Timor vai blindar Fundo Petrolífero antes de ratificar tratado de fronteiras com a Austrália

Peter Shanks / Flickr

O pacote de alterações legislativas que o Governo timorense vai introduzir para a ratificação do Tratado de Fronteiras Marítimas com a Austrália inclui mudanças para “blindar” o Fundo Petrolífero, segundo fonte conhecedora dos projetos.

Do pacote fazem parte vários decretos-leis necessários para enquadrar os novos contratos de partilha de produção para os poços no Mar de Timor, alterações ao regime tributário e mudanças para adaptar a lei do trabalho e da migração ao setor petrolífero, informou na segunda-feira o Sapo 24, citando a agência Lusa.

Fonte do executivo envolvida na preparação dos diplomas confirmou à Lusa que o pacote legislativo foi entregue na sexta-feira ao primeiro-ministro, devendo ser debatido alargadamente em Conselho de Ministros nos dias 08 e 09 de julho.

Em causa estão decretos-leis, que depois de aprovados em Conselho de Ministros terão de ser promulgados pelo Presidente da República e outros diplomas, incluindo alterações a leis em vigor, que têm de passar pelo parlamento antes de ir ao chefe de Estado.

Trata-se de um extenso pacote legislativo que o Governo quer ver promulgado e em vigor antes do dia 30 de agosto para que nesse dia, em que se celebram os 20 anos do referendo de independência de Timor-Leste, possa ser formalmente ratificado o tratado.

Paralelamente ao processo em Timor-Leste estará a decorrer um processo legislativo necessário no parlamento australiano.

Para que essa ratificação aconteça, é necessário aprovar várias alterações a diplomas como a Lei do Fundo Petrolífero, a Lei de Atividades Petrolíferas, a Lei Tributária e a lei da Timor Gap, além de outras mudanças.

Rui Araújo / Facebook

Rui Araújo, primeiro-ministro timorense

Desde a assinatura do tratado Timor-Leste tem estado a negociar com Camberra e com as operadoras com projetos no Mar de Timor para finalizar os complexos acordos de transição para o novo regime que será formalmente criado com a ratificação.

Pelo parlamento terão que passar quatro propostas de alteração a leis em vigor, uma das quais regulamenta o novo enquadramento fiscal exigido pelo facto de Timor-Leste passar a deter a jurisdição única dos poços na zona do Mar de Timor.

No que se refere à lei do Fundo Petrolífero e à Lei das Atividades Petrolíferas, fonte do executivo confirmou que se “mexe estritamente no necessário para se fazer a ratificação”, alterando por exemplo as referências a tratados anteriores e passando a incluir referências ao novo tratado de fronteiras.

No caso da lei do fundo petrolífero a alteração transpõe também “o que foi aprovado com a alteração de janeiro da Lei de Atividades Petrolíferas” para assim “articular as duas leis”, já que a mudança na Lei de Atividades Petrolíferas “mexeu indiretamente” na do fundo.

Além disso, explicou, e por preocupações de alguns setores do Governo, incluindo o Ministério das Finanças, as alterações respondem a “preocupações sobre eventuais excessivas exposições do Fundo Petrolífero ao risco”.

Nesse sentido, esclareceu a mesma fonte, “vai-se fechar, blindar o Fundo Petrolífero” de uma forma que, na prática, trava o recurso ao fundo para financiar o projeto da costa sul de Timor-Leste.

Finalmente, passará igualmente pelo Parlamento um conjunto de alterações que criarão um regime especial para o setor petrolífero no âmbito da lei do trabalho e da migração.

A lei do trabalho tem restrições, por exemplo, ao número de horas de trabalho que não se aplicam no setor petrolífero onde o trabalho é feito por empreitadas em períodos consecutivos de 28 dias, sendo necessário igualmente criar um regime de vistos para os trabalhadores dos campos petrolíferos que passam agora a estar em águas timorenses.

Mast Irham / EPA

O Presidente de Timor-Leste Francisco Guterres Lu-Olo

Em causa estão ainda “vários contratos afetados pelo novo tratado de delimitação de fronteiras”, incluindo os referentes ao projeto do Bayu Undan, e outras licenças que estão atualmente a funcionar sob o regime australiano, no limite ocidental da Zona Conjunta de Desenvolvimento Petrolífero (JPDA).

Projetos que estão “em diferentes fases” e que obrigam a ter um novo Contrato de Partilha de Produção (PSC), novos decretos do Governo e outras alterações legislativas, tanto em Timor-Leste, como na Austrália, em áreas como impostos.

Do pacote fazem parte, por isso, seis novos PSC que definem direitos e obrigações equivalentes aos concessionários das licenças de e que, por força das fronteiras definidas no tratado, passam de estar sob jurisdição conjunta ou exclusiva da Austrália e passam a estar sob jurisdição exclusiva de Timor-Leste.

Para isso foi necessário transformar documentos que tinham sido preparados com base no sistema legislativa australiano (common law) e que tiveram de ser adaptados ao regime, civilista, aplicado em Timor-Leste.

Esses PSC serão regulamentados por quatro decretos-leis que terão de ser aprovados em Conselho de Ministros e depois promulgados pelo Presidente da República.

Entre as mudanças legislativas contam-se, por exemplo, mudanças para regular o gasoduto que liga o poço de Bayu Undan a Darwin e que com o tratado passará a atravessar águas exclusivas de Timor-Leste.

Por um lado, trata-se de “terminar coisas antigas e mecanismos antigos” e introduzir novos sobre a “utilização do gasoduto”, definindo, por exemplo, que a quantidade de petróleo transportada passa a ser contada à saída do campo em vez de à entrada da refinaria em Darwin.

“Pedir o dinheiro do petróleo à Austrália é rebaixar-me ao nível deles”

Pedir o dinheiro à Austrália pelos milhões de receitas do gás e petróleo indevidamente recebidos por Camberra ao longo de anos seria como “rebaixar-me ao nível deles”, disse ao Público Xanana Gusmão, ex-Presidente (2002-07) e ex-primeiro-ministro (2007-15) de Timor-Leste, durante uma entrevista em que foram abordados vários temas, incluindo a ratificação do Tratado de Fronteiras Marítimas.

Antonio Cruz / ABr

O antigo Presidente da República de Timor-Leste, Xanana Gusmão

Segundo o próprio, no primeiro dia em que começou a negociação para definir a fronteira marítima, perguntaram-lhe se a Austrália devia devolver o dinheiro recebido. Ao que respondeu: “Estou aqui a representar o Estado de Timor-Leste não para mendigar dinheiro, mas para definir a fronteira marítima com a Austrália”.

Xanana Gusmão esteve em Lisboa para a conferência Fragilidade dos Estados – Recursos Naturais, Resiliência e Desenvolvimento, organizada pelo Clube de Lisboa e pelo g7+, um fórum dos Estados frágeis que reúne mais de 20 países.

De acordo com o líder timorense de 73 anos, “a Austrália e a Indonésia assinaram o acordo do Timor Gap em 1989. A invasão de Timor foi em 1975. Andámos 14 anos em guerra. Para dividirem as receitas 50%-50% com a Indonésia, os australianos tiveram de mostrar uma política de conivência com o morticínio em Timor”.

“Se vamos olhar só para o dinheiro e não para a política suja e a falta de moral da Austrália – foram o único país que reconheceu a invasão – o que é que vamos fazer? Fui a Nova Iorque e a Genebra explicar porque é que fechámos a porta ao Tribunal Penal Internacional. Porque não aceito que os generais indonésios vão lá responder”, referiu.

