-acordo que chegou há mais de uma semana ao Ministério das Finanças ainda não obteve resposta por …