Trabalhadores de fast-food dos EUA exigem 15 dólares por hora e um sindicato

SportSuburban / Flickr

Trabalhadores de estabelecimentos de fast-food protestaram, esta quinta-feira, em várias dezenas de cidades dos Estados Unidos para reivindicar um salário mínimo de 15 dólares por hora (10,9 euros) e o direito a um sindicato.

As manifestações inserem-se no quadro de uma greve convocada por outros trabalhadores em 230 cidades em todo o mundo.

Ecoando gritos como “McDonald’s estamos aqui” e erguendo cartazes com mensagens como “Melhores salários para uma economia mais forte” ou “Juntos pelos 15 dólares e um sindicato”, os manifestantes, na sua maioria imigrantes, marcharam pelas mais importantes cidades norte-americanas, não obstante, por vezes, a chuva e o vento.

Na praça de Times Square, em Nova Iorque, viram os turistas abrandar o passo para observar o protesto que realizavam junto a uma pizzaria na zona comercial sempre cheia de turistas e nova-iorquinos.

“Estou aqui a lutar contra as injustiças que são cometidas contra os trabalhadores. Nós merecemos respeito por parte deles que fazem milhões de dólares às custas dos nossos esforços”, afirmou o mexicano Próspero Sánchez, citado pela agência Efe, apontando que “trabalhou no duro” ao longo de 14 anos, para a Domino’s e que apenas ganha 11,50 dólares (8,4 euros) por hora.

Apesar do esforço “pagaram-me com o despedimento. Estive dois meses sem emprego e procurei ajuda junto da união”, indicou Sánchez, contando que na sequência disso foi readmitido no estabelecimento, vigiado pela polícia, realçando que a indústria de fast-food, cuja força laboral é composta em dois terços por mulheres, gera 200 mil milhões de dólares por ano.

“Luta por 15”

Os trabalhadores contaram durante a manifestação em Nova Iorque com o apoio de vários deputados e de outros políticos e líderes religiosos.

Em Chicago, apesar da chuva, um grupo de manifestantes, com uma banda de mariachis junto ao espaço Rock ‘n’ Roll do McDonald’s, no centro da cidade, onde gritaram em espanhol: “O que queremos? 15 dólares. Quando queremos? Agora!”.

Nazly Damasio, porta-voz da campanha “Luta por 15“, disse que os trabalhadores reclamam um salário mínimo nesse valor e o direito a pertencer a um sindicato, sem medo de represálias.

“Eles ganham milhares de milhões de dólares e os seus trabalhadores vivem na pobreza. 52% destes trabalhadores são pais e mães de crianças que têm de depender de assistência pública para chegar ao final do mês”, acrescentou.

Segundo os organizadores, em Chicago, os estabelecimentos de comida rápida pagam, regra geral, o salário mínimo estatal de 8,25 dólares (6 euros), sem outro tipo de regalias ou horários fixos.

Em Los Angeles, os protestos não afetaram o serviço, apesar de os imigrantes terem mostrado a sua preocupação e desacordo relativamente à situação.

“Como posso manter a minha casa e os meus dois filhos com um salário de 10 dólares por hora?”, questionou Ana Martínez, que trabalha para a cadeia Burger King.

Uma investigação realizada pela Universidade de Berkeley, na Califórnia, revela que o custo de programas de assistência pública para trabalhadores de restaurantes de comida rápida que não conseguem suportar as despesas familiares, é de 17 mil milhões de dólares anuais.

Em Miami, os manifestantes concentraram-se num McDonald’s e num Wendy’s.

“Estamos aqui para apoiar os funcionários de estabelecimentos de comida rápida que, atualmente, trabalham quase todos os dias em part-time, sem benefícios e com um salário mínimo que na Florida é de 7,93 dólares (5,7 euros) por hora”, disse à agência Efe Kathy Bird, organizadora da Coligação de Imigrantes da Florida.

A ativista reiterou que os protestos fazem parte de um movimento global que reivindica um melhor salário e uma vida digna para os trabalhadores.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Reflexão, ritual ou mundo idealizado. Um Natal sem filmes, não é Natal

Se é daquelas pessoas que passa a noite da Natal com uma chávena na mão, meias nos pés e um filme na televisão, saiba que não está sozinho. Nesta altura do ano, os filmes tornam-se …

Musk ilibado depois de ter chamado "pedófilo" a mergulhador no resgate da gruta da Tailândia

O magnata fundador da Tesla, Elon Musk, foi absolvido na sexta-feira no processo por difamação movido pelo espeleólogo britânico Vernon Unsworth, que alegava ter sido chamado de pedófilo. Após cerca de uma hora de deliberações, o …

Luzes nas redes de pesca? Os golfinhos e as tartarugas agradecem

A implementação de luzes nas redes de pesca reduz a probabilidade de tartarugas marinhas e de golfinhos serem apanhados por acidente. Luzes LED nas redes de pesca eliminariam a "captura acidental" de tartarugas marinhas em mais …

Presidente da República passa o fim de ano na ilha do Corvo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai passar a noite de 31 de dezembro para 1 de janeiro na ilha do Corvo, nos Açores, de onde será transmitida a sua mensagem de Ano …

O calor extremo está a fazer com que os bebés nasçam mais cedo

Investigadores descobriram que o calor extremo faz com que os bebés nasçam mais cedo. Tal como quase tudo neste mundo, as coisas só vão piorar com as alterações climáticas. Segundo o Science Alert, os dois investigadores …

Empresa está a contratar uma pessoa que será paga para usar pijamas e dormir

Um start-up de colchões da Índia, que se descreve como uma "empresa de soluções para dormir" está a contratar alguém que será pago apenas para fazer isso mesmo. O objetivo é testar os seus produtos de …

O primeiro local funerário de compostagem humana do mundo abre em 2021

Prevê-se que a primeira instalação funerária de compostagem humana do mundo abra na primavera de 2021, depois de os legisladores do Estado de Washington terem legalizado o processo póstumo no início do ano. A empresa Recompose, …

Estado emprestou dois milhões à Cruz Vermelha para pagar salários

A Parpública SGPS emprestou dois milhões de euros ao Hospital da Cruz Vermelha, nomeadamente para fazer pagamento de salários. A Parpública SGPS, holding tutelada pelo Ministério das Finanças, libertou dois milhões de euros para permitir ao …

Ex-ministro francês François Bayrou acusado de cumplicidade na apropriação de fundos

O ex-ministro francês François Bayrou, dirigente centrista e próximo de Emmanuel Mácron, foi acusado na sexta-feira por "cumplicidade na apropriação indevida de fundos públicos" no caso dos assistentes parlamentares do seu partido. A acusação, "anunciada antecipadamente …

"Profundamente envergonhada", Merkel visitou Auschwitz pela primeira vez

A chanceler alemã, Angela Merkel, visitou esta sexta-feira pela primeira vez o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau num "sinal de reconciliação com os judeus e o estado de Israel", considera o historiador René …