2m37s para cobrar um livre? Torneio testa novas regras para o evitar

Torneio nos Países Baixos serviu para testar algumas alterações profundas no funcionamento de um jogo de futebol, incluindo a paragem do tempo, para evitar momentos como o do duelo entre Ceará e Athletico Paranaense.

O Athletico Paranaense, que nunca mereceu tanta atenção em Portugal como nesta época, atrasou-se na luta pela liderança do Brasileirão.

A equipa treinada por António Oliveira sofreu a terceira derrota no campeonato (segunda nos últimos três jogos), perdendo no Castelão contra o Ceará por 1-0.

O jogo ficou marcado pelo que aconteceu depois dos 95 minutos. Precisamente aos 95′ o árbitro assinalou falta de Pedro Henrique sobre Lima, a menos de um metro da linha da grande área, em frente à baliza. Livre muito perigoso a favor do Ceará…que demorou a ser cobrado.

Nos primeiros instantes, ficaram todos parados. Jogadores do Ceará, jogadores do Athletico e até o árbitro. Tudo parado, ou a andar muito devagar – e estiveram assim durante quase um minuto.

O segundo minuto da paragem serviu para o árbitro colocar a barreira no sítio, com o habitual spray, mas também com a habitual velocidade: tudo muito devagar.

Depois um dos futebolistas do Athletico deitou-se por detrás da barreira e ajoelhou-se de seguida. O árbitro falava com todos, depois a barreira andou para a frente; foi preciso ajeitar a fila, sem atropelar o jogador que estava atrás, ajoelhado. “Calma, calma!” – pediu ele. Estava tudo com muita pressa.

Mais tarde (muito mais tarde), o árbitro deixou a zona da barreira e foi conversar com o trio do Ceará que estava pronto para bater o livre, foi confirmar onde estava a bola. Depois voltou à barreira, depois falou com um homem do Ceará que estava demasiado perto da barreira.

E a bola voltou a rolar…aos 97m37s. Ou seja, mais de dois minutos e meio depois de o árbitro ter apitado a indicar falta. Mais de dois minutos e meio para marcar um livre. E nem houve cartões, ou protestos, pelo meio.

O livre originou um canto – e o canto originou o único golo do jogo, apontado por Wendson aos 98m04s (quando tinham sido dados seis minutos de compensação, mas quase metade desses seis minutos foi perdido na preparação para o livre).

Teste para mudar o futebol

Curiosamente este jogo, disputado no sábado, surgiu na mesma semana em que se iniciou o Future of Football Cup, um torneio nos Países Baixos, organizado pela Red Bull. Os participantes foram equipas de juniores e de sub-23 de Leipzig, PSV Eindhoven, AZ Alkmaar e Club Brugge.

Mas o destaque neste torneio não são as equipas mas sim as regras.

A alteração mais visível é o tempo de jogo. Para evitar perdas de tempo útil de jogo, como aconteceu no triunfo do Ceará (e que se repetem em todas as jornadas, em muitos países), os 90 minutos de tempo corrido desapareceram: a partida dura 60 minutos, com duas partes de 30 minutos cada, e o relógio pára sempre que o jogo também é interrompido – e a contagem do tempo é feita de forma decrescente.

O cartão amarelo origina uma suspensão de cinco minutos. A equipa afetada fica com 10 jogadores durante esses cinco minutos, a não ser que o “amarelado” seja o guarda-redes; aí há substituição. Não há número limite de substituições. Cada treinador pode realizar as alterações que quiser.

Os lançamentos laterais podem ser executados com o pé. Em lançamentos, cantos ou pontapés de baliza, o jogador pode conduzir a bola; deixa de ser obrigatório passar a um colega.

O torneio inovador decorre no centro de treinos da Federação Holandesa de Futebol e também tem inovações na realização televisiva: há entrevistas a jogadores e a treinadores durante o jogo.

Nuno Teixeira, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Gosto de futebol. Do futebol genuíno que já quase não existe. Do futebol que não tem ordenados pornográficos. Do futebol, em que a “representação” do país não se faz com não naturais. Do futebol em que a representação do país não implica um “subsídio” equivalente ao ordenado mínimo diariamente. Do futebol em que os artistas são os 11 no campo, e não os “artistas” dos gabinetes. Do futebol que não tem empresários que precisam que todos os anos os seus jogadores troquem de equipa. Do futebol que não faz de miúdos mimados e inúteis pseudo-estrelas à escala planetária seguidos por milhões. Do futebol que não é um palco de violência, de racismo, de xenofobia, de intolerância, um destilar de frustrações e ódios sem fim. Do futebol que não é palco de branqueamento de capitais e afins. Enfim, gosto de futebol. Do genuíno, do autêntico, não do actual.

    Ainda assim, e enquanto leigo na matéria:
    – não me parece que das substituições ilimitadas resulte algo de positivo;
    – não sei até que ponto o fim da obrigatoriedade de passar a um colega seja também positivo.
    talvez fossem mais interessantes duas alternativas:
    – acabar com os fora-de-jogo;
    – acabar com os livres indirectos.

RESPONDER

Novo modelo geofísico ajuda a prever furacões com origem no Golfo do México

Ao analisar a temperatura da atmosfera, que se encontra a vários quilómetros acima da Terra, os investigadores descobriram uma forma de prever quantos furacões podem afetar o Golfo do México no verão e no outono. Os …

Requiem. Supernova irá fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037

Uma supernova distante, chamada Requiem, vai fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037. O Hubble captou-a três vezes em 2016, graças a um fenómeno conhecido como lente gravitacional. A Requiem é o resultado de uma explosão estelar …

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …