“Deu um tiro no meio dos olhos”. Mensagem no WhatsApp de Pedro Nuno Santos choca socialistas

7

António Cotrim / Lusa

Pedro Nuno Santos

A revelação de que Pedro Nuno Santos autorizou o pagamento da indemnização a Alexandra Reis deixa os socialistas divididos, com alguns a acreditar que o ex-Ministro fez bem em se antecipar à possível revelação e outros a achar que o caso “tira lustre” à sua saída do Governo.

Depois de ter levado à sua demissão do cargo de Ministro das Infraestruturas e da Habitação, o caso de Alexandra Reis voltou a assombrar Pedro Nuno Santos. Na passada sexta-feira, o ex-Ministro admitiu publicamente que não só sabia como deu luz verde ao pagamento da indemnização de 500 mil euros à ex-gestora da TAP.

Pedro Nuno continua com planos para regressar ao Parlamento no início de Fevereiro, algo que anunciou logo quando se demitiu. No entanto, há socialistas — e até alguns que o apoiam para ser líder do PS pós-Costa — que acreditam que o caso de Alexandra Reis pode obrigar o ex-Ministro a rever os seus planos futuros, especialmente devido à comissão de inquérito parlamentar que ainda está para vir.

A revelação de que autorizou o pagamento da indeminzação através de uma mensagem no WhatsApp também está a fazer mossa e há já responsáveis socialistas que estão mais cautelosos no seu apoio a Pedro Nuno Santos, relata o Observador.

“É demasiado mau. Foi bom ter saído do Governo e, sabendo disto, ainda foi melhor”, considera um socialista que apoia o ex-ministro. “Isto é normal? Não acho normal em lugares de tanta responsabilidade”, refere outra fonte socialista, que acredita que este desenvolvimento “piora” a situação de Pedro Nuno Santos. “Ele, com as ambições que tem, sendo a reserva política do PS, deu um tiro no meio dos olhos”, frisa.

Um apoiante do ex-Ministro realça que esta revelação “tira lustre à saída limpa“. Recorde-se que alguns socialistas compararam a demissão de Pedro Nuno à de Jorge Coelho, que saiu na queda da ponte de Entre-os-Rios, até antes de serem apuradas as responsabilidades, com a frase “a culpa não pode morrer solteira”.

Até Rui Moreira veio a público afirmar que Pedro Nuno Santos não é o “único responsável” por aquilo que se passa na TAP. O Ministro foi assim encarado por alguns como um bode expiatório neste caso, especialmente porque Alexandra Reis era Secretária de Estado do Tesouro no Ministério das Finanças chefiado por Fernando Medina, que é apontado como o rival mais provável de Pedro Nuno na corrida à sucessão a António Costa no PS.

Há outros pedronunistas que acreditam que o comunicado do ex-Ministro foi “estratégico” e que garante que este mantém uma imagem de “transparência” e “honestidade”. “Quis contar tudo já para se livrar de problemas no futuro“, refere um apoiante.

Alexandra Leitão, deputada socialista, também têm defendido Pedro Nuno Santos, acreditanto que “houve um lapso de memória”. Já Ana Gomes, outra defensora do ex-Ministro, refere que este é um dos “raros” casos em que alguém “assumiu responsabilidade” e frisa que “ainda vai correr muita água por baixo da ponte”.

À esquerda, acompanha-se ainda com interesse o futuro político de Pedro Nuno Santos. Recorde-se que o ex-Ministro foi um dos cérebros da “geringonça” e já defendeu que as relações estreitas entre o PS e o PCP e Bloco devem ser mantidas.

O seu futuro está de mãos dadas com o dos parceiros de esquerda — por um lado, ter Pedro Nuno Santos como líder do PS pode dar um novo fôlego ao PCP e BE e reavivar o casamento, por outro, pode secá-los e roubar-lhes o eleitorado.

  Adriana Peixoto, ZAP //

7 Comments

  1. Será que já não existe ninguém nas elites político-partidárias que tenha honestidade intelectual, competência e sentido de servir Portugal? É que quando nos ‘roubam’ a esperança, roubam-nos tudo!

  2. Ok. Ele assumiu que pagou e… ponto final. Pode voltar a ser Secretário de Estado, Ministro, Primeiro Ministro e Presidente da República, sem problema, só porque assumiu.
    Isto é o políticamente correcto… moral? responável? digno de Servir o Estado?

  3. Ele assumiu depois de ter dito que não sabia. Mentiu! Agora desculpa-se que foi uma falha de memória. É uma doença de políticos pessoas “importantes”. Se gosta muito do PCP e Bloco, que vá para lá.

  4. É vigarista porque culpou o seu Secretário de Estado e também a CEO da TAP. Só que esta foi ao Parlamento e desmascarou-o. Por isso é que ele, na manhã do dia seguinte, saltou logo a terreiro para dizer que foi ele que autorizou o pagamento milionário. E porquê? Porque sabia que ia ser apanhado pela comissão de inquérito à TAP., e isso era uma enorme bomba. Assim ele diluiu um pouco a dimensão desta sua desgraça.

  5. A senilidade atacou Pedro Nuno Santos, veredicto do médico de serviço no PS.
    PNS já não regressa à AR, pois esquece-se muito! Pobre rapaz!
    Coitados dos portugueses que têm levado com irresponsáveis e com mente de rapaziada, mas continuam a acreditar em mentirosos e esquecidos de memória.

  6. Caríssimos, é aguentar, este e outros casos como tais, não temos outra opção.

    Verdadeiramente este regime por dentro é irreformável, e quando ditatorialmente (contra a opinião de todos os principais economistas do país) o Mário Soares nos decidiu integrar na então CEE foi por “razões políticas”, para impedir veleidades militares. Com o silèncio e a conivência dos grandes mass media. O povo nunca foi ouvido nem nunca referendou tal decisão, que pela primeira vez na história de Portugal amordaçou a nossa liberdade de mudança de regime do país, porquê, se supostamente vivemos em democracia?

    Quer isto dizer que infelizmente não podemos agora ter esperança de mudar para um outro regime político mais democratico, justo e menos corrupto, seja ele de esquerda ou direita. E a dívida externa, e respectivos juros, não cessam de subir..

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.