Supernova explodiu muito perto da Terra há 2,5 milhões de anos

M. Kornmesser / ESO

Impressão de artista que mostra poeira a formar-se no ambiente em redor de uma explosão de supernova.

Físicos da Universidade Técnica de Munique (TUM) encontraram provas inequívocas de que uma supernova explodiu muito perto da Terra há cerca de 2,5 milhões de anos.

Uma equipa de cientistas da Universidade Técnica de Munique (TUM), na Alemanha, encontrou provas de que uma supernova explodiu muito perto do nosso planeta há 2,5 milhões de anos. A “prova do crime” não foi encontrada no Espaço, mas sim em depósitos de sedimentos no fundo do mar, avança o Science Daily.

Quando uma estrela “fica sem combustível”, isto é, quando esgota todo o hidrogénio que sustenta a fusão nuclear, transforma-se numa supernova que entra em colapso e explode, libertando em frações de segundo mais energia do que o total já produzido pelo Sol.

Os cientistas costumam dizer que as supernovas representam “o princípio e o fim”, já que, ao mesmo tempo que marcam o fim da vida de uma estrela, os elementos químicos produzidos durante a explosão são espalhados pelo Universo, “semeando” outras estrelas e planetas.

Além destes elementos químicos, as supernovas também emitem uma grande quantidade de radiação – na forma de luz visível, raios-X e ultravioleta – que pode ter consequências graves para qualquer biosfera.

A equipa de físicos, liderada por Gunther Korschinek, analisou as crostas de ferromanganês, um mineral produzido pela acumulação de sedimentos compostos por óxidos de ferro e manganês no fundo do mar.

Os cientistas encontraram um isótopo de ferro chamado Ferro-60 (60Fe), uma das substâncias produzidas por uma supernova. Este elemento tem uma “meia vida” de 2,6 milhões de anos, tempo após o qual decai e se transforma em níquel.

No entanto, esta substância não é exclusiva das supernovas, pelo que os cientistas concentraram as suas atenções noutro elemento: Manganês-53 (53Mn). Este sim, só pode ser produzido por uma supernova.

Uma pequena quantidade de Manganês-53 é depositada regularmente na Terra, mas encontrar mais do que a quantidade normal seria sinal da presença de uma supernova – e foi exatamente o que a equipa encontrou durante a análise das crostas de ferromanganês.

Os investigadores usaram um espectrómetro de massas com acelerador para contar a quantidade de átomos individuais na amostra, uma técnica que permitiu também saber que esta estrela teria uma massa entre 11 e 25 vezes a massa do Sol.

Segundo o artigo científico, publicado na Physical Review Letters, a estrela estava demasiado distante da Terra para gerar uma extinção em massa, mas terá “atingido” o nosso planeta com raios cósmicos.

Segundo Thomas Faestermann, coautor do estudo, estes raios podem aumentar a formação de nuvens. Por esse motivo, pode haver uma relação com as “eras do gelo” do período Pleistoceno, que começou há 2,6 milhões de anos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estudam a presença de água líquida em exoluas de planetas "fugitivos"

Astrofísicos calcularam que tais sistemas poderiam abrigar água suficiente para tornar a vida possível - e sustentá-la. A água - no estado líquido - é o elixir da vida. Tornou a vida possível na Terra e …

Portugal tem o segundo melhor ataque do Euro. E a terceira pior defesa

Fechada a segunda jornada da fase de Grupos do Euro 2020, a seleção nacional tem o segundo melhor ataque da prova, com 5 golos marcados, atrás apenas da Itália. Mas tem também a terceira pior …

Espanha 1-1 Itália | Hino ao desperdício trama La Roja

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, empatou hoje a um golo com a Espanha, em Sevilha, em encontro da segunda jornada do Grupo E do Euro2020, mantendo-se ambas sem vitórias. A formação espanhola, que …

Já pode ajudar a NASA a batizar o manequim que vai até à Lua

A agência espacial norte-americana está a pedir ajuda para batizar o "Moonikin", o manequim que vai a bordo da nave Orion, durante a missão lunar Artemis I, ainda este ano. Quando a nave espacial Orion, da …

Portugal em Europeus: as últimas três derrotas foram (todas) contra a Alemanha

Em 90 minutos, Portugal não era derrotado numa fase final de um Europeu desde a estreia no Europeu 2012. Recorde as seleções que bateram Portugal, até agora. "Já não posso ver os franceses à frente". Esta …

Spotify lança Greenroom (e abre concorrência ao Clubhouse)

O Spotify lançou na quarta-feira, dia 16 de junho, uma app de conversas por áudio em direto chamada Greenroom, uma resposta do gigante sueco de streaming de música à popular plataforma Clubhouse. O Greenroom permite que …

"Médicos de árvores" em Singapura ajudam a preservar os seus pacientes gigantes

Arboristas como Eric Ong são responsáveis pelo bem-estar das milhares de árvores em Singapura. O seu trabalho é essencial para a preservação da natureza. A Singapura é uma cidade-estado insular situada ao sul da Malásia, com …

Novo primeiro-ministro de Israel dá 14 dias a Netanyahu para deixar residência oficial

O novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Benet, deu duas semanas ao antecessor Benjamin Netanyahu para abandonar a residência oficial do chefe de Governo, em Jerusalém, segundo adianta hoje a imprensa local. Benet terá enviado na sexta-feira …

Ponte inca com mais de 500 anos é reconstruída após cair durante a pandemia

Peruanos da comunidade Huinchiri, localizada na região de Cusco, estão a reconstruir uma ponte inca com 500 anos. Esta foi feita a partir de técnicas tradicionais de tecelagem para criar uma passagem sob o Rio …

Portugal 2-4 Alemanha | Reality check ao plano do engenheiro

A seleção portuguesa de futebol, campeã em título, caiu hoje para o terceiro lugar do Grupo F do Euro2020, ao perder por 4-2 com a Alemanha, em encontro da segunda jornada, disputado no Allianz Arena, …