Timor vai blindar Fundo Petrolífero antes de ratificar tratado de fronteiras com a Austrália

Peter Shanks / Flickr

O pacote de alterações legislativas que o Governo timorense vai introduzir para a ratificação do Tratado de Fronteiras Marítimas com a Austrália inclui mudanças para “blindar” o Fundo Petrolífero, segundo fonte conhecedora dos projetos.

Do pacote fazem parte vários decretos-leis necessários para enquadrar os novos contratos de partilha de produção para os poços no Mar de Timor, alterações ao regime tributário e mudanças para adaptar a lei do trabalho e da migração ao setor petrolífero, informou na segunda-feira o Sapo 24, citando a agência Lusa.

Fonte do executivo envolvida na preparação dos diplomas confirmou à Lusa que o pacote legislativo foi entregue na sexta-feira ao primeiro-ministro, devendo ser debatido alargadamente em Conselho de Ministros nos dias 08 e 09 de julho.

Em causa estão decretos-leis, que depois de aprovados em Conselho de Ministros terão de ser promulgados pelo Presidente da República e outros diplomas, incluindo alterações a leis em vigor, que têm de passar pelo parlamento antes de ir ao chefe de Estado.

Trata-se de um extenso pacote legislativo que o Governo quer ver promulgado e em vigor antes do dia 30 de agosto para que nesse dia, em que se celebram os 20 anos do referendo de independência de Timor-Leste, possa ser formalmente ratificado o tratado.

Paralelamente ao processo em Timor-Leste estará a decorrer um processo legislativo necessário no parlamento australiano.

Para que essa ratificação aconteça, é necessário aprovar várias alterações a diplomas como a Lei do Fundo Petrolífero, a Lei de Atividades Petrolíferas, a Lei Tributária e a lei da Timor Gap, além de outras mudanças.

Rui Araújo / Facebook

Rui Araújo, primeiro-ministro timorense

Desde a assinatura do tratado Timor-Leste tem estado a negociar com Camberra e com as operadoras com projetos no Mar de Timor para finalizar os complexos acordos de transição para o novo regime que será formalmente criado com a ratificação.

Pelo parlamento terão que passar quatro propostas de alteração a leis em vigor, uma das quais regulamenta o novo enquadramento fiscal exigido pelo facto de Timor-Leste passar a deter a jurisdição única dos poços na zona do Mar de Timor.

No que se refere à lei do Fundo Petrolífero e à Lei das Atividades Petrolíferas, fonte do executivo confirmou que se “mexe estritamente no necessário para se fazer a ratificação”, alterando por exemplo as referências a tratados anteriores e passando a incluir referências ao novo tratado de fronteiras.

No caso da lei do fundo petrolífero a alteração transpõe também “o que foi aprovado com a alteração de janeiro da Lei de Atividades Petrolíferas” para assim “articular as duas leis”, já que a mudança na Lei de Atividades Petrolíferas “mexeu indiretamente” na do fundo.

Além disso, explicou, e por preocupações de alguns setores do Governo, incluindo o Ministério das Finanças, as alterações respondem a “preocupações sobre eventuais excessivas exposições do Fundo Petrolífero ao risco”.

Nesse sentido, esclareceu a mesma fonte, “vai-se fechar, blindar o Fundo Petrolífero” de uma forma que, na prática, trava o recurso ao fundo para financiar o projeto da costa sul de Timor-Leste.

Finalmente, passará igualmente pelo Parlamento um conjunto de alterações que criarão um regime especial para o setor petrolífero no âmbito da lei do trabalho e da migração.

A lei do trabalho tem restrições, por exemplo, ao número de horas de trabalho que não se aplicam no setor petrolífero onde o trabalho é feito por empreitadas em períodos consecutivos de 28 dias, sendo necessário igualmente criar um regime de vistos para os trabalhadores dos campos petrolíferos que passam agora a estar em águas timorenses.

Mast Irham / EPA

O Presidente de Timor-Leste Francisco Guterres Lu-Olo

Em causa estão ainda “vários contratos afetados pelo novo tratado de delimitação de fronteiras”, incluindo os referentes ao projeto do Bayu Undan, e outras licenças que estão atualmente a funcionar sob o regime australiano, no limite ocidental da Zona Conjunta de Desenvolvimento Petrolífero (JPDA).

Projetos que estão “em diferentes fases” e que obrigam a ter um novo Contrato de Partilha de Produção (PSC), novos decretos do Governo e outras alterações legislativas, tanto em Timor-Leste, como na Austrália, em áreas como impostos.

Do pacote fazem parte, por isso, seis novos PSC que definem direitos e obrigações equivalentes aos concessionários das licenças de e que, por força das fronteiras definidas no tratado, passam de estar sob jurisdição conjunta ou exclusiva da Austrália e passam a estar sob jurisdição exclusiva de Timor-Leste.

Para isso foi necessário transformar documentos que tinham sido preparados com base no sistema legislativa australiano (common law) e que tiveram de ser adaptados ao regime, civilista, aplicado em Timor-Leste.

Esses PSC serão regulamentados por quatro decretos-leis que terão de ser aprovados em Conselho de Ministros e depois promulgados pelo Presidente da República.

Entre as mudanças legislativas contam-se, por exemplo, mudanças para regular o gasoduto que liga o poço de Bayu Undan a Darwin e que com o tratado passará a atravessar águas exclusivas de Timor-Leste.

Por um lado, trata-se de “terminar coisas antigas e mecanismos antigos” e introduzir novos sobre a “utilização do gasoduto”, definindo, por exemplo, que a quantidade de petróleo transportada passa a ser contada à saída do campo em vez de à entrada da refinaria em Darwin.

“Pedir o dinheiro do petróleo à Austrália é rebaixar-me ao nível deles”

Pedir o dinheiro à Austrália pelos milhões de receitas do gás e petróleo indevidamente recebidos por Camberra ao longo de anos seria como “rebaixar-me ao nível deles”, disse ao Público Xanana Gusmão, ex-Presidente (2002-07) e ex-primeiro-ministro (2007-15) de Timor-Leste, durante uma entrevista em que foram abordados vários temas, incluindo a ratificação do Tratado de Fronteiras Marítimas.

Antonio Cruz / ABr

O antigo Presidente da República de Timor-Leste, Xanana Gusmão

Segundo o próprio, no primeiro dia em que começou a negociação para definir a fronteira marítima, perguntaram-lhe se a Austrália devia devolver o dinheiro recebido. Ao que respondeu: “Estou aqui a representar o Estado de Timor-Leste não para mendigar dinheiro, mas para definir a fronteira marítima com a Austrália”.

Xanana Gusmão esteve em Lisboa para a conferência Fragilidade dos Estados – Recursos Naturais, Resiliência e Desenvolvimento, organizada pelo Clube de Lisboa e pelo g7+, um fórum dos Estados frágeis que reúne mais de 20 países.

De acordo com o líder timorense de 73 anos, “a Austrália e a Indonésia assinaram o acordo do Timor Gap em 1989. A invasão de Timor foi em 1975. Andámos 14 anos em guerra. Para dividirem as receitas 50%-50% com a Indonésia, os australianos tiveram de mostrar uma política de conivência com o morticínio em Timor”.

“Se vamos olhar só para o dinheiro e não para a política suja e a falta de moral da Austrália – foram o único país que reconheceu a invasão – o que é que vamos fazer? Fui a Nova Iorque e a Genebra explicar porque é que fechámos a porta ao Tribunal Penal Internacional. Porque não aceito que os generais indonésios vão lá responder”, referiu.

E continuou: “Dois congressistas americanos colocaram-me o problema e eu disse: “Muito bem. Querem assinar um acordo comigo? É simples: eu levo os generais e fico à vossa espera no Tribunal Internacional. E vocês levam todos os que na América venderem armas e aviões aos generais indonésios para nos matarem. E da Austrália, da França, da Alemanha, da Grã-Bretanha… tragam todos os cúmplices. Encontramo-nos lá”.

“O que aconteceu? Fugiram. Não vou medir os milhões do petróleo com a cumplicidade na morte de 200 mil timorenses. Seria baixar-me ao nível deles: eles deixaram-nos matar pelos indonésios por causa do dinheiro. Eu pedir esse dinheiro é rebaixar-me ao nível deles”, acrescentou o líder timorense, que esteve preso sete anos numa cadeia indonésia durante a ocupação.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo aberto para suspender pagamento por conta do IRC

O deputado do PEV José Luís Ferreira afirmou hoje que o Governo demonstrou abertura para suspender este ano o pagamento por conta do IRC e para criar um fundo de tesouraria destinado às pequenas e …

Consumo de vinho aumentou "acentuadamente" durante confinamento

Um estudo europeu divulgado esta segunda-feira concluiu que a frequência do consumo de vinho "aumentou acentuadamente" em Espanha, França, Itália e Portugal com o confinamento e que as principais fontes de abastecimento foram os supermercados …

João Félix lesiona-se a poucos dias do regresso da La Liga

João Félix contraiu uma lesão no ligamento lateral interno do joelho esquerdo durante um treino, informou esta segunda-feira o Atlético de Madrid. "João Félix sofreu uma entorse do ligamento colateral medial de baixo grau do joelho …

"Agiu com responsabilidade, legalidade e integridade". Boris Johnson segura assessor

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, apoiou este domingo o seu principal conselheiro, Dominic Cummings, acusado de violar as regras de confinamento impostas para combater a pandemia covid-19, assegurando que o assessor agiu legalmente e com …

Dieselgate. Volkswagen condenada a indemnizar cliente

A justiça alemã condenou hoje a Volkswagen a indemnizar em parte um cliente que comprou um automóvel equipado com um motor diesel falsificado, numa sentença que deve influenciar dezenas de milhares de processos cinco anos …

Caso prazo das moratórias não seja alargado "terão de ser criadas outras medidas extraordinárias"

Caso as "as moratórias dos créditos não forem prolongadas, ou o Governo ou a Assembleia da República terão de criar outras medidas extraordinárias para as apoiar", disse a coordenadora do Gabinete de Proteção Financeira (GPF) …

Santuário de Fátima retoma no sábado celebrações com presença de peregrinos

O Santuário de Fátima vai retomar as celebrações com a presença de peregrinos a partir de sábado, garantindo as condições de segurança para o maior número de pessoas. O Santuário de Fátima, no concelho de Ourém, …

Ex-ministro da Saúde da Bolívia em prisão preventiva por suspeitas de corrupção

O ex-ministro da Saúde da Bolívia foi detido, na semana passada, por suspeita de corrupção na compra de ventiladores. O ex-ministro da Saúde da Bolívia, detido na última semana por suspeita de corrupção na compra a …

OMS considera cada vez mais improvável segunda grande vaga

A diretora do departamento de Saúde Pública da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou hoje que é "cada vez mais" improvável uma segunda grande vaga do novo coronavírus, mas aconselhou muita prudência. Em entrevista à rádio …

Açores reabrem creches e jardins de infância. Aulas de 11.º e 12.º também em São Miguel

As respostas sociais, encerradas devido à pandemia, reabrem esta segunda-feira no Pico, Faial, Terceira e São Jorge, e na ilha de São Miguel são retomadas as aulas dos 11.º e 12.º anos para alunos inscritos …