Sem água e entregue à má sorte. Nos EUA, teme-se uma “carnificina” na Nação Navajo

Wolfgang Staudt / Flickr

A Nação Navajo é a maior reserva índia dos EUA, abrangendo territórios dos Estados do Arizona, Utah e Novo México.

Os navajo, o maior povo indígena dos EUA, arriscam ser vítimas de uma verdadeira “carnificina humana” devido à pandemia de covid-19. Na Nação Navajo, a maior reserva índia dos EUA, é impossível cumprir a mais básica recomendação contra a covid-19 – lavar as mãos com frequência -, uma vez que muitas pessoas não têm sequer água potável.

A Nação Navajo é a zona dos EUA onde há mais casos de infectados per capita, com um número de contágios superior a Nova Iorque (em termos de proporção das respectivas populações residentes).

A CNN avança que a Nação Navajo, onde vivem cerca de 170 mil pessoas, tem 4 mil casos de infectados confirmados, o que significa à roda de 2,304 casos de covid-19 por 100 mil pessoas.

Em comparação, Nova Iorque tem uma taxa de 1,806 casos por 100 mil pessoas.

Uma prevalência de casos que muitos associam à pobreza e à falta de condições gerais, inclusive à escassez de água potável. Há quem tenha que percorrer 30 quilómetros para encontrar uma fonte de água potável para beber, cozinhar ou simplesmente lavar as mãos.

Abrangendo o território de três Estados (Arizona, Utah e Novo México), a extensão de terras da Nação Navajo é uma pequena parte do território que, outrora, foi dos índios. Se fosse um Estado, seria o mais pobre dos EUA.

Quase 40% dos navajos que vivem na reserva não têm água potável, segundo dados apurados pela BBC Mundo. Muitas pessoas reutilizam água para lavar as mãos, o que põe em causa a manutenção de boas condições de higiene.

A electricidade é outro luxo que não chega a todos.

O território tem elevados índices de pobreza, problemas de drogas, de violência sexual e de desemprego, além de baixos níveis de educação e condições de habitação precárias. A falta de serviços de saúde é outro dilema que os locais enfrentam.

“Somos um deserto de comida”

Mas até o acesso a comida saudável é complicado. Há quem tenha que se deslocar 65 quilómetros para chegar ao supermercado mais próximo.

Somos um deserto de comida, os supermercados são poucos e as ofertas são escassas. Isto faz com que o distanciamento social seja mais difícil” e “por estarmos mal alimentados, podemos fazer menos frente ao vírus”, destaca em declarações à BBC Mundo a delegada Kanazbah Crotty do Conselho da Nação Navajo, um órgão que faz parte do governo da reserva.

“A comida mais acessível é a de pior qualidade e isso leva a que tenhamos altos índices de diabetes, de obesidade, de doenças cardiovasculares, que são condições que sabemos que influenciam na mortalidade do coronavírus”, aponta Kanazbah Crotty.

“Também temos problemas respiratórios e cancro porque temos minas de carvão e de urânio que são coisas que impactaram os nossos corpos durante anos e que debilitaram a resposta que podíamos ter contra o vírus”, diz ainda a delegada do Conselho da Nação Navajo.

Cerca de metade da população da reserva é obesa e quase um quarto sofre de diabetes, o que pode ajudar a explicar que haja uma grande taxa de mortalidade na faixa etária entre os 55 e os 65 anos de idade, ao contrário da maioria dos países, onde as mortes ocorrem, sobretudo, em pacientes com mais de 70 anos.

“A tempestade perfeita” para “carnificina humana”

Na análise da directora do Centro Johns Hopkins para a Saúde dos Índios Norte-Americanos, Allison Barlow, a pobreza e as dificuldades da Nação Navajo que se têm arrastado ao longo dos anos criaram “a tempestade perfeita” para que uma crise como a do coronavírus provoque uma “carnificina humana”, como destaca na BBC Mundo.

“O que vemos hoje é resultado de um sistema falido e disfuncional que se manteve geração após geração”, critica Allison Barlow, apontando o dedo à “inacção do Governo federal que não respeitou, durante anos, as condições dos acordos com estas nações”.

Após a usurpação de terras aos índios, o Governo dos EUA assinou com a Nação Navajo um acordo, onde se comprometia a disponibilizar-lhes serviços de Saúde, Educação e Segurança Social.

Mas, “na prática, o Governo federal falhou em financiar adequadamente e apoiar estes programas”, refere Allison Barlow. “O mau trato às comunicados índias foi uma constante”, quer com democratas, quer com republicanos na Casa Branca, diz.

“A covid-19 só trouxe à luz o sistema falhado em que o Governo dos EUA os obriga a viver”, conclui Allison Barlow.

“Circunstâncias que são frequentes em nações de África”

Há relatos de pessoas que perderam grande parte da família em poucas semanas devido à covid-19.

“Nestas comunidades, às vezes há quatro gerações na mesma casa, pelo que se um fica doente, os demais membros da família também ficarão”, destaca à BBC Mundo a médica brasileira Carolina Batista que integra uma equipa dos Médicos Sem Fronteiras que presta ajuda na reserva.

“Como podes implementar a básica e elementar medida de lavar as mãos quando não tens água corrente”, questiona ainda, em jeito de resposta para o dilema que os médicos enfrentam diariamente.

“O que muitos não esperavam é que circunstâncias que são frequentes em nações de África ou nações pobres da Ásia ou América Latina, também possam encontrar-se no país mais desenvolvido do mundo”, critica ainda Carolina Batista.

“Os hospitais são escassos e carentes de recursos e de pessoal”, lamenta ainda a médica brasileira.

Já a médica Michelle Tom, ex-basquetebolista profissional que voltou à Nação Navajo para ajudar o seu povo depois de se formar em Medicina, fala dos desafios que enfrenta, no seu dia-a-dia, num hospital do Arizona, na fronteira com a reserva. Falta de testes e de cardiologistas ou outros especialistas necessários para atender os casos mais complicados são algumas das situações que Michelle Tom cita num testemunho à BBC Mundo.

“Para toda a Nação Navajo, há apenas 25 camas de cuidados intensivos, pelo que muitos pacientes precisam de ser transferidos por ar para outros hospitais, a centenas de milhas daqui, e nesta doença, o tempo pode também significar a vida ou a morte”, desabafa.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Nos canais de Utrecht, os peixes têm uma "campainha" para passar pela barreira

Quando os peixes desovam pelos canais de Utrecht, nos Países Baixos, costumam ser bloqueados pela eclusa Weerdsluis. Agora, a cidade lançou a primeira campainha para peixes do mundo. De acordo com o Dutch Review, o sistema …

Jorge Jesus acusa Gil Vicente de antijogo: "Fez o que o árbitro permitiu"

Este sábado, o Gil Vicente visitou o Benfica e saiu com os três pontos na bagagem ao vencer por 2-1, num duelo relativo à 27ª jornada da Liga NOS. O Benfica perdeu no Estádio da Luz …

Site chinês "apaga" mulheres que não querem casar ou ter relações com homens

Vários grupos de feministas com ideias mais radicais começaram a ser bloqueados de um dos sites mais influentes na China. Num país conhecido pelo seu regime ditatorial e conservador, um grupo de mulheres uniu-se para lutar …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Justiça britânica perdoa dívida de 60 milhões a Vale e Azevedo

João Vale e Azevedo, ex-presidente do Benfica, foi declarado "exonerado da insolvência" que corria em Londres desde 2009. Um tribunal de Londres declarou que João Vale e Azevedo está exonerado de insolvência. Na prática, a justiça …

Aposta no Parlamento. 10% dos deputados são candidatos às autárquicas

De acordo com as contas do semanário Expresso, 23 deputados da Assembleia da República, ou seja, 10% dos 230 que compõem o hemiciclo, são candidatos às eleições autárquicas do outono. Na quinta-feira, foi aprovado na generalidade …

Relógio japonês parado pelo terramoto de 2011 volta a funcionar novamente (graças a outro sismo)

Um relógio japonês com 100 anos de idade que deixou de funcionar depois do devastador terramoto de 2011 voltou a trabalhar após um novo sismo este ano. De acordo com o jornal Maunichi Shumbun, o relógio, …

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …

Ventura tem "receio" que partido seja ilegalizado

Este domingo, o Chega vai organizar uma manifestação contra a ilegalização do partido. André Ventura admitiu ter um "receio muito significativo". O Observador avança que a manifestação tem início no Príncipe Real, passa pelo Tribunal Constitucional …

Três mortos e 441 novos casos em Portugal

Este domingo, Portugal regista mais três mortes e 441 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …