Testes nucleares na Guerra Fria mudaram o clima a milhares de quilómetros de distância

Testes de bombas nucleares durante a Guerra Fria podem ter levado a um aumento da precipitação durante um período de pelo menos dois anos, alterando os padrões da chuva a milhares de quilómetros dos locais da detonação.

Há mais de 50 anos, a corrida às armas nucleares aumentou à medida que as potências mundiais competiam para desenvolver armas nucleares após as tensões aumentadas pela II Guerra Mundial.

Durante a Guerra Fria das décadas de 1950 e 1960, os Estados Unidos e a União Soviética realizaram testes nucleares em vários locais remotos ao redor do mundo, do Pacífico Sul ao deserto do sudoeste americano. Atualmente, muitos desses locais de testes ficaram com as cicatrizes e alguns até permanecem radioativos, mas o que acontece num local nuclear não fica apenas lá.

Entre 1962 e 1964, a poluição radioativa espalhou-se pela atmosfera, ionizando o ar e libertando cargas elétricas que alteravam os padrões de precipitação.

Investigadores da Universidade de Reading, no Reino Unido, determinaram a forma como as cargas elétricas libertadas pela radiação de detonações de teste afetavam as nuvens de chuva na época, revendo registos históricos entre 1962 e 1964 de duas estações meteorológicas no Reino Unido.

Os registos meteorológicos foram comparados a dias com cargas altas e baixas geradas radioativamente e cruzados com dados de testes de bombas.

De acordo como estudo publicado em maio na revista científica Physical Review Letters, os investigadores descobriram que as nuvens eram visivelmente mais espessas e tinha uma média de 24% mais chuva em dias com mais radioatividade.

Observações elétricas mostram que a ionização atmosférica adicional causada pela radioatividade durante o tempo levou a um “aumento na corrente de condução do circuito global” e, de facto, o “material radioativo estratosférico estava tão extensamente distribuído no hemisfério norte que são esperadas mudanças elétricas semelhantes amplamente”.

“Ao estudar a radioatividade libertada pelos testes de armas da Guerra Fria, os cientistas na época aprenderam sobre os padrões de circulação atmosférica. Agora, reutilizámos esses dados para examinar o efeito das chuvas”, disse Giles Harrison, principal autor e professor de Física Atmosférica na Universidade de Reading, em comunicado.

“A atmosfera politicamente carregada da Guerra Fria levou a uma corrida armamentista nuclear e a uma ansiedade mundial. Décadas depois, essa nuvem global produziu um lado positivo, dando-nos uma forma única de estudar como a carga elétrica afeta a chuva”.

Acredita-se que a carga elétrica pode mudar a forma como as gotas de água nas nuvens colidem e combinam, o que poderia afetar o seu tamanho e influenciar as chuvas.

A chuva produzida nas nuvens depende de vários fatores, incluindo taxas de condensação e a rapidez com que as gotículas de água conseguem ganhar massa, tornando-as suficientemente pesadas para cair na superfície. A radioatividade pode influenciar a carga dessas gotículas, usando força elétrica para modificar e influenciar as nuvens e as suas respectivas precipitações.

Estas descobertas podem ser úteis para determinar como a carga elétrica pode ter um papel na influência da chuva para potencialmente aliviar secas ou, possivelmente, impedir inundações.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A tecnologia ressuscitou o "plágio" de escritores medievais

Os trabalhos de autores medievais foram "ressuscitados" com a tecnologia do século XXI numa inesperada colaboração na Universidade de St Andrews, na Escócia. Um arquivo das obras de autores ingleses medievais, que revelava uma visão internacional …

Num cenário apocalíptico, a espécie humana poderia sobreviver "com populações na casa das centenas"

Cientistas de todo o mundo debruçam-se sobre a preparação das populações (e de abrigos) para sobreviver a um possível apocalipse. Para o antropólogo Cameron Smith, não seria necessário um número muito elevado de pessoas, desde …

Príncipe Harry diz que viver com a família real é "uma mistura entre o Truman Show e estar num zoo"

Depois de uma entrevista a Oprah Winfrey, o duque de Sussex faz novas revelações numa nova entrevista e descreve como era a sua vida antes de ir viver, primeiro para o Canadá e, depois, para …

Pentear o cabelo pode tornar-se uma tarefa mais fácil com a ajuda de um robô

Uma equipa de cientistas desenvolveu recentemente um braço robótico com uma escova de cabelo macia, equipada com uma câmara que ajuda o braço a "ver" e a avaliar a ondulação, para oferecer ao utilizador uma …

Benfica 4-3 Sporting | Águia vence dérbi espectacular

Mas que grande dérbi! Benfica e o novo campeão Sporting presentearam os adeptos com um jogo espectacular, um dos melhores dos últimos anos em Portugal, com futebol de ataque e golos, muitos golos. Foram nada menos …

Portugal é o 2.º país com mais divórcios e menos casamentos na UE

A taxa de casamentos na União Europeia caiu drasticamente nos últimos 55 anos, ao mesmo tempo que a taxa de divórcios subiu. Portugal é o segundo país onde esta tendência mais prevalece. De acordo com dados …

"É parte da nossa identidade". Pequena cidade na Suécia luta para preservar uma antiga língua moribunda

A organização Ulum Dalska, sediada numa pequena cidade sueca chamada Älvdalen, tem uma missão. Durante décadas, os seus membros têm trabalhado arduamente para ajudar a salvar a língua elfedaliana, um remanescente do nórdico antigo. "Tivemos a …

Papa diz que abuso infantil é uma espécie de “assassinato psicológico”

O Papa Francisco criticou hoje o abuso infantil dizendo que é “uma espécie de ‘assassinato psicológico’ e, em muitos casos, um cancelamento da infância” e pediu para “parar de encobrir” o fenómeno da pedofilia. Francisco falava …

Jerónimo considera “precipitado” discutir Orçamento de 2022 e “deitar borda fora” o atual

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje “no mínimo precipitado” antecipar a posição do partido sobre o próximo Orçamento do Estado e “deitar borda fora” a concretização do atual. À margem de uma visita …

Plano da CIA para capturar Bin Laden originou um problema de saúde pública no Paquistão

Um novo estudo indica que um plano secreto da CIA para capturar Osama Bin Laden, no início de 2011, teve como consequência uma queda significativa das taxas de vacinação no Paquistão. O plano, que usava uma …