Teste de olfato ajuda a prever tempo de vida

Tim Bradshaw / Flickr

Medir o olfato das pessoas na velhice pode ajudar os médicos a prever qual é a expectativa de vida dos pacientes, sugere um estudo da Universidade de Chicago. Uma diminuição da capacidade olfactiva poderá significar menor tempo de vida.

A investigação, publicada na revista científica online PLOS One, permitiu descobrir que 39% dos 3 mil adultos que apresentaram o sentido do olfacto menos eficiente morreram nos cinco anos anos seguintes.

Em comparação, apenas 10% dos que eram capazes de identificar odores correctamente morreram no mesmo período.

Os cientistas realçam, que a perda de olfacto não causa a morte – mas este pode ser um sinal de alerta, para qualquer pessoa com problemas neste sentido, de que deve procurar um médico.

Cinco odores

No estudo, os investigadores pediram a uma amostra representativa de adultos com idades entre os 57 e 85 anos para participar num teste rápido de cheiro.

A avaliação envolveu a identificação de odores distintos, disponíveis em canetas hidrográficas impregnadas com diferentes cheiros, como hortelã, peixe, laranja, rosa e couro.

Cinco anos mais tarde, cerca de 39% dos adultos que tiveram classificações mais baixas (4 a 5 erros) tinha morrido, em comparação com os 19% dos que tiveram uma perda de olfacto moderada e com apenas 10% dos que revelaram um senso de cheiro saudável (um ou nenhum erro).

Apesar de se considerar a idade, nutrição, tabagismo, pobreza e saúde, os investigadores descobriram que os indivíduos com o sentido do olfacto mais pobre ainda permaneciam no grupo de maior risco.

Robert Kozloff / The University of Chicago

Jayant Pinto, investigador da Universidade de Chicago

Jayant M. Pinto, investigador da Universidade de Chicago

Prenúncio

“Achamos que a perda do sentido do olfacto não causa diretamente a morte, mas é um prenúncio, um sistema de alerta que mostra que pode ter havido um dano”, disse à BBC o cientista-chefe da pesquisa, Jayant Pinto.

“Esta descoberta podem fornecer um teste clínico útil, uma maneira rápida de baixo custo capaz de identificar os pacientes de maior risco”, acrescentou.

Ainda não está claro como é que a perda de olfacto contribui exactamente para a expectativa de vida, mas os investigadores apresentaram uma série de possíveis razões.

Segundo os cientistas, uma capacidade reduzida de detectar odores pode ser sinal de menos regeneração ou reparação de células do corpo em geral.

Isso porque um sentido de olfacto saudável depende em parte de um volume de troca contínua das células que revestem o nariz.

Assim, uma sensação de degradação no olfacto pode ser um reflexo da exposição de toda uma vida à poluição e a bactérias.

Os investigadores estão agora a realizar investigações adicionais para entender as razões por trás desta ligação entre olfacto e expectativa de vida.

xeeliz / Flickr

-

Interface

“O sentido do olfacto é um pouco subestimado, embora desempenhe um papel muito importante na vida quotidiana”, diz Pinto.

“Mas não queremos que as pessoas entrem em pânico. Uma constipação, alergias e problemas de sinusite também podem afectar o olfacto”, acrescentou.

A redução do olfacto nestes casos só deve ser motivo de preocupação, explica o cientista, se o problema persistir.

“Talvez este estudo mostre que precisamos de começar a prestar mais atenção à saúde sensorial”, concluiu.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Envolvido em escândalo financeiro, cardeal Becciu renunciou ao cargo no Vaticano

O prefeito da Congregação da Causa dos Santos, o cardeal Angelo Becciu, resignou esta quinta-feira ao cargo e aos seus direitos enquanto cardeal, numa altura em que vê o seu nome envolvido num escândalo financeiro, …

Nanocorpo de alpaca é capaz de bloquear infeção por covid-19

Cientistas do Instituto Karolinska, na Suécia, identificaram um pequeno anticorpo neutralizante - nanocorpo - que consegue bloquear a entrada do Sars-CoV-2 nas células humanas. Uma equipa de investigadores suecos, do Instituto Karolinska, descobriu que um nanocorpo …

A Terra está prestes a capturar uma nova mini-lua. Ficará por cá meio ano

A Terra está prestes a capturar uma mini-lua, que os astrónomos acreditam que ficará presa na gravidade do nosso planeta durante cerca de meio ano. Entende-se por mini-lua um objeto de pequenas dimensões que é …

Cientistas medem, pela primeira vez, a distância até um magnetar na Via Láctea

Com a ajuda do observatório Very Long Baseline Array (VLBA), uma equipa de astrónomos conseguiu medir, pela primeira vez, a distância até ao magnetar XTE J1810-197, localizado na Via Láctea.  Os magnetares são um tipo de …

Detetado fator climático determinante para a propagação do coronavírus

Altas temperaturas combinadas com baixa humidade propiciam que as gotículas contaminadas com o novo coronavírus evaporem mais rapidamente, reduzindo a sua capacidade de infetar pessoas. De acordo com os cientistas, citados pelo canal estatal russo RT, …

Bayern Munique vence Sevilha e conquista a Supertaça Europeia

O Bayern Munique conquistou, esta quinta-feira, a Supertaça Europeia, ao derrotar o Sevilha por 2-1, em Budapeste, na Hungria. Os alemães do Bayern Munique conquistaram a Supertaça Europeia pela segunda vez ao derrotarem os espanhóis do …

Sporting 1-0 Aberdeen | "Leão" eficaz segue para o play-off

O Sporting foi eficaz e assegurou uma vaga no “play-off” de acesso à fase de grupos da Liga Europa. Na noite desta quinta-feira, num embate relativo à 3ª pré-eliminatória da competição, os “leões” bateram o Aberdeen …

A NASA descobriu uma nova forma de aterrar em segurança na Lua

A NASA construiu um sistema totalmente novo que pode tornar a aterragem na Lua e em Marte muito menos arriscada - e já tem planos de testá-lo numa missão futura. De acordo com o TechCrunch, o …

Rio Ave elimina Besiktas e está no play-off da Liga Europa

O Rio Ave venceu os turcos do Besiktas, esta quinta-feira, no desempate por grandes penalidades (4-2), após o 1-1 no tempo regulamentar, em jogo da terceira pré-eliminatória da Liga Europa, seguindo em frente na competição. Em …

Dois dinossauros morreram como as vítimas de Pompeia. Foi há 125 milhões de anos, na China

Um grupo de arqueólogos na China acabou de descobrir dois fósseis de uma nova espécie de dinossauro, que estiveram presos no subsolo por 125 milhões de anos devido a uma erupção vulcânica pré-histórica. Os investigadores …