Ter menos filhos é a acção mais eficaz contra o aquecimento global

Um estudo publicado este mês na Suécia defende que ter menos filhos é a acção que pode ter mais impacto no combate às alterações climáticas.

Mas os autores do estudo, da Universidade Lund, recomendam este controle da natalidade apenas em países desenvolvidos, uma vez que nações como os EUA, por exemplo, são responsáveis por maiores emissões de carbono na atmosfera, pelo que teriam que fazer cortes mais drásticos para atingir “níveis seguros de emissões”.

De acordo com os termos do Acordo Climático de Paris, assinado em 2015, 195 países comprometem-se a limitar a média global de aumento da temperatura em menos de dois graus Celsius.

Para isso, cientistas estimam que até ao ano de 2050 o volume de emissões per capita não possa ultrapassar as 2,1 toneladas de carbono.

No estudo, publicado na quarta-feira na Environmental Research Letters, os investigadores Seth Wynes e Kimberly Nicholas afirmam que a redução não poderá ser obtida sem que as famílias ou indivíduos tenham um filho a menos – apesar de esta não ser a única medida recomendada.

Não estamos a sugerir que isso se torne lei, nem coisa parecida. Sabemos que a decisão de ter ou não filhos é talvez a maior que alguém pode tomar na vida, e que muitas pessoas não têm o clima no topo das suas preocupações. Vejo esta decisão mais como uma questão pessoal do que de política pública”, afirmou Nicholas em entrevista à BBC.

“O nosso estudo mostra o impacto que as decisões pessoais podem ter nos esforços de prevenção de alterações climáticas. É importante que as pessoas saibam destas coisas nas suas vidas – especialmente quando mostramos o impacto de acções como a reciclagem ou o uso de lâmpadas LED“, completa a especialista.

As conclusões são derivadas de análises e cálculos que, segundo os investigadores, levam em conta uma gama de acções individuais – das mais complexas, como o controle da natalidade, às mais simples, como a reciclagem de lixo.

Escolhas pessoais para reduzir a contribuição para as alterações climáticas

Escolhas pessoais para reduzir a contribuição para as alterações climáticas

Wynes e Nicholas concluem, por exemplo, que ter um filho a menos contribuiria para uma redução média de 58,6 toneladas de CO2 na atmosfera por ano, uma quantidade muito maior que as outras três principais alternativas recomendadas: viver sem carro (2,4 toneladas), evitar viagens de avião (1,6) e adoptar uma dieta vegetariana (0,8).

O impacto da opção de ter menos filhos teve como base de cálculo o total estimado de emissões dos filhos e demais descendentes divididos pela expectativa de vida dos pais.

A questão do crescimento populacional já faz parte dos debates sobre impacto humano no ambiente, e a semana passada um estudo publicado por investigadores da Universidade Stanford culpou os humanos pelo que classificou como “aniquilação biológica” – a extinção em massa de milhões de espécies por causa da superpopulação e do consumo.

Segundo Nicholas, não há um número “mágico” de filhos a ter ou evitar para obter um melhor resultado ambiental. Para Wynes, as características de desenvolvimento dos países deve ser levado em conta no cálculo.

No caso de um país em desenvolvimento, o consumo de carne e a quantidade de emissão per capita é muito inferior ao dos habitantes dos países altamente desenvolvidos. Por isso, as emissões são menores por pessoa e a diminuição no número de filhos não seria tão significativa.

“O nosso estudo limitou-se a avaliar as grandes oportunidades de redução individual de emissões em países em que há as maiores taxas per capita desse tipo de poluição. Naturalmente, escolher ter famílias menores tem um impacto menor num país em desenvolvimento”, diz Wynes.

“Nos países mais prósperos, o consumo de carne é mais alto, e isso aumenta o gasto de água, a necessidade de pastagens e também a libertação de gases, pelo que ter um membro a menos na família em países como os Estados Unidos é relevante para o meio ambiente”, acrescenta o investigador.

Além da redução do número de filhos, a adopção em massa de uma dieta baseada em vegetais é uma medida importante no combate ao aquecimento global, aponta Wynes.

“Queremos chamar a atenção para um factor que terá influência precisamente sobre o futuro das próximas gerações, que herdarão o mundo. E não mostramos apenas a questão populacional, mas também o impacto de uma dieta vegetariana e de uma vida sem carro. Elas também têm impacto positivo”, conclui Nicholas.

// BBC / Phys.org

PARTILHAR

RESPONDER

A inclinação de Saturno é provocada pelas suas luas (e vai aumentar)

Uma equipa de cientistas concluiu que a influência dos satélites de Saturno pode explicar a inclinação do eixo de rotação do planeta. Dois cientistas do CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique) e da Universidade Sorbonne, …

Marcelo. O que os portugueses querem (e o que não querem)

Num discurso de vitória após as eleições presidenciais deste domingo, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu uma postura de estado e começou por recordar as vítimas da pandemia de Covid-19 no seu pior dia de sempre …

Entre o "contributo singular" de João Ferreira e a "onda liberal" de Mayan, Marisa Matias assume derrota

Marisa Matias foi uma das grandes derrotadas da noite de eleições presidenciais, ficando-se pelo quinto lugar, atrás de João Ferreira, o candidato do PCP. Já Tiago Mayan Gonçalves ficou no sexto lugar, à frente de …

Ana Gomes aponta o dedo a Costa e à esquerda e diz que travou Ventura sozinha

Ana Gomes considera que a sua candidatura conseguiu travar "a progressão da extrema direita" quando os partidos de esquerda se preocuparam apenas com as suas "agendas políticas". No rescaldo da reeleição de Marcelo Rebelo de …

De diferentes cidades, mas com o mesmo nome. Quatro estranhos chamados Paul O'Sullivan formaram uma banda

A banda Paul O'Sullivan apresenta Paul O'Sullivan no baixo, guitarra, bateria e voz. Porém, não é uma banda de um homem só. Cada membro é um músico diferente com o mesmo nome: Paul O'Sullivan. "Uma noite, …

Ventura celebrou "noite histórica", demitiu-se do Chega e avisou o PSD

André Ventura começou por assinalar a "noite histórica" face aos resultados que obteve nas eleições presidenciais 2021. Mas como ficou em 3º lugar, atrás de Ana Gomes, anunciou a demissão do Chega. "Fiquei aquém dos 15% …

Região italiana da Lombardia esteve confinada durante uma semana por engano

A Lombardia, coração económico do norte de Itália, foi confinada e classificada como zona vermelha por engano durante uma semana, devido a estatísticas erradas sobre covid-19, e só ontem um decreto governamental retificou a situação. Devido …

Rio destaca "esmagamento da esquerda" e pede a Marcelo para ser "um bocadinho mais exigente"

"A marca mais forte" destas eleições presidenciais é "a derrota do PS". A análise é de Rui Rio, presidente do PSD, que fala do "esmagamento da esquerda" e da "vitória do candidato do centro", apelando …

Há uma nova explicação para o facto de bebés amamentados terem sistemas imunitários mais saudáveis

Um novo estudo realizado por investigadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, descobriu que o leite materno promove o crescimento de importantes células imunitárias que ajudam a controlar eventuais inflamações. De acordo com o site …

PS diz que Marcelo deve vitória aos socialistas (e cobra-lhe apoio em tempos difíceis)

"A democracia venceu na primeira volta e o extremismo de direita foi derrotado". É desta forma que o presidente do PS, Carlos César, comenta os resultados das eleições presidenciais ganhas por Marcelo Rebelo de Sousa, …