Ter menos filhos é a acção mais eficaz contra o aquecimento global

Um estudo publicado este mês na Suécia defende que ter menos filhos é a acção que pode ter mais impacto no combate às alterações climáticas.

Mas os autores do estudo, da Universidade Lund, recomendam este controle da natalidade apenas em países desenvolvidos, uma vez que nações como os EUA, por exemplo, são responsáveis por maiores emissões de carbono na atmosfera, pelo que teriam que fazer cortes mais drásticos para atingir “níveis seguros de emissões”.

De acordo com os termos do Acordo Climático de Paris, assinado em 2015, 195 países comprometem-se a limitar a média global de aumento da temperatura em menos de dois graus Celsius.

Para isso, cientistas estimam que até ao ano de 2050 o volume de emissões per capita não possa ultrapassar as 2,1 toneladas de carbono.

No estudo, publicado na quarta-feira na Environmental Research Letters, os investigadores Seth Wynes e Kimberly Nicholas afirmam que a redução não poderá ser obtida sem que as famílias ou indivíduos tenham um filho a menos – apesar de esta não ser a única medida recomendada.

Não estamos a sugerir que isso se torne lei, nem coisa parecida. Sabemos que a decisão de ter ou não filhos é talvez a maior que alguém pode tomar na vida, e que muitas pessoas não têm o clima no topo das suas preocupações. Vejo esta decisão mais como uma questão pessoal do que de política pública”, afirmou Nicholas em entrevista à BBC.

“O nosso estudo mostra o impacto que as decisões pessoais podem ter nos esforços de prevenção de alterações climáticas. É importante que as pessoas saibam destas coisas nas suas vidas – especialmente quando mostramos o impacto de acções como a reciclagem ou o uso de lâmpadas LED“, completa a especialista.

As conclusões são derivadas de análises e cálculos que, segundo os investigadores, levam em conta uma gama de acções individuais – das mais complexas, como o controle da natalidade, às mais simples, como a reciclagem de lixo.

Escolhas pessoais para reduzir a contribuição para as alterações climáticas

Escolhas pessoais para reduzir a contribuição para as alterações climáticas

Wynes e Nicholas concluem, por exemplo, que ter um filho a menos contribuiria para uma redução média de 58,6 toneladas de CO2 na atmosfera por ano, uma quantidade muito maior que as outras três principais alternativas recomendadas: viver sem carro (2,4 toneladas), evitar viagens de avião (1,6) e adoptar uma dieta vegetariana (0,8).

O impacto da opção de ter menos filhos teve como base de cálculo o total estimado de emissões dos filhos e demais descendentes divididos pela expectativa de vida dos pais.

A questão do crescimento populacional já faz parte dos debates sobre impacto humano no ambiente, e a semana passada um estudo publicado por investigadores da Universidade Stanford culpou os humanos pelo que classificou como “aniquilação biológica” – a extinção em massa de milhões de espécies por causa da superpopulação e do consumo.

Segundo Nicholas, não há um número “mágico” de filhos a ter ou evitar para obter um melhor resultado ambiental. Para Wynes, as características de desenvolvimento dos países deve ser levado em conta no cálculo.

No caso de um país em desenvolvimento, o consumo de carne e a quantidade de emissão per capita é muito inferior ao dos habitantes dos países altamente desenvolvidos. Por isso, as emissões são menores por pessoa e a diminuição no número de filhos não seria tão significativa.

“O nosso estudo limitou-se a avaliar as grandes oportunidades de redução individual de emissões em países em que há as maiores taxas per capita desse tipo de poluição. Naturalmente, escolher ter famílias menores tem um impacto menor num país em desenvolvimento”, diz Wynes.

“Nos países mais prósperos, o consumo de carne é mais alto, e isso aumenta o gasto de água, a necessidade de pastagens e também a libertação de gases, pelo que ter um membro a menos na família em países como os Estados Unidos é relevante para o meio ambiente”, acrescenta o investigador.

Além da redução do número de filhos, a adopção em massa de uma dieta baseada em vegetais é uma medida importante no combate ao aquecimento global, aponta Wynes.

“Queremos chamar a atenção para um factor que terá influência precisamente sobre o futuro das próximas gerações, que herdarão o mundo. E não mostramos apenas a questão populacional, mas também o impacto de uma dieta vegetariana e de uma vida sem carro. Elas também têm impacto positivo”, conclui Nicholas.

// BBC / Phys.org

PARTILHAR

RESPONDER

Bebés voltam a poder ser registados no hospital

No início da pandemia, o serviço "Nascer Cidadão" foi encerrado, Agora, mais de um ano depois, já é possível voltar a registar os bebés nos hospitais onde nascem. Os balcões "Nascer Cidadão" foram instalados há mais …

Fauci revela que uso de máscara está a ser revisto nos EUA para pessoas vacinadas

Anthony Fauci, conselheiro de saúde da Casa Branca, disse que os Estados Unidos estão a estudar a possibilidade de levantar a obrigatoriedade do uso de máscara para pessoas vacinadas contra a covid-19. Este domingo, Anthony Fauci …

Tratamentos de radioterapia em risco no IPO de Lisboa

Tratamentos de radioterapia no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa estão em risco devido à falta de profissionais. O IPO de Lisboa conta com sete aceleradores lineares, aparelhos sofisticados que obrigam à presença física de …

Presidente de associação solidária acusado de violar e escravizar mulheres em situações precárias

O presidente da associação "Paz no Coração" está a ser acusado por 60 crimes sexuais. Atualmente, encontra-se em prisão preventiva. Alfredo Marques Carvalho, líder da associação, acolhia vítimas de violência doméstica, atiradas para a rua com …

Sócrates sai em defesa de Vieira. Em Portugal, "prende-se primeiro e pergunta-se depois"

Em Portugal, "prende-se primeiro e pergunta-se depois", considera o antigo primeiro-ministro José Sócrates, num artigo de opinião publicado esta segunda-feira no qual reage às detenções de Luís Filipe Vieira e Joe Berardo. "Tudo igual, tudo igual, …

Thomas Daley: o ouro para quem sofreu muito

Bullying na escola, morte do pai, homossexualidade, incapaz de caminhar. Thomas Daley venceu uma prova de saltos para a água, em Tóquio, ao lado do também britânico Matty Lee. Surpresa nos saltos para a água, nos …

Depois de uma época dourada, Portugal cai sete lugares no ranking da inovação

A economia nacional caiu sete posições, naquela que é a primeira inversão na trajetória ascendente desde 2014. Apesar do recuo, Portugal melhorou em 18 dos 32 indicadores. A notícia, avançada esta segunda-feira pelo jornal Público, dá …

Mortes de crianças com covid-19 disparam na Indonésia. No Reino Unido aumentam casos graves entre jovens

Médicos britânicos alertaram para o aumento do número de crianças e jovens infetados com covid-19 a dar entrada nos hospitais, apelando à vacinação para não "sofrerem desnecessariamente" com a evolução da doença. "Os doentes estão a …

Empresa portuguesa arrisca multa por enviar ilegalmente resíduos de plástico para a Roménia

Uma empresa portuguesa foi apanhada a enviar resíduos de plástico para a Roménia sem cumprir os requisitos necessários para o fazer. Segundo noticia o Público, a Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento …

Marcos Freitas e Fu Yu brilham no ténis de mesa, Yolanda Sequeira avança no surf

Do ténis de mesa ao surf, a armada portuguesa em Tóquio tem estado em destaque. Marcos Freitas, Fu Yu e Yolanda Sequeira progrediram nas suas respetivas competições. O português Marcos Freitas apurou-se hoje para os oitavos …