Sabe se é uma pessoa diurna ou nocturna? A genética diz-lhe

DJOtaku / Flickr

-

Algumas pessoas saltam da cama cedo sem grandes dificuldades; outras precisam de mais de um alarme para garantir que não se vão atrasar para o trabalho. Segundo os especialistas, os nossos genes ajudam a determinar se somos pessoas diurnas ou nocturnas.

Enquanto alguns de nós ficam acordados durante a madrugada, outros há que não prescindem de se deitar cedo.

Estamos divididos entre cotovias e corujas – e isso é definido pela genética, explica à BBC o neuro-geneticista Louis Ptacek, da Universidade da Califórnia.

“Independentemente de querermos ou não, os nossos pais é que ditam a hora de dormir – com base nos genes que nos transmitiram”, diz Ptacek.

Produtividade

Os cientistas descobriram a importância de se entender o “cronotipo” de cada pessoa, ou seja, a hora do dia em que ela é mais produtiva – algo que pode ajudá-la a viver melhor no mundo moderno.

Rick Neubig, professor de farmácia em Michigan (EUA), é uma pessoa diurna.

“As pessoas com quem troco e-mails na Europa reparam que eu envio sempre as mensagens bem cedo”, diz ele. “Outra coisa de que gosto muito, e que combina com manhãs, é observar pássaros. É muito mais fácil para mim do que para outras pessoas acordar de madrugada para ir vê-los.”

E essa facilidade é hereditária. Neubig conta que a sua mãe costumava acordá-lo às 4h da manhã para as férias familiares. E, hoje, a sua filha costuma exercitar-se bem cedo.

ememoreno / Flickr

-

Traços genéticos

Ptacek está a estudar famílias de hábitos matutinos que tenham a Síndrome Familiar de Fase Avançada de Sono – as “cotovias“.

“É um traço genético forte”, diz o médico, que identificou um gene mutante que produz uma proteína diferente, que afetou o ritmo do relógio biológico em animais estudados em laboratório.

O especialista também acompanha famílias de “corujas“, que têm a síndrome de fase “atrasada”. Ptacek acha que isso se deve a uma mutação diferente no mesmo gene.

O nosso relógio interno é formado por milhares de células nervosas no núcleo supraquiasmático – uma estrutura localizada no hipotálamo (que controla diversas funções corporais, da liberação de hormônios à regulação da temperatura corporal), na base do cérebro.

Esse relógio é reiniciado diariamente pela luz.

Seria lógico concluir que os relógios biológicos de todas as pessoas seguiriam ritmos parecidos, mas isso não acontece.

“Se o seu relógio for rápido, terá propensão a gostar de fazer as coisas bem cedo, e vice-versa”, diz Derk-Jan Dijk, professor do Centro de Investigação do Sono da Universidade de Surrey (Grã-Bretanha).

Adaptação social

Os nossos relógios também mudam ao longo da vida. Quem tem filhos pequenos sabe que eles costumam acordar cedo, assim como os idosos.

E qualquer que seja a nossa velocidade biológica, somos forçados a adaptá-la à sociedade e ao “horário comercial”, das 9h às 17h.

Isso costuma ser particularmente difícil para os adolescentes, que em geral não gostam de acordar cedo.

O professor Till Roenneberg, da Universidade Ludwig-Maximilians, analisou os padrões de sono dessa faixa etária.

“Podemos demonstrar que a famosa demora dos adolescentes em acordar é algo real”, diz ele. “Esse hábito é adquirido ao longo da infância e puberdade e chega ao seu pico aos 19 anos e meio, para as mulheres, e 21 anos, para os homens.”

Com uma base de dados do sono de mais de 200 mil participantes, o grupo de Roenneberg espera fazer “um mapa do sono do mundo“.

el_rogos / Flickr

-

Jet lag social

Conhecendo estes dados, Mary Carskadon, professora de psiquiatria na Universidade Brown, nos EUA, faz campanha para que as escolas comecem as aulas mais tarde.

“Nem sempre as notas melhoram por causa disso, mas um dos aspectos mais sérios da privação de sono é a questão da depressão, da tristeza e da falta de motivação dos jovens”, argumenta. “O humor melhora quando as aulas começam mais tarde.”

Mas não são muitas as escolas que aderem a essa ideia, já que a maioria das pessoas tem de se adaptar ao horário comercial – mesmo que isso seja cansativo.

Roenneberg tem uma forma curiosa de descrever e medir a privação de sono a que muitos estão submetidos pelos seus horários de estudo ou de trabalho: é o “jet lag” social.

“Em média, as pessoas acumulam uma ou duas horas de “jet lag” social, ainda que alguns – sobretudo jovens – acordem 5 horas mais cedo (para ir à escola do que acordariam num dia livre)”, explica.

Acumular o “jet lag” social é o equivalente a fazer um voo longo toda semana. Mas há formas de o enganar, diz o especialista.

“Deveríamos mudar horários de trabalho e torná-los mais individualizados, para que se adaptem a nossos cronotipos. Se isso não for possível, devemos ser mais estratégicos quanto à exposição à luz – por exemplo, indo trabalhar não num veículo coberto, mas de bicicleta.”

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …