/

Com o pretexto de paz, “senhor da guerra” vai ganhando poder na República Centro-Africana

O “senhor da guerra” Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país.

A República Centro-Africana é um país atormentado por instabilidade social, política e económica. No ano passado, foi emitido um decreto presidencial que nomeou líderes dos 14 grupos armados que controlam a maior parte do país como conselheiros do governo. O acordo de paz foi uma solução de último recurso para evitar o pior.

Enquanto alguns líderes rebeldes permaneceram no governo, outros renegaram desde então. Ali Darassa, líder do grupo União para a Paz na República Centro-Africana (UPC), é um destes últimos. De acordo com o OZY, o “senhor da guerra” está novamente a ser cortejado pelo governo, tenta desesperadamente manter a paz a todo o custo.

Para tal, o presidente do país enviou um avião privado para trazer Ali Darassa à capital, deu-lhe algum dinheiro e demitiu um ministro a mando do líder rebelde.

A UPC de Darassa, que controla o centro do país, trava atualmente uma guerra sangrenta contra a Frente Popular para o Renascimento da República Centro-Africana, um grupo político-militar fundado em 2014 após a implosão da Seleka.

Numa altura em que o jihadismo ganha força na região, Ali Darassa está a envolver-se com o governo para lhe conferir legitimidade para levar a cabo as suas ações. Há quem acredite que o líder da UPC pode ser um forte candidato nas próximas eleições do país.

A insatisfação de alguns grupos rebeldes com o acordo de paz pode representar um problema, salienta a analista política Hans De Marie Heungoup. “A maioria dos grupos armados não gosta do presidente Touadera, mas desgostam ainda mais da oposição. Mesmo que grupos armados quisessem atrapalhar diretamente as eleições, agora duvido que possam. Foram consideravelmente enfraquecidos nos últimos nove meses”, explicou a especialista.

Em contrapartida, a influência de Darassa vai crescendo e o “senhor da guerra” africano pode usá-la para os seus mais mundanos propósitos.

Apesar de ser rico em minerais e outros recursos, tais como reservas de urânio, petróleo, ouro, diamantes, madeira e energia hidroelétrica, bem como quantidades significativas de terras aráveis, a República Centro-Africana está entre os dez países mais pobres do mundo.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.