E continuou: “Dois congressistas americanos colocaram-me o problema e eu disse: “Muito bem. Querem assinar um acordo comigo? É simples: eu levo os generais e fico à vossa espera no Tribunal Internacional. E vocês levam todos os que na América venderem armas e aviões aos generais indonésios para nos matarem. E da Austrália, da França, da Alemanha, da Grã-Bretanha… tragam todos os cúmplices. Encontramo-nos lá”.

“O que aconteceu? Fugiram. Não vou medir os milhões do petróleo com a cumplicidade na morte de 200 mil timorenses. Seria baixar-me ao nível deles: eles deixaram-nos matar pelos indonésios por causa do dinheiro. Eu pedir esse dinheiro é rebaixar-me ao nível deles”, acrescentou o líder timorense, que esteve preso sete anos numa cadeia indonésia durante a ocupação.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A segunda vaga já chegou a Portugal (e há "uma diferença muito importante")

Os especialistas não duvidam que a segunda vaga de covid-19 já chegou a Portugal, mas apontam que há diferenças significativas relativamente ao início da pandemia, em Março. "Há uma diferença muito importante nesta segunda vaga que …

Governo tinha 90 milhões para apoiar criação de emprego (mas pedidos superaram os 487 milhões)

O programa do Governo para apoiar a criação de emprego, lançado em julho, tinha uma verba de 90 milhões de euros. Dois meses depois, a procura excedeu os 487,5 milhões. O jornal Público adiantou esta quinta-feira …

Metade dos portugueses acredita que Portugal está preparado para inverno (mas defende novo confinamento)

Uma sondagem da Aximage para o Jornal de Notícias e TSF revela que 47% dos portugueses defendem um novo confinamento, apesar de 50% acreditar que o país está melhor preparado para o inverno. De acordo …

Corona o melhor, Pizzi a perder bolas: as curiosidades da Liga

A I Liga 2020/2021 começa nesta sexta-feira, ainda com muitas incertezas. Entretanto, voltámos a espreitar o relatório 'Futebol em números', publicado no final de agosto pela própria Liga Portugal. Desta vez deixámos aqui algumas curiosidades …

Investigadores escrevem carta na Science para pressionar o Governo a desistir do aeroporto do Montijo

Investigadores portugueses acusam o governo português de ir contra os objetivos do Pacto Ecológico Europeu ao persistir na construção do aeroporto no Montijo, apontando sobretudo o efeito destrutivo em centenas de milhares de aves no …

Aos 20 anos, Duplantis bate mítico recorde do mundo de salto com vara

O saltador com vara sueco Armand Duplantis continua a fazer história e esta quinta-feira, no decorrer do 'meeting' de Roma, da Liga Diamante, conseguiu o melhor salto de sempre ao ar livre, com 6,15 metros. O …

PSD vai votar contra propostas para legalizar o lobbying

O PSD vai votar contra a legalização do lobbying. Os sociais-democratas defendem que as regras criam um maior afastamento entre cidadãos e entidades públicas e políticas. CDS, PAN e PS querem discutir propostas para legalizar o …

Feitiço vira-se contra o feiticeiro. Flamengo é humilhado na Libertadores

O Flamengo sofreu a mais pesada derrota do clube na Taça Libertadores, após ter sido goleado por 5-0 pelos equatorianos do Independiente del Valle. Depois da eliminação do SL Benfica da Liga dos Campeões, às mãos …

Governo sabia do amianto em carruagens compradas à Renfe. É de fácil remoção, diz ministro

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse esta quinta-feira que o Governo sabia que carruagens compradas à espanhola Renfe contêm amianto, mas que é de fácil remoção e voltou a considerar …

PJ pediu ajuda à Doyen para identificar Rui Pinto. Aníbal Pinto diz-se "chocado"

Em mais uma sessão do julgamento de Rui Pinto, esta quinta-feira, o investigador da Polícia Judiciária (PJ) José Amador admitiu ter contactado um advogado da Doyen para que o fundo de investimento acelerasse uma investigação …