Terapia com avatares reduz alucinações de esquizofrenia

King's College London

Um novo tratamento que utiliza um sistema de avatar para controlar as vozes tipicamente ouvidas por esquizofrénicos pode ser um novo aliado dos pacientes contra as alucinações da doença.

Segundo um novo estudo publicado na prestigiada revista científica The Lancet, as pessoas que receberam a terapia virtual tornaram-se menos angustiadas e passaram a ter alucinações com menos frequência do que as pessoas submetidas apenas ao tratamento convencional.

Um em cada quatro pacientes com esquizofrenia continua a ouvir vozes mesmo seguindo o tratamento convencional, com medicamentos e terapia cognitivo-comportamental.

A nova abordagem, desenvolvida por cientistas da Universidade College London e da King’s College London, ambas em Inglaterra, procura ensinar o paciente a enfrentar essa voz por meio de uma simulação virtual que personaliza a alucinação.

Na prática funciona assim: com a ajuda de um sistema de computador, o paciente cria um avatar com a voz – incluindo intensidade e tom – e a fisionomia que representa a que costuma ouvir em sua cabeça.

Durante a sessão, o terapeuta assume o controlo do avatar, e simultaneamente conversa com o paciente interpretando o avatar e desempenhando o seu papel profissional, numa conversa com três participantes.

No novo estudo, 150 pacientes que continuaram a ouvir as vozes por mais de um ano foram divididos em dois grupos: metade foi submetida a seis sessões da nova terapia e os outros 75 pacientes fizeram a mesma quantidade de sessões da terapia convencional.

Nas sessões com o avatar os pacientes eram encorajados a tomar o controlo da conversa e dizer coisas como “não te vou ouvir mais”. Dessa forma, o paciente aprende a tomar as rédeas da situação e enfrentar a voz, ao contrário do que acontece num momento de alucinação.

Os resultados mostraram que a nova abordagem foi duas vezes mais efetiva do que a terapia na redução da frequência das alucinações. “Após 12 semanas houve uma melhora considerável em comparação com a terapia convencional. Com a ajuda de um avatar, os pacientes estão a aprender a confrontar e ter resposta do confronto, o que muda a ideia de que a voz está no comando”, disse Tom Craig, principal autor do estudo, à BBC.

Entretanto, após 24 semanas os pacientes de ambos os grupos apresentaram os mesmos níveis de melhora. Segundos autores, esse resultado sugere que a terapia avatar precisa de ser frequentemente reforçada para uma recuperação a longo prazo.

De acordo com Robin Murray, professor do Instituto de Psiquiatria do King’s College London, a nova descobreta pode trazer uma nova e importante abordagem ao tratamento para a esquizofrenia. “Se uma intervenção inteiramente psicológica, como a terapia avatar, pode produzir tal melhora, precisamos repensar a maneira como conceptualizamos as alucinações auditivas”.

Por outro lado, para Stephen Lawrie, diretor de psiquiatria da Universidade de Edimburgo, mais pesquisas são necessárias para comprovar o efeito do novo tratamento. “É necessário um estudo mais aprofundado para replicar esses resultados, estabelecer o papel desse tratamento em relação a outros, como a terapia cognitivo-comportamental, e esclarecer qual deles tem maiores benefícios”.

// Move

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O Lamborghini mais potente acelera dentro de água. É um iate com 4.000 cavalos

O resultado da primeira colaboração entre a a Lamborghini e os especialistas da Tecnomar é um iate de luxo, com 4.000 cavalos que recria a sensação de condução de um superdesportivo dentro de água. O mais …

Aproxima-se o lançamento do rover Perseverance

O rover Perseverance da NASA está a menos de um mês da data de lançamento prevista para 20 de julho. A missão de astrobiologia do veículo vai procurar sinais de vida microscópica passada em Marte, explorar …

Benfica 3-1 Boavista | Águias põem fim a quarentena caseira

O Benfica venceu na noite deste sábado o Boavista, naquele que foi o primeiro triunfo caseiro após a retoma da Liga. Poderá ter sido a redenção das águias? Após ter somado apenas dois triunfos, quatro desaires …

Cortina do abraço permite às famílias reencontrar os familiares num lar de São Paulo

Abraçar, tocar e até dançar. Uma cortina do abraço permite que filhos visitem seus pais residentes numa casa de repouso em São Paulo. O empresário Bruno Zani, autor da criação, pretende agora colocar a cortina …

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas com os amigos

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas não só com as suas progenitoras mas também com os seus pares, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido. De acordo …

Entre uma "história de recusas" e uma “opção clara” pelos interesses do grande capital

A líder do BE disse hoje que a legislatura do Partido Socialista tem sido a “história das recusas” tanto sobre um acordo no final das eleições 2019, seja na recusa dum Orçamento Suplementar para lá …

Homem morre nos Estados Unidos depois de receber mais de 50 choques taser na sua detenção

Dos agentes da polícia da cidade de Wilson, no estado norte-americano do Oklahoma, foram nesta quarta-feira acusados de homicídio em segundo grau pela morte de um homem durante a sua detenção. De acordo com o …

TESS fornece novas ideias sobre um mundo ultra-quente

Medições do TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA permitiram aos astrónomos melhorar bastante a sua compreensão do ambiente bizarro de KELT-9b, um dos planetas mais quentes conhecidos. "O factor de estranheza de KELT-9b é alto," …

Bill Gates elenca quatro pilares-chave para combater a pandemia

O co-fundador da Microsoft, Bill Gates, elencou quatro pilares que a sua fundação considera essenciais para combater a pandemia de covid-19, que já matou mais de 520 mil pessoas em todo o mundo. Segundo o norte-americano, …

Tesla já vale mais do que a Toyota, Disney e Coca-Cola

As ações da Tesla chegaram esta quarta-feira a um preço recorde de 1.120 dólares por ação, levando a empresa de Elon Musk a superar a cotação de mercado de grandes empresas como a Coca-Cola ou …