AMA deixa a porta aberta para russos competirem como atletas neutros

premier.gov.ru / Wikimedia

Atletas russos na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi

A Agência Mundial Antidopagem (AMA) considerou esta segunda-feira que dificilmente o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) anulará os quatro anos fora das competições internacionais com que sancionou a Rússia, devido a questões relacionadas com doping.

A Rússia foi excluída dos Jogos Olímpicos de 2020 e da fase final do Mundial de futebol do Qatar, em 2022, devido ao uso recorrente de substâncias dopantes por parte dos seus atletas, com o apoio estatal, num processo revelado há cerca de seis anos.

De acordo com um porta-voz da Agência Mundial Antidopagem, a decisão “tomada por unanimidade” determina a exclusão da Rússia dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, de Inverno Pequim2022 e de todos os campeonatos do Mundo, e prevê a possibilidade de os atletas competirem sob bandeira neutra.

“Se a decisão for deliberadamente adiada para que não afete os Jogos Olímpico de Tóquio, em 2020, será cumprida em Paris2024. Cabe aos russos decidir em quais Jogos Olímpicos participar”, disse em conferência de imprensa Jonathan Taylor, do Comité de Revisão de Conformidade da Agência Mundial Antidopagem.

A AMA decidiu excluir a Rússia por quatro anos de eventos desportivos por manipular o banco de dados das análises antidoping do laboratório de Moscovo e deu ao país 21 dias para cumprir essa decisão ou recorrer ao TAS.

Jonathan Taylor esclareceu que eventos continentais como o Euro2020 de futebol, para o qual a Rússia está apurada e que irá receber alguns jogos em São Petersburgo, não serão afetados pela exclusão, nem o apuramento para o Mundial2022, no Qatar.

No entanto, caso a seleção russa se qualifique para a Mundial do Qatar, em 2022, não poderá participar, “a menos que seja estabelecido um mecanismo para que o faça de maneira neutra”, sem competir sob a bandeira e as cores da Rússia.

Atletas russos que provem não estar envolvidos nos esquemas de doping poderão participar, mas representando uma bandeira neutra, frisa a SIC Notícias.

Ganhar recurso “é impossível”

O presidente da Agência russa antidopagem, Iouri Ganous, considerou esta terça-feira que o país não tem “nenhuma hipótese” de ganhar, caso venha a recorrer da exclusão por quatro anos dos Jogos Olímpicos. “Não há nenhuma hipótese de ganhar diante de um tribunal”, considerou Ganous, em declarações à agência AFP.

O responsável da agência russa disse ainda que a exclusão é uma “tragédia” para os desportistas honestos.

Por sua vez, o Presidente russo defendeu na segunda-feira que a decisão da AMA tem uma “motivação política”. “Qualquer punição deve ser individual e não coletiva”, defendeu o Vladimir Putin, dizendo acreditar que a sanção à Rússia se explica “não pela preocupação de ter um desporto limpo”, mas sim por “uma motivação política”.

Para Vladimir Putin, a decisão da AMA “contraria a Carta Olímpica”, o documento estruturante do Movimento Olímpico e da organização dos Jogos Olímpicos.

Não há qualquer repreensão a fazer ao Comité Olímpico russo, e se não há nenhuma repreensão a este comité, então o país deve poder participar nas competições sob a sua bandeira nacional”, declarou durante uma conferência de imprensa em Paris, onde esteve reunido com o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelenskiy.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Haaland, o menino prodígio do Dortmund, chegou aos cinco golos em menos de uma hora

Com dois golos apontados ao Colónia esta sexta-feira, numa partida que acabou com a goleada do Borussia Dortmund (5-1), Erling Haaland chegou ao seu quinto golo ao serviço do emblema alemão em menos de uma …

As ilhas havaianas atingem o jackpot da longevidade (e já se sabe porquê)

As ilhas vulcânicas não duram para sempre, mas há algumas que atingem o jackpot da longevidade. De acordo com uma nova investigação, a explicação prende-se com dois fatores: a velocidade da placa tectónica e o …

Uma inexplicável explosão de ondas gravitacionais atingiu a Terra (e atordoou os astrónomos)

Uma equipa de investigadores detetou uma misteriosa explosão de ondas gravitacionais, cuja natureza deixou os astrónomos totalmente perplexos. O fenómeno foi registado a 14 de janeiro deste ano pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferómetro Laser …

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …