Sismos em Marte podem revolucionar ciência planetária

Goddard Space Center / NASA

A partir do ano que vem, os cientistas terão o seu primeiro olhar das profundezas do interior de Marte.

É já este ano que a NASA planeia fazer pousar o primeiro veículo de aterragem robótico dedicado a explorar o subsolo do planeta. A missão InSight (Interior Exploration using Seismic Investigations, Geodesy and Heat Transport) vai estudar os sismos marcianos para aprender mais sobre a crosta, manto e núcleo marciano.

E poderá ajudar a responder a uma grande questão: como nascem os planetas?

A sismologia, o estudo dos tremores de terra, já revelou algumas das respostas aqui na Terra, afirma Bruce Banerdt, investigador principal da Insight no JPL da NASA em Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia.

Mas a Terra tem vindo a “misturar” o seu registo geológico durante milhares de milhões de anos, escondendo a sua história mais antiga. Marte, com metade do tamanho da Terra, é muito menos ativo: é um planeta fóssil, que preserva a história do seu nascimento.

“Durante a formação, esta bola de rocha sem características transformou-se num planeta diverso e fascinante, quase como uma lagarta numa borboleta”, comenta Banerdt. “Queremos usar a sismologia para descobrir por que Marte se formou desta maneira, e como os planetas tomam forma em termos gerais”.

Uma Tomografia Computorizada Planetária

Quando as rochas se quebram ou se movem, emitem ondas sísmicas que saltam por todo o planeta. Estas ondas, mais conhecidas como sismos, viajam a velocidades diferentes dependendo do material geológico pelo qual passam.

Os sismógrafos, como o instrumento SEIS da InSight, medem o tamanho, frequência e velocidade destes terramotos, fornecendo aos cientistas um instantâneo do material pelo qual passam.

“Um sismógrafo é como uma câmara que capta uma imagem do interior de um planeta”, explica Banerdt. “É um pouco como obter uma tomografia computorizada de um planeta”.

O registo geológico de Marte inclui rochas e minerais mais leves – que subiram do interior do planeta para formar a crosta marciana – e rochas e minerais mais pesados que afundaram para formar o manto e o núcleo.

Ao aprender mais sobre as camadas destes materiais, os cientistas podem explicar por que alguns planetas rochosos se transformam em “Terras” em vez de “Martes” ou “Vénus” – um fator essencial para entender onda a vida pode aparecer no Universo.

Uma imagem difusa

De cada vez que ocorre um sismo em Marte, a InSight obtém um “instantâneo” do interior do planeta. A equipa da missão estima que a plataforma estacionária registe entre duas dúzias até várias centenas de sismos durante a missão. Pequenos meteoritos, que passam pela fina atmosfera marciana regularmente, também servirão como “instantâneos” sísmicos.

“Ao início, será uma imagem desfocada, mas quantos mais sismos sentirmos, mais focada se torna”, acrescenta Banerdt.

Um desafio será obter uma visão completa de Marte usando apenas um local. A maior parte da sismologia na Terra obtém medições em várias estações. A InSight terá o único sismógrafo do planeta, o que exige que os cientistas analisem os dados de maneiras criativas.

“Temos que ser inteligentes”, salienta Banerdt. “Podemos medir como as várias ondas do mesmo sismo ressaltam e atingem a estação em momentos diferentes“.

Sismos Lunares e Marcianos

A InSight não será a primeira missão da NASA a fazer sismologia.

As missões Apollo levaram quatro sismógrafos para a Lua. Os astronautas fizeram explodir morteiros para criar vibrações, fornecendo um vislumbre até mais ou menos 100 metros abaixo da superfície. Fizeram colidir estágios superiores de foguetões com a Lua, produzindo ondas que lhes permitiram estudar a crosta. Também detetaram milhares de sismos lunares genuínos e impactos de meteoritos.

Os “landers” Viking tentaram fazer sismologia em Marte no final da década de 1970. Mas esses sismómetros estavam localizados no topo das plataformas de aterragem, que balançavam ao sabor do vento apoiados em pernas equipadas com amortecedores.

“Foi uma experiência imperfeita“, comenta Banerdt. “Costumo brincar e dizer que não fizemos sismologia em Marte – fizemo-la 60 centímetros acima de Marte“.

A InSight medirá mais do que sismologia. O efeito Doppler do sinal de rádio do “lander” pode revelar se o núcleo do planeta está ainda fundido. Uma sonda autoescavadora está desenhada para medir o calor do interior. Sensores de vento, pressão e temperatura vão permitir que os cientistas subtraiam o “ruído” vibracional provocado pelo clima. A combinação de todos estes dados dar-nos-á a imagem mais completa, até agora, de Marte.

// CCVAlg

PARTILHAR

RESPONDER

Coimas a banqueiros arrastam-se em tribunal. Maioria acaba prescrita

Dez gestores bancários acumulam multas de 16,8 milhões de euros, um montante que iguala todas as coimas decididas pela CMVM a bancos em 15 anos. Dez antigos gestores bancários acumulam coimas de quase 17 milhões de …

O nojo pode levar a pensamentos e sentimentos religiosos

Um novo estudo revela que o sentimento de nojo pode estar na base de pensamentos religiosos. O medo de Deus e do pecado mostrou ser maior em pessoas que se enojavam mais facilmente. Mesmo as pessoas …

"Os pássaros não são estúpidos". Secretário de Estado desvaloriza críticas a aeroporto do Montijo

Os ambientalistas têm alertado que dezenas de milhares de aves de médio e grande porte cruzam-se na zona de proteção especial do estuário do Tejo, junto ao local onde será construído o novo aeroporto do …

Acusado de racismo e sexismo, conselheiro político de Boris demite-se

Andrew Sabisky, conselheiro direto do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, demitiu-se esta segunda-feira, depois de ser acusado de racismo e sexismo pelo próprio Partido Conservador por causa de declarações suas no passado. Em causa estão declarações feitas …

"Impressora de pele" promete ajudar na cicatrização de queimaduras

Uma nova impressora 3D portátil é capaz de depositar "folhas de pele", umas sobre as outras, e criar um curativo biológico para cobrir grandes queimaduras. A nova impressora 3D foi desenvolvida por uma equipa de investigadores …

"Made in Space". A primeira fábrica espacial vai começar a ganhar forma

Com o objetivo de construir coisas cada vez maiores no Espaço, uma empresa do Colorado, nos Estados Unidos, está a preparar-se para uma missão de demonstração de construção. A Blue Canyon Technologies vai fornecer a infraestrutura …

Asteróide que passou recentemente pela Terra não estava sozinho

Astrónomos descobriram que o asteróide 2020 BX12, que passou pela Terra na semana passada, era afinal um sistema binário de asteróides. Estamos a falar do asteróide 2020 BX12, que passou a 4,3 milhões de quilómetros de distância da …

"Parasitas" vai ter uma série na HBO. E já são conhecidos dois nomes do elenco

A produção sul-coreana de Bong Joon Ho, especialmente condecorada pela Academia, merece agora uma adaptação para a televisão pelas mãos da HBO. A série televisiva de "Parasitas" foi anunciada em janeiro e a produção está encarregue …

O carregador do seu smartphone é mais potente do que o computador da Apollo 11

Não restam dúvidas de que a informática deu um passo gigante em termos de evolução nos últimos 50 anos. Agora, um engenheiro de software descobriu que até mesmo o carregador do seu smartphone é mais …

Tribunal suspende construção da Gigafactory na Alemanha

Um tribunal alemão ordenou à Tesla, este domingo, a suspensão das obras da sua fábrica "Gigafactory" por questões ambientais. Em novembro do ano passado, Elon Musk, presidente executivo da Tesla, anunciou que a Alemanha tinha sido …