Rússia exuma czar para confirmar identidade de príncipe e princesa

Boasson and Eggler / Wikimedia

A família real russa foi executada a tiros em 1918

Peritos na Rússia exumaram os restos mortais do czar Nicolau II e da sua mulher, Alexandra, como parte de mais uma polémica envolvendo o assassinato da família real em 1918.

Nicolau II e Alexandra, com os seus cinco filhos e quatro acompanhantes, foram executados pelos bolcheviques por ordens de Lenine, em julho de 1918, nos arredores da cidade de Ecaterimburgo, pouco menos de um ano depois da revolução que derrubou a monarquia no país.

A pedido da Igreja Ortodoxa – que canonizou o czar e a família como mártires -, foram retiradas amostras de ADN dos ossos do casal.

A investigação tem como objetivo resolver o impasse sobre o enterro do que seriam os restos mortais dos últimos membros da dinastia Romanov – o príncipe Alexei e a princesa Maria, cujos restos tinham sido encontrados noutro local e estavam guardados num repositório do Estado.

Nicolau II, a mulher e as princesas Olga, Anastácia e Tatiana estão enterrados na Catedral de São Petersburgo. A ideia é comparar amostras recolhidas na exumação com o ADN de Alexei e Maria, para confirmar a sua identidade.

As ossadas do príncipe e da princesa foram encontradas em 2007, 16 anos depois de os restos mortais dos Romanov terem sido localizado numa vala comum, num local diferente.

Em 2008, peritos russos e americanos afirmaram que as análises de ADN identificaram positivamente as ossadas de Alexei e Maria.

No entanto, há alguns meses, o governo russo criou um grupo de trabalho, liderado pelo primeiro-ministro Dmitry Medvedev, para analisar o caso.

Esta quarta-feira, um porta-voz de Medvedev anunciou a reabertura do processo, informando que serão realizados novos exames, recorrendo ao que foi chamado de “provas antes não disponíveis“.

Os testes serão feitos com recurso a material genético do casal real, mas também terão uma comparação com ADN proveniente de manchas de sangue de um uniforme militar usado pelo o bisavô de Alexei e Maria, o czar Alexandre II, morto num atentado deflagrado por radicais republicanos em 1881. Também será feita uma comparação com o ADN de uma irmã da czarina, Yelizaveta Fyodorovna.

A descoberta das ossadas dos Romanov em 1991 levou à abertura de um inquérito sobre homicídio, mas o caso foi arquivado em 1998 porque não havia como identificar alguém ainda vivo que poderia ter participado do fuzilamento.

No início de setembro, o grupo de trabalho liderado por Medvedev sugeriu que os restos de Alexei e Maria fossem enterrados no dia 18 de outubro, mas voltou atrás depois de a Igreja Ortodoxa Russa questionar a autenticidade dos restos mortais.

Nicolau II foi forçado a abdicar em março de 1917, durante a revolta que culminaria com a grande Revolução de Outubro. Acabou preso pelos bolcheviques depois de lhe ter sido negado um pedido de asilo feito ao então soberano britânico, George V, de quem era primo. O czar e a família foram executados em julho do ano seguinte, os corpos atirados ao poço de uma mina e depois queimados com ácido e enterrados numa vala comum.

A igreja nunca reconheceu completamente a autenticidade dos restos mortais e, na cerimónia em que o czar, a czarina e as princesas foram enterrados o padre recusou-se a dizer os nomes dos nobres. Também já houve pedidos para novos testes às ossadas já enterradas.

A relutância das lideranças ortodoxas deve-se ao fato de, em 2000, o casal real e as princesas terem sido canonizados. Em 2016, por ocasião do centenário da morte dos Romanov, o mesmo acontecerá com Alexei e Maria.

“Queremos que os exames sejam feitos na presença de testemunhas da Igreja. Estas pessoas foram canonizadas e os seus restos mortais são relíquias sagradas. As pessoas rezam diante delas. É importante termos a certeza”, disse no início do mês ao The Guardian um porta-voz ortodoxo, Vsevolod Chaplin.

Os descendentes dos Romanov estão divididos entre os que se queixam da hesitação da igreja e os que defendem a sua posição – entre eles a princesa Maria Vladimirovna, tetraneta de Nicolau II, que mora em Espanha e se autointitula herdeira do trono russo.

Os descendentes vivem fora da Rússia, mas visitam constantemente o país e ainda são venerados pelos fiéis ortodoxos e por pessoas ligadas à extrema-direita.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Fato? O ano 2000 andava de fato? Como é que em Portugal, se insiste neste disparate, que nada tem a ver connosco? Por cá e que eu saiba, mesmo com o tal “pseudo acordo” ainda se escreve e diz, facto! Para além de ser muito mais correcto, é mais elegante e soa muito melhor.

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …