“Imperdoável ofensa”. Marta Temido afirma que é preciso contratar médicos mais resilientes para o SNS

38

Tiago Petinga / Lusa

Esta quarta-feira, Marta Temido disse na Assembleia da República que uma das soluções para colmatar a falta de médicos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) passava por contratar profissionais mais resilientes. Sindicatos contestam declarações.

A ministra da Saúde, que respondia a perguntas dos deputados durante uma audição da Comissão Parlamentar de Saúde sobre as “Dificuldades que o Centro Hospitalar de Setúbal (CHS) está a enfrentar”, disse que a “resiliência” deve ser um fator a ter em conta na contratação de profissionais de saúde. Na sua visão, trata-se de um elemento tão importante “como a competência técnica”.

Na audição, a ministra deixou também um alerta aos médicos que têm denunciado a falta de condições no CHS, lembrando que “a melhor forma de atrair recursos humanos é conquistá-los para projetos de trabalho e não passar uma imagem, ou intensificar uma imagem, de que a instituição vive enormes dificuldades e num clima de confronto”.

No entanto, estas declarações não caíram da melhor forma aos Sindicatos.

Em comunicado, o Sindicato Independente dos Médicos destaca que as declarações de Marta Temido “mais do que ultrapassaram qualquer linha vermelha que pudesse ter sido traçada”, cita o Público.

Acrescenta ainda que “afirmar que têm de ser contratados médicos mais resilientes é uma imperdoável ofensa que os médicos portugueses, exaustos por centenas de horas extraordinárias (já agora, sendo obrigatórias… em exemplo não reproduzível em toda a administração pública) não mais perdoarão e esquecerão”, pode ler-se no comunicado.

O sindicato refere ainda que as horas extraordinárias para os médicos do SNS são obrigatórias, algo que não acontece em toda a administração pública, e pede para estes profissionais “uma remuneração base digna”, que condiga “com a sua responsabilidade, com a sua diferenciação, com a penosidade do seu trabalho”, transcreve o Observador.

Também Paulo Rangel, candidato à liderança do PSD, fez duras críticas à posição da governante. “Estou escandalizado, chocado até, com as declarações da ministra da Saúde”, disse, de acordo com o jornal Expresso, num evento com militantes em Santarém.

O social-democrata classificou ainda o discurso da ministra como “infantil” e defendeu os médicos, que diz estarem a “acumular horas extraordinárias”.

  ZAP // Lusa

 

 

38 Comments

    • Por acaso, acho que por todas a razões do Mundo que pudesse ter – e não tem! – não deveria ter dito – em público, pelo menos! – o que disse!
      Além do mais com uma pandemia às costas – e até admito que um ou outro médico seja preguiçoso, como em todas as profissões – esta altura era a pior para ter proferido o que proferiu!
      Mais! Uma verdadeira imbecilidade!! E não não sou médico nem trabalho na saúde, mas se não era altura para dizer o que disse era esta…

      • Por acaso tem, disse aquilo que a maioria, se não a totalidade da população pensa, mas cobardemente não diz, em virtude da chantagem com a pandemia que atravessamos, infelizmente um doente numa consulta medica, ou a ver um Medico na Televisão, tem duvidas se é um Medico, se um Politico Partidário, um Agente Hospitalar; Seguro. ou Laboratorial, mas a tratar da saúde não é de certeza.

        • Oh Fa, deixe-se de mesquinhez e ressabiamentos e dê valor a quem nos trata quando vamos ao hospital à rasca com qualquer coisa.
          Tenho a certeza que, nem você nem esta ministra, são obrigados por lei a fazer horas extraordinárias nem trabalham por turnos de 10, 14 e, por vezes, até 24h.
          Tenha alguma decência.

          • Coitadinhos dos Médicos que não fazem nada, quem precisa deles é que sabe, deixem passar a Pandemia que acabará a chantagem, andaram os Portugueses a investir na formação de Médicos, para agora em vez de ter Médicos tem Políticos.

