Serena Williams perde a cabeça, culpa sexismo e ofusca estrela em ascensão

Jason Szenes / EPA

Serena Williams foi multada em quase 15 mil euros, depois de ter recebido três advertências do árbitro português Carlos Ramos na final do US Open, frente à japonesa Naomi Osaka – uma nova campeã em ascensão, que saiu ofuscada pela intempestividade da adversária.

Serena Williams está, indiscutivelmente, na ordem do dia. A tenista norte-americana, uma das mais vitoriosas tenistas da história deste desporto e por muitos considerada a maior tenista de sempre, voltou a dar que falar depois de ter defrontado a final do US Open, frente à japonesa Naomi Osaka.

O encontro polémico colocou frente-a-frente uma super-campeã poderosíssima no mundo do ténis profissional e uma jovem talentosa com apenas 20 anos. Se muitos esperavam uma partida emocionante entre duas excelentes jogadoras separadas pela reputação, Serena entrou a matar para mostrar que o que muitos esperavam ficava demasiado aquém daquilo que a tenista tinha para dar. E não falamos apenas de desporto.

Que Serena pisou o court com uma atitude titânica, ninguém duvida. Aliás, grande parte das mãos de quem assistia à final feminina do Open dos Estados Unidos já se preparavam para aplaudir aquela que, provavelmente, é a maior jogadora de ténis de todos os tempos. Mas a caixinha de surpresas – mascarada de Serena Williams – voltou a surpreender-nos.

O primeiro set da partida foi totalmente dominado por Osaka (6-2), que atropelou Serena ao contrário do que muitos estavam à espera, aproximando-se assim do título de campeã. O ténis, incutido pelo pai, entranhou-se de tal forma na tenista que, aos 20 anos, ainda se nota à flor da pele.

Ainda assim, a timidez assumida que a idade lhe destina e a impotência da adversária que a comede, fez com que Naomi se posicionasse abaixo de Serena, ainda que a vitória do primeiro set tenha sido o aroma mais presente naquele momento. Já o olfato de Serena tornou-se insípido. Mais uma surpresa.

A super-campeã entrou no segundo set determinada, apesar de marcada pelos arranhões – ainda inofensivos – de Osaka. Foi aqui que Patrick Mouratoglou entrou em cena para desencadear o início de uma tempestade, da qual ninguém saiu ileso.

Mouratoglou, treinador de Serena Williams, fez manifestos sinais à jogadora que não passaram despercebidos a Carlos Ramos. O árbitro português acabou por presentear a tenista norte-americana com uma advertência.

E se Serena estava já incomodada com a vitória da inexperiente Osaka, o presente envenenado de Carlos Ramos só a aborreceu ainda mais.

O gesto do treinador pode até ter passado despercebido em campo, mas os olhos atentos de quem assistia à partida no conforto do sofá lá de casa não deixaram escapar esse “pequeno” deslize proibido. No fundo, Osaka esmagava Serena, Mouratoglou tentou salvar o seu prodígio com indicações que, por terem sido demasiado notórias, acabaram por prejudicar a super-campeã.

Atento, Carlos Ramos não deixou escapar e advertiu a norte-americana por receber instruções do seu treinador (“coaching“). Serena negou ter feito “batota”, mas as palavras da desportista só tornavam o jogo constrangedor e ainda mais difícil de assistir.

Ver alguém fazer uma tempestade dentro de um copo de água e negar aquilo que os nossos olhos viram, revolta: ainda para mais se esse alguém se chamar Serena Jameka Williams.

Estás a ofender o meu caráter e deves-me um pedido de desculpas. És um mentiroso. Nunca mais vais arbitrar um encontro meu na vida. Pede-me desculpa. Tu roubaste-me um ponto e és um ladrão também“, atirou Serena, claramente magoada não com a advertência, mas com a majestosa raqueta da adversária.

A raiva parece ter despertado Williams, que, ainda mais motivada, quebrou o serviço da adversária para 3-1 – o único break-point que Osaka perdeu dos 22 que enfrentou nas últimas três rondas do Open (seis na final).

No entanto, o combustível de Serena acabou e duas duplas-faltas contribuíram para o break de Naomi Osaka. Irritada, Serena acabou por descarregar na raqueta, violando (pela segunda vez) o código de conduta (“racquet abuse“). Como, ao que parece, não tinha percebido que tinha levado uma advertência anteriormente, desatou a reclamar com o árbitro. O resultado foi a perda do primeiro ponto do sexto jogo.

Serena protestou, protestou e voltou a protestar, mas acabou por ceder o quarto break. Na troca de campo após o 3-4, já o pesadelo se aproximava do fim, a tenista continuou a lançar fortes acusações a Carlos Ramos, chamando-lhe de “mentiroso” e “ladrão“. Essas acusações colocaram a integridade do árbitro em causa, que não teve outra opção senão aplicar-lhe uma nova violação do código de conduta (“verbal abuse”).

Feitas as contas, a terceira advertência resultou num castigo proporcional: um jogo de penalização. Osaka passou assim a liderar por 5-3 e, dois jogos depois, serviu para fechar com glória o encontro.

Naomi Osaka sagrou-se campeã, mas Serena Williams assombrou a sua primeira vitória no Grand Slam. A jovem chorou, mas não de felicidade: Osaka esmagou Serena no 1.º set, num momento em que sagrar-se campeã nunca esteve tão perto de se tornar realidade.

Quando finalmente se tornou real e subiu ao maior court de ténis do mundo para receber a taça, viu o seu esforço ser recompensado com o drama de Serena. E, como se não bastasse, foi assobiada.

A vitória da jovem japonesa foi ofuscada por Serena Williams, que se queixou da “decisão sexista” do árbitro português. “Ainda não tive tempo de digerir tudo isto. Foi uma decisão sexista, eu não fiz batota. Esse árbitro nunca infligiu este tipo de penalidade a um homem que o tenha chamado de ladrão”, acusou.

Serena pegou ao colo num argumento sem nexo, reciclando uma luta antiga no ténis: a igualdade de género. Todavia, o que a tenista ignorou foi o facto de todas as infrações terem sido flagrantes, visíveis e audíveis para as 24 mil pessoas presentes no Estádio Arthur Ashe, em Flushing Meadows, Nova Iorque, e para as milhões que assistiam ao drama através da televisão.

Fonte ligada à modalidade recordou ao Diário de Notícias que Carlos Ramos construiu a fama de “rigoroso”, independentemente de quem tem pela frente – seja mais poderoso, seja homem, seja mulher. “Ele já arbitrou as finais de todos os Grand Slam, da Taça Davis e da Fed Cup. Tem de ser rigoroso, ou não o nomeavam para finais dos mais importantes torneios do mundo”, referiu Vasco Costa.

Com efeito, recorda o Record, Carlos Ramos já mostrou pulso firme em outras ocasiões, em encontros do circuito masculino, e com nomes bem sonantes do ténis mundial, como Rafael Nadal, Andy Murray ou Novak Djokovic.

O furacão Serena – o mesmo que, com a sua varinha de condão e uns pozinhos de dramatismo, transformou as lágrimas de Osaka em lágrimas de desilusão num dos momentos mais importantes da vida da jovem japonesa – viu a sua prestação manchada, a sua atitude comentada em praça pública e a sua carteira encolher.

As advertências sairão caro a Serena Williams: a primeira vai-lhe custar 4.000 dólares, a segunda 3.000 e a terceira, a mais grave, 10.000, num total de quase 15 mil euros. Conclusão: a única a sair ilesa deste incêndio de bolas e redes foi a simpática e vitoriosa raquete de Osaka.

LM, ZAP // RFI / Lusa

PARTILHAR

18 COMENTÁRIOS

  1. Parecia uma macaca histérica!!
    Mostrou que não tem educação nem respeito e comporta-se como uma criança que não sabe perder!
    Uma vergonha para qualquer atleta, proncipalmente deste nível…

  2. Precisamos de árbitros assim no futebol… ah, naturalmente, “advertências” com estes valores! Dirigentes, treinadores, jogadores, staff…

  3. Tem muita piada qdo os jornais de propaganda de esquerda chamam todos os nomes ao Trump incluindo sexista, agora fica desmascarado pq acontece. Gente que procura uma desculpa fácil para os proprios erros

    • E você a dar-lhe com o Trump. Não queira misturar alhos com bugalhos. Além de se tratar de uma notícia sobre ténis, que não tem absolutamente nada a ver com o Trump, o sr. quer mesmo comparar a atitude sóbria, lúcida e rigorosa deste árbitro com as alarvidades sexistas, racistas e misóginas do Trump, que faz pouco de tudo e todos sem qualquer respeito por ninguém? Quer mesmo? O Sr. identifica-se com esse tipo de atitudes é isso?

    • A serio que consegues transformar uma clara violação de um desporto honrado, num argumento
      de acusação politica e ainda mais de politica externa!!!

      Se gostas assim tanto do Trump, pega nas tuas coisinhas e vai para os estados unidos, … não, espera … não podes, porque o Trump quer correr com todos os emigrantes e não aceita mais gentinha da tua (e minha) laia.

      • Mais um a quem foi feita a “lavagem cerebral”…
        Quer correr com os emigrantes ILEGAIS. Assim como acontece em qualquer país.
        O Obama expulsou muitos mais emigrantes e ninguém ouviu falar disso nos media, tudo calado, porque será… Mais, o Clinton também teve a ideia da construção do muro, ninguém se manifestou contra. Agora como é o Trump, de direita, cai o carmo e a trindade.
        Pensem por vocês próprios, cultivem-se, não sejam influenciáveis.

  4. O que é que a conversa da igualdade de género era para ali chamada?
    Ela estava a competir contra outra…mulher!
    Tentou foi intimidar o árbitro.
    O próprio treinador admitiu ter feito gestos..se ela os viu é outra coisa, mas o árbitro não tem de supor nada. Tem que tomar decisões pelo que vê.
    Mal jogado Serena, que mau perder.

  5. O engraçado é que é sempre o mesmo!.. sexismo!.. sexismo da para desculpar tudo, a arrogância e o mau perder.. e eram 2 mulheres a jogar, imagino se o adversário fosse um homem!…
    Mas como eram 2 mulheres.. a culpa foi do arbito porque era homem e devia ser mulher.. corja feminista maldita!.. se ela batesse mas era com a raquete na fronha.. ate podia ser que ficasse mais bonita!.. :))))

    • Pois então, se tivesse sido um homem branco a fazer aquilo, sabe o que diziam? ” São as regras, temos pena…”
      Não usem o género ou a “raça” para desculpas. Somos todos seres humanos.

  6. Caro ZAP, boa tarde.
    Só uma “acha na fogueira” (digo eu, que até nem gosto de ténis): no fim do artigo, os euros é gralha, certo? Tudo dólares 🙂 Vá lá, não se zanguem! Eles/elas é que ganham o dinheirito! Ahahahahahaha Neste caso, a Srª. “Serena” passou a furiosa e ficará sem uns pózinhos insignificantes. As multas, deviam ser indexadas a mais um desporto milionário. Mas isto sou eu que digo, que não percebo nada do assunto! Ah! E não foi o McEnroe, que devido à sua “conduta exemplar e irrepreensível” foi afastado dos courts? Tem concorrente à altura, parece-me! 🙂 🙂 🙂

RESPONDER

Cogumelos laminados

O consumo de cogumelos pode diminuir o risco de depressão

Além de reduzirem o risco de cancro e morte prematura, os cogumelos podem beneficiar a saúde mental de uma pessoa. Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Penn State, nos Estados Unidos, analisou dados …

Os hipopótamos de Pablo Escobar começaram a ser esterilizados

O grupo de hipopótamos, mais uma parte do indesejado legado deixado na Colômbia pelo traficante de droga Pablo Escobar, está a ser esterilizado. Quando o Cartel de Medellín estava no seu auge, Pablo Escobar gastou parte …

Ian Brackenbury Channell, o "feiticeiro de Christchurch"

Duas décadas depois, uma cidade neozelandesa decidiu despedir o seu feiticeiro

Vinte e três anos depois, a autarquia de Christchurch, na Nova Zelândia, decidiu despedir Ian Brackenbury Channell, o famoso feiticeiro da cidade. Desde 1998 que Ian Brackenbury Channell era o "feiticeiro de Christchurch", sendo responsável por …

Um dos microscópios de Darwin vai a leilão. Esteve nas mãos da sua família durante quase 200 anos

Um microscópio que Charles Darwin ofereceu ao filho Leonard - e que esteve nas mãos da sua família ao longo de quase 200 anos - vai ser leiloado em dezembro e poderá valer cerca de …

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …

Tem uma carreira de sonho na Nike, mas cometeu um homicídio há 65 anos

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, revelou que, há 56 anos, matou um adolescente nas ruas de Filadélfia, nos Estados Unidos. O presidente da Jordan Brand — marca do ex-jogador de basquetebol Michael Jordan — …

Rio diz que decisão sobre eventual recandidatura está "quase tomada"

O presidente do PSD afirmou, esta segunda-feira, que a decisão sobre a sua eventual recandidatura está "quase tomada" e será anunciada em breve. Em declarações aos jornalistas à chegada à tomada de posse do novo presidente …