Sem portugueses que queiram trabalhar, empresas viram-se para a Ásia e fogem para Marrocos

São cada vez mais as empresas portuguesas do sector do têxtil que estão a recrutar trabalhadores na Ásia, dada a falta de mão-de-obra em Portugal. Esse problema aliado aos aumentos salariais também está a levar algumas confecções para Marrocos.

São cerca de seis mil as empresas portuguesas activas no sector da indústria têxtil, empregando 138 mil trabalhadores directos, segundo dados do Jornal de Negócios.

Muitas destas empresas de média e grande dimensão estão a recrutar trabalhadores no estrangeiro, especialmente em países da Ásia, como Nepal, Índia, Paquistão e Bangladesh, para desempenharem funções de costureiros, operadores de máquinas e outras tarefas nas áreas da tinturaria e dos acabamentos.

Estes dados são confirmados ao Negócios pelo presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), Mário Jorge Machado, que lamenta a falta de falta de mão-de-obra em Portugal.

“A solução ideal era haver mais portugueses que quisessem trabalhar. Não havendo, é trazermos pessoas do estrangeiro”, constata Mário Jorge Machado no jornal, lamentando “o demorado e difícil processo de legalização” dos trabalhadores vindos de fora.

Outra realidade que se está a verificar no sector têxtil é a deslocação de várias confecções para Marrocos. Além da falta de mão-de-obra, os aumentos salariais em Portugal também motivam esta “fuga” para o Norte de África.

O presidente da ATP prevê que, neste ano, as exportações do sector continuarão a crescer pelo 11º ano consecutivo.

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. A noticia deveria ser:
    “Portugueses fartos de trabalhar por meia truta, não querem mais ser explorados pelos facínoras que dirigem as fábricas em Portugal.”

    • Apoio… Tenho pena é que Portugal tenha uma sociedade civíl tão frouxa. Amanhã já ninguém se lembra desta notícia porque há um reality show mais importante pra ver… E o feudalismo moderno continua.

  2. Mais uma Vergonha Nacional!
    Esse Sr. se quisesse pagar salários dignos aos tais Portugueses a quem se refere, não precisava de ir buscar mão de obra a outrso países: Ou será que esse Senhor conseguiria viver com 600€ p/ mês???
    Se calhar nem chega para lhe pagar a casa….

    • Se calhar??? Mas você ainda diz “se calhar”? Mas hoje em dia por 600 Euros vive-se nalgum palacete? Em Lisboa deve dar pra um quarto.

      O que não deve dar pra pagar a “alegre casinha” deste senhor que de “modesta” não deve ter nada, são os lucros que ele obtem com mão de obra Portuguesa. Tem de ir buscar escravos ao Sudeste Asiático ou a África.

  3. É um facto. Portugal está a ficar vazio de portugueses e não só do modelo 600 €/mês. Outros modelos, até 5.000 €/mês também encontram, para trabalhar, melhores condições fora do país. Este problema deve-se apenas ao facto do país não crescer económicamente porque não consegue pagar o sistema político montado, leia-se, a Cleptocracia Politico-administrativa. Mais um tema para o nosso “Célito” propor à discussão pública.

  4. O lema deve ser sempre: “Quando me pagarem para trabalhar, trabalharei; por agora, só me pagam para ‘estar’!”. Ora, o sector dos texteis sempre foi conduzido por um grupo de facínoras energúmenos que queriam/querem enriquecer, pagando tostões por horas e horas de trabalho! Portanto, é natural que se virem agora para mercados onde ainda existem “escravos”.
    O lamentável é que o governo “dito de esquerda” nada faça para impedir e resolver este e outros problemas!

    • Pois, e porque é que quer que seja o governo a resolver? E porque é que quer obrigar os outros a pagar mais?
      Monte você uma empresa, ou outro negócio qualquer, e pague os salários que bem entende com o SEU dinheiro. Não queira é dispor daquilo que não lhe pertence e decidir relativamente ao que não é seu!

  5. O problema agravou-se com a globalização, a Europa está invadida de têxteis asiáticos e esvaziada de empresas do sector, antes da globalização era ouvir nos noticiários referências e condenações a trabalhos escravos nessa região do mundo muitos deles explorados por grandes multinacionais algumas do desporto até, acordada a globalização não mais se falou em tal problema, são políticos e comunicação social todos a colaborar no mesmo sentido, entra-se em várias lojas do sector e é só ver artigos estrangeiros! Depois admiram-se de na Europa o povo começar a votar em partidos conservadores e nacionalistas, invadidos que estamos por gente de outros credos que não respeitam os nossos valores e esvaziados de empresas, o que esperam?

RESPONDER

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …