Steve Bannon deve ser investigado por envolvimento no ataque ao Capitólio, indica Comissão responsável

Martin Divisek / EPA

Steve Bannon, ex-conselheiro do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Antigo conselheiro de Donald Trump foi aconselhado pelo antigo presidente e pela respetiva equipa de advogados a não colaborar com a comissão especial designada para investigar os ataque.

A Comissão responsável por investigar o ataque ao Capitólio norte-americano de 6 de janeiro sugeriu que Steve Bannon, antigo concelheiro de Donald Trump e frequentemente associado à extrema-direita, deve ser ouvido no âmbito da investigação criminal ao ataque, depois de este já se ter recusado a testemunhar perante este organismo — que aprovou a determinação de forma anónima.

A recomendação deverá seguir, agora, para a Câmara dos Representantes, câmara baixa do Senado, que é controlado por uma maioria democrata. Espera-se que os representantes democratas aprovem a recomendação e que a comissão possa, assim, prosseguir com o testemunho em sede de tribunal, onde será ouvido por não colaborar com a investigação.

“É essencial que tenhamos o testemunho completo e factual do Sr. Bannon para conseguirmos chegar a uma responsabilização dos atos de violência que ocorreram no dia 6 de Janeiro e as suas causas“, explicou Bennie Thompson, presidente da Comissão. “O Sr. Bannon vai colaborar com a nossa investigação ou vai enfrentar as consequências. Não podemos permitir que alguém se intrometa no trabalho da Comissão designada quando estamos a trabalhar para apurar os factos. Os riscos são demasiado elevados.”

Esta postura, considerada mais agressiva, por parte dos membros da Comissão está a ser encarada como uma espécie de aviso para os oficiais da Administração Trump (e outros contactos), no sentido de que mostrar que desafiar as ordens de testemunho será uma atitude com graves consequências associadas, lembra o The Guardian. Para além de Bannon, também Mark Meadows, chefe do staff da Administração de Trump, Dan Scavino, vice de Meadow, e Kash Patel, funcionária do departamento da Defesa, foram convocados pela Comissão para testemunhar.

Bannon recebeu, no entanto, ordens do antigo presidente republicano e dos seus advogados para ignorar a convocatória na totalidade. Os restantes oficiais ligados a Trump não se recusaram a colaborar, mas estão a negociar o cariz e o grau da participação.

No caso de Bannon, a sua recusa pode despoletar consequências impactantes para o que é tido como um símbolo da extrema-direita no país. Quando a recomendação for aprovada na Câmara dos Representantes (o que tudo indica que vai acontecer), o processo será deverá ser transferido pelo departamento da justiça para o procurador-geral do distrito de Columbia, um requisito obrigatório antes de o processo ser apresentado a um juiz federal.

Caso a tentativa de apresentar Bannon à justiça seja bem-sucedida, esta pode resultar para o também radialista numa sentença de um ano de prisão, uma multa de 100 mil dólares ou nas duas em simultâneo — apesar de os democratas reconhecerem que nem a aplicação destas poderá resultar na colaboração de Bannon e a aplicação de penas, com todos os recursos possíveis, a poder demorar anos.

De qualquer forma, Steve Bannon continua a ser considerada uma “pessoa de interesse” para a comissão de investigação devido à grande proximidade que tinha com Trump e com a sua equipa, o que indiciava um contacto quase constante, nomeadamente nas vésperas do ataque. Por esses dias, Trump, que havia perdido as eleições para Joe Biden, tentava implementar várias estratégias que lhe permitissem permanecer mais tempo na Casa Branco.

No dia anterior ao ataque, Bannon afirmou, no seu programa de rádio, algo como “todo o inferno vai soltar-se amanhã“, o que os representantes consideram que poderá ser um sinal de que o conselheiro de Trump pode ter estado efetivamente envolvido no ataque e na sua preparação.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.