Sem portugueses que queiram trabalhar, empresas viram-se para a Ásia e fogem para Marrocos

São cada vez mais as empresas portuguesas do sector do têxtil que estão a recrutar trabalhadores na Ásia, dada a falta de mão-de-obra em Portugal. Esse problema aliado aos aumentos salariais também está a levar algumas confecções para Marrocos.

São cerca de seis mil as empresas portuguesas activas no sector da indústria têxtil, empregando 138 mil trabalhadores directos, segundo dados do Jornal de Negócios.

Muitas destas empresas de média e grande dimensão estão a recrutar trabalhadores no estrangeiro, especialmente em países da Ásia, como Nepal, Índia, Paquistão e Bangladesh, para desempenharem funções de costureiros, operadores de máquinas e outras tarefas nas áreas da tinturaria e dos acabamentos.

Estes dados são confirmados ao Negócios pelo presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), Mário Jorge Machado, que lamenta a falta de falta de mão-de-obra em Portugal.

“A solução ideal era haver mais portugueses que quisessem trabalhar. Não havendo, é trazermos pessoas do estrangeiro”, constata Mário Jorge Machado no jornal, lamentando “o demorado e difícil processo de legalização” dos trabalhadores vindos de fora.

Outra realidade que se está a verificar no sector têxtil é a deslocação de várias confecções para Marrocos. Além da falta de mão-de-obra, os aumentos salariais em Portugal também motivam esta “fuga” para o Norte de África.

O presidente da ATP prevê que, neste ano, as exportações do sector continuarão a crescer pelo 11º ano consecutivo.

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. A noticia deveria ser:
    “Portugueses fartos de trabalhar por meia truta, não querem mais ser explorados pelos facínoras que dirigem as fábricas em Portugal.”

    • Apoio… Tenho pena é que Portugal tenha uma sociedade civíl tão frouxa. Amanhã já ninguém se lembra desta notícia porque há um reality show mais importante pra ver… E o feudalismo moderno continua.

  2. Mais uma Vergonha Nacional!
    Esse Sr. se quisesse pagar salários dignos aos tais Portugueses a quem se refere, não precisava de ir buscar mão de obra a outrso países: Ou será que esse Senhor conseguiria viver com 600€ p/ mês???
    Se calhar nem chega para lhe pagar a casa….

    • Se calhar??? Mas você ainda diz “se calhar”? Mas hoje em dia por 600 Euros vive-se nalgum palacete? Em Lisboa deve dar pra um quarto.

      O que não deve dar pra pagar a “alegre casinha” deste senhor que de “modesta” não deve ter nada, são os lucros que ele obtem com mão de obra Portuguesa. Tem de ir buscar escravos ao Sudeste Asiático ou a África.

  3. É um facto. Portugal está a ficar vazio de portugueses e não só do modelo 600 €/mês. Outros modelos, até 5.000 €/mês também encontram, para trabalhar, melhores condições fora do país. Este problema deve-se apenas ao facto do país não crescer económicamente porque não consegue pagar o sistema político montado, leia-se, a Cleptocracia Politico-administrativa. Mais um tema para o nosso “Célito” propor à discussão pública.

  4. O lema deve ser sempre: “Quando me pagarem para trabalhar, trabalharei; por agora, só me pagam para ‘estar’!”. Ora, o sector dos texteis sempre foi conduzido por um grupo de facínoras energúmenos que queriam/querem enriquecer, pagando tostões por horas e horas de trabalho! Portanto, é natural que se virem agora para mercados onde ainda existem “escravos”.
    O lamentável é que o governo “dito de esquerda” nada faça para impedir e resolver este e outros problemas!

    • Pois, e porque é que quer que seja o governo a resolver? E porque é que quer obrigar os outros a pagar mais?
      Monte você uma empresa, ou outro negócio qualquer, e pague os salários que bem entende com o SEU dinheiro. Não queira é dispor daquilo que não lhe pertence e decidir relativamente ao que não é seu!

  5. O problema agravou-se com a globalização, a Europa está invadida de têxteis asiáticos e esvaziada de empresas do sector, antes da globalização era ouvir nos noticiários referências e condenações a trabalhos escravos nessa região do mundo muitos deles explorados por grandes multinacionais algumas do desporto até, acordada a globalização não mais se falou em tal problema, são políticos e comunicação social todos a colaborar no mesmo sentido, entra-se em várias lojas do sector e é só ver artigos estrangeiros! Depois admiram-se de na Europa o povo começar a votar em partidos conservadores e nacionalistas, invadidos que estamos por gente de outros credos que não respeitam os nossos valores e esvaziados de empresas, o que esperam?

RESPONDER

Violência policial é uma das principais causas de morte de jovens negros nos EUA

A violência policial é uma das principais causas de morte entre jovens nos Estados Unidos, com os negros a terem 2,5 vezes mais hipóteses de serem mortos do que os homens brancos. O estudo, publicado este …

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …