Eis os segredos de Taiwan, que “passou ao lado” da covid-19 sem confinar

jadis_hsu / Flick

Um novo estudo procurou perceber os segredos para o sucesso de Taiwan a combater a pandemia de covid-19. O país nunca chegou a confinar.

Taiwan foi amplamente aplaudido pela sua gestão da pandemia, com uma das taxas de covid-19 per capita mais baixas do mundo e a vida na ilha em grande parte a voltar ao normal.

Apenas 11 pessoas morreram de covid-19 em Taiwan desde o início da pandemia, um feito impressionante para um país que nunca entrou em confinamento.

Com um historial de SARS em 2003, que se argumenta não ter sido bem gerida, o Governo de Taiwan agiu rapidamente para fechar as suas fronteiras desta vez. Taiwan criou ainda um Centro de Comando Central de Epidemias a 20 de janeiro de 2020 para coordenar a cooperação entre diferentes ministérios e agências governamentais e entre o governo e as empresas.

Um novo estudo publicado recentemente no Journal of the American Medical Association examinou mais detalhadamente por que Taiwan se saiu tão bem na conquista da covid-19. Os autores do estudo, de vários institutos de saúde e hospitais em Taiwan e nos EUA, compararam a eficácia estimada de dois tipos de políticas covid-19 nos primeiros meses da pandemia: medidas baseadas em casos e medidas baseadas na população.

As medidas baseadas em casos incluem a deteção de pessoas infetadas através de testes, isolamento de casos positivos, rastreamento de contactos e quarentena de contactos próximos por 14 dias. As medidas baseadas na população incluíram políticas de máscara de proteção individual, higiene pessoal e distanciamento social.

Os efeitos destas políticas foram quantificados estimando o índice de transmissibilidade, R(t).

O R(t) é uma forma de classificar a capacidade de propagação de uma doença infecciosa — representa o número médio de pessoas para as quais uma pessoa infetada transmitirá o vírus. Um número R maior que 1 significa que o vírus continuará a espalhar-se e os surtos continuarão. Um número R abaixo de 1 significa que os números de casos começarão a diminuir.

Embora estudos anteriores noutros países tenham simulado cenários hipotéticos, este artigo científico combinou modelagem de transmissão com dados reais detalhados para estimar a eficácia.

A combinação vencedora

O estudo descobriu que apenas as políticas baseadas em casos, como rastreamento de contactos e quarentena, podem reduzir o R(t) de 2,5 para 1,53. A quarentena foi a que mais contribuiu para reduzir o R(t).

As intervenções baseadas em casos não podem impedir substancialmente a transmissão de uma pessoa para outra, mas podem reduzir a transmissão desses casos secundários para uma terceira ou quarta pessoa, desde que os contactos próximos fiquem em quarentena.

Já as políticas baseadas na população, como distanciamento social e máscaras, reduziram o R(t) de 2,5 para 1,3.

Os autores concluíram que foi a combinação de políticas baseadas em casos e baseadas na população, juntamente com a adesão generalizada, que levou ao sucesso de Taiwan em conter a covid-19.

Eles também descobriram que políticas baseadas na população consideráveis eram necessárias para alcançar a contenção, embora o número de infeções circulantes fosse pequeno.

Nenhuma das abordagens teria sido suficiente por si só, mesmo num país com um sistema de saúde pública eficaz e rastreamento sofisticado de contactos.

O que é isto significa para outros países?

Reconhecendo que todos os modelos fazem suposições, e esta análise não é diferente, este artigo científico confirma que o conjunto completo de medidas de saúde pública que temos usado de forma bastante consistente em todo o mundo — em vários graus de comprimento e rigor — foi necessário.

Os autores presumiram que o teste e o isolamento ocorreram simultaneamente. Este foi o caso em Taiwan, mas não noutros países, onde atrasos entre os testes, resultados e isolamento diminuem a eficácia das medidas baseadas em casos.

Taiwan é uma nação insular com capacidade de controlar a introdução de novos casos através do controlo de fronteira, e os autores reconhecem que as descobertas deste estudo podem não ser totalmente aplicáveis a outros países.

Esta é a razão pela qual os autores se concentraram na eficácia das intervenções baseadas em casos e na população na transmissão local, em vez de se concentrarem nos controlos de fronteira.

Os autores concluem que o rastreamento intensivo de contactos não é possível quando os sistemas de saúde pública estão sobrecarregados. Isto nunca aconteceu em Taiwan devido ao sucesso das suas estratégias, mas aconteceu, por exemplo, na Irlanda em janeiro de 2021, quando o país sofreu uma terceira onda de covid-19.

Este artigo também encontrou resultados semelhantes para quarentena de sete e 14 dias e sugere que o período de quarentena pode ser reduzido. Isto está a ser considerado por alguns países, incluindo os EUA, mas não foi introduzido de forma generalizada até ao momento.

PARTILHAR

RESPONDER

Avião da TAP retido na Venezuela regressa a Lisboa hoje

O avião da TAP que ficou retido na Venezuela por causa de uma carga de cocaína regressa nesta quinta-feira a Lisboa, assim como a tripulação, disse à agência Lusa fonte oficial da empresa aérea portuguesa. Segundo …

Marcelo convida Ramalho Eanes para presidir comemorações dos 50 anos do 25 de Abril

O presidente da República em funções, Marcelo Rebelo de Sousa, convidou o ex-presidente da República Ramalho Eanes para presidir as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. O convite dirigido ao general Ramalho Eanes, um …

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve. Contudo, os especialistas têm dúvidas em relação à necessidade de vacinar os mais jovens. Atualmente há apenas uma vacina contra a covid-19, …

Netanyahu não conseguiu formar Governo em Israel. Segue-se Lapid

Esta quarta-feira, Reuven Rivlin, Presidente de Israel, chamou Yair Lapid, líder do partido Yesh Atid, para lhe entregar a responsabilidade de formar um Governo que consiga o apoio do Knesset (Parlamento). O partido de Yair Lapid, …

Almofada de prevenção contra a pandemia. Câmara de Lisboa quer pedir 20 milhões à banca

A Câmara Municipal de Lisboa quer contrair um empréstimo de 20 milhões de euros junto do BPI, uma almofada de prevenção para fazer face às despesas correntes emergentes do combate à pandemia de covid-19. O Público …

Resort Zmar

BES, falência e um fundo abutre. Resort Zmar "deve 60 milhões de euros ao Estado"

Os proprietários das casas privadas do empreendimento turístico Zmar, na Zambujeira do Mar, em Odemira, continuam a protestar contra o alojamento de imigrantes por causa da covid-19. Isto numa altura em que se revela que …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Deputado do Bloco acusado de violência doméstica avança com queixa em tribunal

Catarina Alves, ex-namorada do deputado Luís Monteiro, acusa-o de violência doméstica. O bloquista nega as acusações e diz que vai apresentar queixa no tribunal. Luís Monteiro vai apresentar queixa contra a ex-namorada que o acusou de …

Gestão do Novo Banco vai receber bónus de 3,9 milhões em 2022

A equipa de administração do Novo Banco tem à sua espera um bónus de 3,9 milhões de euros no próximo ano. O banco registou prejuízos de 1.329 milhões de euros no ano passado. O Novo Banco …

Ainda não há planos para vacinar voluntários com AstraZeneca e J&J (nem dados sobre combinação de vacinas)

A vacinação de voluntários com menos de 60 ou 50 anos que aceitem receber as vacinas da AstraZeneca ou da Johnson & Johnson ainda não tem planos ou datas para arrancar. A Comissão de vacinação …