    • A Senhora, Meritíssima Ministra da Saúde, sem querer foi a voz do Povo, disse aquilo que toda a gente diz, disse o que se ouve à boca cheia nos centros de saúde nos Hospitais, nos transportes.

  1. Esta senhora só tem feito disparates na gestão da coisa publica. Exige tudo mas não quer dar nada. Não é assim que se conquista a classe… ainda tem muito para aprender.

    • A Melhor Ministra que alguma vez tivemos, uma mulher combater com meia dúzia de homens Políticos à frente dos serviços de saúde a boicotar o País, é obra, uma mulher de tomates, a senhora Fugiu-lhe a boca para a verdade, disse aquilo que todos os Portugueses dizem e pensam

        • Basta ver o que fizeram os Ministros do PSD, um deles acho que está preso ou perto disso, e o que tem feito esta Ministra no meio de uma Pandemia, mesmo com a irresponsabilidade de boicote politica e partidária do Presidente da Ordem dos Médicos ao serviço elemento do PSD dificultando a proteção á saúde dos Portugueses, á Hospitais que mais parecem delegações do PSD, mas na hora os Portugueses vão provar que não são cegos..

  2. Pela “n”esima vez “cospe no prato onde mata a fome”… e quer “isto” ascender a PM…!
    Em Portugal nao me admira nada… é só lançar uns rebuçaditos ao ar nas campanhas eleitorais e fica garantida a “cruzinha” dos imbecis que se vendem por um rebuçado e pelos ingratos que nao cumprem o dever civico de votar.

  3. Eu também acho que é preciso sermos todos resilientes para aguentar a mediocridade desta governante em particular e do governo em geral.

  4. Limito me a transcrever a aquilo que, de facto, a srª ministra disse e não aquilo que os jornaleiros escreveram, truncando o essencial

  5. Muito “resilientes” são, os Utentes que precisam de recorrer ao SNS, com atendimentos fora de normas. Já agora, mais resilientes deveriam ser os Governantes !

    • Os médicos não são resilientes, fazem o mínimo do serviço, e o máximo para obstaculizar o serviço, eu acabava com o SNS e punha os médicos e enfermeiros todos sujeitos á merce da saúde privada.

  6. Quando aumentar um bom bocado os salário desses Srs depressa a resiliência aparece.
    Agora a verdade é que não se entende que um Juiz ganhe muito mais do que um médico, quando este limita-se a proclamar a sentença de determinado individuo que certa ou errada as consequenciais são nulas.

    • Não se entende porque um medico deva ser diferente de um Chapeiro, um Mecânico, um carpinteiro, já entendo que um qualquer técnico de qualquer atividade deva ser superior aos médicos e Enfermeiros, os Médicos custaram uma fortuna aos contribuintes para depois terem comportamentos ignóbeis, um artista de qualquer atividade não custou á sociedade um cêntimo e continua a laborar em prosperidade de Portugal ao contrario dos Senhores doutores a fazerem Politica partidária.

  7. Concordo plenamente com esta tipa.
    Se é para destruir, que seja de vez.
    Tal como acontece em tantos outros sectores. Mete-se uns que nunca perceberam nada ,nem querem, do assunto. Mistura-se um caldo de aldrabice e no fim culpa-se os que percebem por a coisa não dar.
    Que é como quem diz – Planta-se umas batatas e no fim achamos mal não nascerem umas cenouras.

    • Eu acabava com o SNS rapidamente e deixava os Médicos e Enfermeiros deitados aos Lobos da Saúde Privada, já que a Barbaridade dos impostos que os Portugueses pagaram para formar Médicos e Enfermeiros apenas serviu para formar imorais e partidários de Politicas.

      • Tenho pena de si. Pelas respostas infantis que se dedicou a responder a toda a gente cheguei a duas conclusões principais.
        1ª Vive no país rosa , tipico dum xuxialistasito.
        2º Anda a ver se consegue passar á frente nas listas de espera para fazer uma lobotomia.

        É que o problema dos portugueses é o terem-se começado a aperceber, que o defeito da saúde em Portugal não se prende com os profissionais da saúde (não são só os médicos que o compoem) , mas sim com as mudanças de (des)funcionamento que foram sendo implementadas.
        Quanto ao PSD e aos privados lhe digo o seguinte:
        -PSD é sempre o culpado de tudo quando vocês fazem caca.
        -Os PRivados são o resultado mais da vossa incompêtencia do que qualquer outra coisa.

        • Eu não tenho pena de si, como imaginei faz parte da cambada política que tolhe o desenvolvimento de Portugal, da Saúde dos Portugueses, não tenho nada a ver com Rosas azuis Vermelhos ou laranjas, sou livre, senhor das minhas ideias, não estou acorrentado a nenhuma ideologia, o que me dá o direito de contestar todos os malandros da sociedade, e me insurgir contra uma classe que para a formar custou muito dinheiro aos contribuintes, para agora se dedicarem a uma autêntica Chulisse.

  8. Resilientes somos os médicos e enfermeiros do SNS deste país, em suportar a incompetência, incapacidade e trapaceirice desta ministra e de quem a sustenta no seu posto. Trabalhar no SNS nas condições e com os salários que médicos e enfermeiros auferem, sem qualquer incentivo financeiro, com horas e horas extras pagas indignamente, e sem qualquer respeito da tutela, são a prova da dedicação, entrega e resiliência destes profissionais. Se a ministra tivesse chegado onde chegou por mérito ou competência, ainda poderia merecer respeito, mas a sua carreira ascendente de gabinete, e não de trabalho, foi apenas devido ao “empurrão” do seu marido. Assim, tenha pelo menos decência para com pessoas que fizeram estudos, e uma carreira de trabalho duro, mas orgulhosos da sua actividade diária e com a consciência tranquila do dever cumprido e da sua utilidade aos doentes. O país pode viver sem ministra, mas não sem médicos ou enfermeiros

    • Muito bem posto! Nesta democracia em implosão, tudo o que mais importa na vida implode também a olhos vistos: saúde, ensino e condições de trabalho dignas para todos. Com os desgovernos sucessivos de todos os partidos que foram eleitos para governar, assim se destrói a vida e o futuro de 3 gerações simultâneamente: os reformados, os trabalhadores activos e as crianças que um dia irão sustentar o país.

    • A Senhora Ministra Meritíssima não pode dizer por ser ministra da malandragem, toda a gente se dobra perante gente que não merece respeito, mas que chantageia a comunidade e os representantes do Povo, esquisito é tantos revolucionários, tanta gente do contra tudo, tantos comunistas que se dizem defender os desgraçadinhos, os pobres, os abandonados e ninguém, não aparece uma pessoa dessas valentes, corajosas, a chamar os bois pelos nomes, e dizer as verdades que cobardemente todos sabem e omitem, quando se fala com um medico não se sabe se está a falar com um agente politico partidário, com um agente de serviços hospitalares ou laboratoriais, ou outra coisa qualquer, dificilmente se acredita que uma consulta medica seja apenas uma consulta medica, ao que isto chegou.

      • Óh Fa, outra vez na mesma tecla?! Afinal já percebi que tem mesmo é débito de inteligência.
        Então vamos lá fazer um exercício:
        – Diz que a maioria da população pensa da mesma maneira que a/o Fa e esta ministra (e o seu Chefe também, que lhes chamou cobardes, mas este cobardemente em off); então comparando a população com os comentaristas aqui deste canal, tal como são feitas as sondagens, vejo muito mais críticas contra a ministra do que a favor, como você…

    • Quem sabe se os Médicos e Enfermeiros são ou não resilientes são os Utentes e a Opinião publica generalizada está em conformidade com a Senhora Ministra, a Senhora disse aquilo que os portugueses queriam dizer mas que não tem voz, se eu fosse governo atirava-os todos para o serviço de saúde privado, os Portugueses investiram com sacrifício na formação de Pessoal de Saúde e saiu-lhes uma camada de políticos imorais.

    • A Senhora Ministra disse sem querer aquilo que a Sociedade pensa, e que gostaria de dizer se tivesse acesso à comunicação social, infelizmente a sociedade pagou com muito sacrifício formação de Médicos que resultou numa cambada de políticos da Chulisse em vez de Médicos.

  9. A Senhora Ministra Meritíssima não pode dizer por ser ministra da malandragem, toda a gente se dobra perante gente que não merece respeito, mas que chantageia a comunidade e os representantes do Povo, esquisito é tantos revolucionários, tanta gente do contra tudo, tantos comunistas que se dizem defender os desgraçadinhos, os pobres, os abandonados e ninguém, não aparece uma pessoa dessas valentes, corajosas, a chamar os bois pelos nomes, e dizer as verdades que cobardemente todos sabem e omitem, quando se fala com um medico não se sabe se está a falar com um agente politico partidário, com um agente de serviços hospitalares ou laboratoriais, ou outra coisa qualquer, dificilmente se acredita que uma consulta medica seja apenas uma consulta medica, ao que isto chegou.

      • A Senhora Ministra tem mostrado ser uma Senhora com um S muito grande não se subjugando ao Poder enorme do conjunto poderoso dos Hospitais Clinicas Laboratórios Privados com lacaios todos os dias na comunicação Social onde investe o máximo, e nas redes sociais.

    • Eu acabava com o serviço Nacional de saúde, deixava a classe de Saúde entregue aos Lobos da saúde Privada, já que o esforço dos contribuintes para pagar formações apenas serviu para formar políticos partidários e imorais.

  10. A Senhora Ministra Meritíssima disse aquilo que os Portugueses pensam e gostariam de dizer, defraudados com o investimento feito para pagar doutoramentos, e acabou por produzir Políticos Partidários, imorais, e irresponsáveis, uma classe sem classe.

  11. Esconder-se atrás de Fa ou Ré ou Si , e não se identificar, apenas traduz cobardia que a mim apenas mete Dó. Se acha que a ministra tem razão, então não merece o SNS, os médicos e os enfermeiros que tem, e o que estes têm feito e fazem por pessoas como Fa, ou seja, de pessoas que não se assumem, nem às suas posições, e que apenas debitam opiniões não fundamentadas, pela sua ignorância das coisas. Que o SNS não funciona bem, é sabido. Mas apesar de tudo ( e dos privados) de que Fa e outras notas musicais têm medo, continua a ser um dos melhores SNS do mundo, segundo as avaliações e “rankings” internacionais. Se os utentes (versão moderna importada pelos gestores políticos, dos tradicionais doentes) é porque realmente não estão doentes, mas resolvem sobrecarregar os hospitais apenas como utentes. Deviam ver os SNS inglês, holandês, ou outros, antes de se queixarem.! E informar-se antes de se expressarem e emitirem opiniões, incógnitos!

    • Não o conheço, é o que disse é simplesmente estúpido.
      Não tem nem como comparar o sistema de saúde belga ou holandês com o que acontece em Portugal.
      Já fui atendido pelos três, e deixe que lhe diga que por exemplo por alguma razão não existem salas de espera nas triagens e entradas, pois somos recebidos assim que fazemos a inscrição.
      Quartos com apenas 2 camas por quarto e que em troca de um seguro de 13 euros por mês, tem um quarto para si mesmo, hospitais modernos, limpos.
      É a grande diferença e sermos visto como pessoas e não trabalho obrigatório.
      Se não conhece a realidade destes países, não fale sem conhecimento, pois não existe comparação possível.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.