Testes nucleares na Guerra Fria mudaram o clima a milhares de quilómetros de distância

Testes de bombas nucleares durante a Guerra Fria podem ter levado a um aumento da precipitação durante um período de pelo menos dois anos, alterando os padrões da chuva a milhares de quilómetros dos locais da detonação.

Há mais de 50 anos, a corrida às armas nucleares aumentou à medida que as potências mundiais competiam para desenvolver armas nucleares após as tensões aumentadas pela II Guerra Mundial.

Durante a Guerra Fria das décadas de 1950 e 1960, os Estados Unidos e a União Soviética realizaram testes nucleares em vários locais remotos ao redor do mundo, do Pacífico Sul ao deserto do sudoeste americano. Atualmente, muitos desses locais de testes ficaram com as cicatrizes e alguns até permanecem radioativos, mas o que acontece num local nuclear não fica apenas lá.

Entre 1962 e 1964, a poluição radioativa espalhou-se pela atmosfera, ionizando o ar e libertando cargas elétricas que alteravam os padrões de precipitação.

Investigadores da Universidade de Reading, no Reino Unido, determinaram a forma como as cargas elétricas libertadas pela radiação de detonações de teste afetavam as nuvens de chuva na época, revendo registos históricos entre 1962 e 1964 de duas estações meteorológicas no Reino Unido.

Os registos meteorológicos foram comparados a dias com cargas altas e baixas geradas radioativamente e cruzados com dados de testes de bombas.

De acordo como estudo publicado em maio na revista científica Physical Review Letters, os investigadores descobriram que as nuvens eram visivelmente mais espessas e tinha uma média de 24% mais chuva em dias com mais radioatividade.

Observações elétricas mostram que a ionização atmosférica adicional causada pela radioatividade durante o tempo levou a um “aumento na corrente de condução do circuito global” e, de facto, o “material radioativo estratosférico estava tão extensamente distribuído no hemisfério norte que são esperadas mudanças elétricas semelhantes amplamente”.

“Ao estudar a radioatividade libertada pelos testes de armas da Guerra Fria, os cientistas na época aprenderam sobre os padrões de circulação atmosférica. Agora, reutilizámos esses dados para examinar o efeito das chuvas”, disse Giles Harrison, principal autor e professor de Física Atmosférica na Universidade de Reading, em comunicado.

“A atmosfera politicamente carregada da Guerra Fria levou a uma corrida armamentista nuclear e a uma ansiedade mundial. Décadas depois, essa nuvem global produziu um lado positivo, dando-nos uma forma única de estudar como a carga elétrica afeta a chuva”.

Acredita-se que a carga elétrica pode mudar a forma como as gotas de água nas nuvens colidem e combinam, o que poderia afetar o seu tamanho e influenciar as chuvas.

A chuva produzida nas nuvens depende de vários fatores, incluindo taxas de condensação e a rapidez com que as gotículas de água conseguem ganhar massa, tornando-as suficientemente pesadas para cair na superfície. A radioatividade pode influenciar a carga dessas gotículas, usando força elétrica para modificar e influenciar as nuvens e as suas respectivas precipitações.

Estas descobertas podem ser úteis para determinar como a carga elétrica pode ter um papel na influência da chuva para potencialmente aliviar secas ou, possivelmente, impedir inundações.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rio diz que Governo “vai levar ao colo” Medina. Moedas ataca o rival e diz que as suas promessas não valem nada

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta quinta-feira que o Governo “vai levar ao colo” o candidato socialista à Câmara Municipal de Lisboa, porque “pelas guerras e desequilíbrios internos” não pode perder a eleição …

Portugal regista cinco mortos e 373 novos casos nas últimas 24 horas

O boletim desta quinta-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS) regista cinco óbitos e 373 novos casos de covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas. Há ainda mais 538 recuperados. O boletim da DGS, do dia 6 …

“Quem não nasceu com o apelido Espírito Santo tem de ir à luta”, diz Gama Leão

João Gama Leão deixou uma dívida de mais de 300 milhões de euros ao Novo Banco através da Prebuild, um dos grandes devedores do banco. O empresário assumiu a responsabilidade pelos créditos em incumprimento, fez …

Avião da TAP retido na Venezuela regressa a Lisboa hoje

O avião da TAP que ficou retido na Venezuela por causa de uma carga de cocaína regressa nesta quinta-feira a Lisboa, assim como a tripulação, disse à agência Lusa fonte oficial da empresa aérea portuguesa. Segundo …

Marcelo convida Ramalho Eanes para presidir comemorações dos 50 anos do 25 de Abril

O presidente da República em funções, Marcelo Rebelo de Sousa, convidou o ex-presidente da República Ramalho Eanes para presidir as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. O convite dirigido ao general Ramalho Eanes, um …

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve. Contudo, os especialistas têm dúvidas em relação à necessidade de vacinar os mais jovens. Atualmente há apenas uma vacina contra a covid-19, …

Netanyahu não conseguiu formar Governo em Israel. Segue-se Lapid

Esta quarta-feira, Reuven Rivlin, Presidente de Israel, chamou Yair Lapid, líder do partido Yesh Atid, para lhe entregar a responsabilidade de formar um Governo que consiga o apoio do Knesset (Parlamento). O partido de Yair Lapid, …

Almofada de prevenção contra a pandemia. Câmara de Lisboa quer pedir 20 milhões à banca

A Câmara Municipal de Lisboa quer contrair um empréstimo de 20 milhões de euros junto do BPI, uma almofada de prevenção para fazer face às despesas correntes emergentes do combate à pandemia de covid-19. O Público …

Resort Zmar

BES, falência e um fundo abutre. Resort Zmar "deve 60 milhões de euros ao Estado"

Os proprietários das casas privadas do empreendimento turístico Zmar, na Zambujeira do Mar, em Odemira, continuam a protestar contra o alojamento de imigrantes por causa da covid-19. Isto numa altura em que se revela que …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …