A seca em Itália é tão severa que fez emergir um navio naufragado na II Guerra Mundial

Esta é já a pior seca dos últimos 70 anos no norte de Itália. Há regiões que já estão a pedir o racionamento da água e a declaração do estado de emergência.

Portugal não é o único país que está a sofrer com a seca por estes dias. Em Itália, a seca é tão severa que ameaça obrigar o rio Pó — o maior do país — a fazer jus ao seu nome e transformar-se, literalmente, em pó.

Nascido nos Alpes Cócios, em França, e com a foz no Mar Adriático, o rio Pó estende-se ao longo de 652 quilómetros. Já há mais de 110 dias que não chove na região, que está a sofrer com a sua pior seca nos últimos 70 anos. A neve no norte de Itália também caiu 70% este ano, relata a AP.

O leito do rio secou tanto que um naufrágio de um navio da II Guerra Mundial apareceu à superfície. O Zibello é uma embarcação de 49 metros que transportava madeira durante o conflito e que se afundou em 1943.

O fotógrafo Alessio Bonin tirou fotografias do navio com o seu drone. “Nos últimos anos podíamos ver a proa do navio, por isso sabíamos que estava lá, mas ver o navio tão exposto em Março, quando ainda era Inverno, foi muito dramático. Nunca vi uma seca dessas nessa altura do ano, a nossa principal preocupação eram as cheias, agora preocupamo-nos com o seu desaparecimento“, conta ao The Guardian.

Para além do Zibello, outras relíquias também reapareceram, como um tanque alemão perto da cidade de Mântua, assim como as ruínas de uma aldeia em Piemonte. A seca ameaça as correntes de fornecimento de água e também a irrigação na agricultura, nesta que é a principal região agrícola em Itália.

“Esta seca é única na história por combinar duas anomalias, a falta de chuva e as temperaturas elevadas, que estão directamente ligadas às alterações climáticas. A situação só vai piorar nos próximos meses com as previsões de tempo quente e seco”, revela Luca Mercalli, presidente da Sociedade Meteorológica Italiana.

As regiões da Lombardia, Piemonte, Veneto e Emília-Romanha querem a declaração do estado de emergência nas suas regiões. Há já vilas no norte de Itália a pedirem que a água seja distribuída por camiões e em 125 cidades já se apelou a que o fornecimento seja racionado até que os níveis no rio voltem a subir.

Em Boretto, um homem conhecido como o “deus do Pó” costuma atravessar o rio a nadar todos os dias, mas a seca levou a que conseguisse atravessar a fazer metade do caminho a pé.

“Costumávamos ver muitos mais navios nesta zona, ou para o transporte de bens ou de passageiros. Agora somos só nós nesta auto-estrada de água que está completamente vazia”, explica Jennifer Bacchi, presidente da River Passion, uma empresa que organiza passeios de barco e viagens para a pesca no Pó.

A empresa tem notado um grande aumento nos cancelamentos devido à falta de água. “É preocupante, Boretto depende muito do turismo da pesca”, lamenta.

  Adriana Peixoto, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.