Sangue do cordão umbilical facilita recuperação no período pós-transplante

U.S. Navy / Wikimedia

-

Os doentes transplantados com sangue do cordão umbilical expandido podem vir a beneficiar de uma melhoria nos tempos de recuperação do enxerto, de uma redução das complicações devidas a infeções no período pós-transplante e do tempo de hospitalização.

Estas conclusões surgem na sequência de um estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica Biology of Blood and Marrow Transplantation, destinado a compreender o impacto da transplantação de um produto de expansão das células do sangue do cordão umbilical (NiCord) no tempo de recuperação do enxerto, no número e severidade das infeções contraídas pós-transplante e no tempo de hospitalização.

“Este estudo surge no seguimento dos resultados favoráveis de ensaios clínicos em humanos, que confirmaram a segurança de utilização do NiCord, e comprovaram a melhoria do tempo de recuperação do enxerto após o transplante com sangue do cordão umbilical expandido. Esta nova solução, juntamente com o potencial das células do sangue do cordão umbilical, vem abrir novas perspetivas relativamente à qualidade de vida dos doentes transplantados e do número de doentes que podem beneficiar de um transplante hematopoiético”, observa Alexandra Machado, diretora médica da Crioestaminal.

Os estudos compararam um grupo de doentes que recebeu um transplante convencional de sangue do cordão umbilical e um grupo a quem foi administrado o NiCord. Relativamente ao tempo de recuperação do enxerto, observou-se uma diminuição de 26 para 12,5 dias no grupo transplantado que recebeu NiCord.

A melhoria no tempo de recuperação do enxerto teve um impacto positivo na incidência e severidade das infeções, nos primeiros 100 dias após o transplante. O número de infeções bacterianas diminuiu significativamente e os doentes ficaram menos 20 dias hospitalizados.

As investigações desenvolvidas relativamente à expansão de células do sangue do cordão umbilical, juntamente com o seu potencial terapêutico, procuram encurtar e simplificar o período pós-transplante, além de contribuir para aumentar o número de pessoas que podem ter acesso a transplantes hematopoiéticos.

ZAP // Move

PARTILHAR

RESPONDER

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …