Rússia exuma czar para confirmar identidade de príncipe e princesa

Boasson and Eggler / Wikimedia

A família real russa foi executada a tiros em 1918

Peritos na Rússia exumaram os restos mortais do czar Nicolau II e da sua mulher, Alexandra, como parte de mais uma polémica envolvendo o assassinato da família real em 1918.

Nicolau II e Alexandra, com os seus cinco filhos e quatro acompanhantes, foram executados pelos bolcheviques por ordens de Lenine, em julho de 1918, nos arredores da cidade de Ecaterimburgo, pouco menos de um ano depois da revolução que derrubou a monarquia no país.

A pedido da Igreja Ortodoxa – que canonizou o czar e a família como mártires -, foram retiradas amostras de ADN dos ossos do casal.

A investigação tem como objetivo resolver o impasse sobre o enterro do que seriam os restos mortais dos últimos membros da dinastia Romanov – o príncipe Alexei e a princesa Maria, cujos restos tinham sido encontrados noutro local e estavam guardados num repositório do Estado.

Nicolau II, a mulher e as princesas Olga, Anastácia e Tatiana estão enterrados na Catedral de São Petersburgo. A ideia é comparar amostras recolhidas na exumação com o ADN de Alexei e Maria, para confirmar a sua identidade.

As ossadas do príncipe e da princesa foram encontradas em 2007, 16 anos depois de os restos mortais dos Romanov terem sido localizado numa vala comum, num local diferente.

Em 2008, peritos russos e americanos afirmaram que as análises de ADN identificaram positivamente as ossadas de Alexei e Maria.

No entanto, há alguns meses, o governo russo criou um grupo de trabalho, liderado pelo primeiro-ministro Dmitry Medvedev, para analisar o caso.

Esta quarta-feira, um porta-voz de Medvedev anunciou a reabertura do processo, informando que serão realizados novos exames, recorrendo ao que foi chamado de “provas antes não disponíveis“.

Os testes serão feitos com recurso a material genético do casal real, mas também terão uma comparação com ADN proveniente de manchas de sangue de um uniforme militar usado pelo o bisavô de Alexei e Maria, o czar Alexandre II, morto num atentado deflagrado por radicais republicanos em 1881. Também será feita uma comparação com o ADN de uma irmã da czarina, Yelizaveta Fyodorovna.

A descoberta das ossadas dos Romanov em 1991 levou à abertura de um inquérito sobre homicídio, mas o caso foi arquivado em 1998 porque não havia como identificar alguém ainda vivo que poderia ter participado do fuzilamento.

No início de setembro, o grupo de trabalho liderado por Medvedev sugeriu que os restos de Alexei e Maria fossem enterrados no dia 18 de outubro, mas voltou atrás depois de a Igreja Ortodoxa Russa questionar a autenticidade dos restos mortais.

Nicolau II foi forçado a abdicar em março de 1917, durante a revolta que culminaria com a grande Revolução de Outubro. Acabou preso pelos bolcheviques depois de lhe ter sido negado um pedido de asilo feito ao então soberano britânico, George V, de quem era primo. O czar e a família foram executados em julho do ano seguinte, os corpos atirados ao poço de uma mina e depois queimados com ácido e enterrados numa vala comum.

A igreja nunca reconheceu completamente a autenticidade dos restos mortais e, na cerimónia em que o czar, a czarina e as princesas foram enterrados o padre recusou-se a dizer os nomes dos nobres. Também já houve pedidos para novos testes às ossadas já enterradas.

A relutância das lideranças ortodoxas deve-se ao fato de, em 2000, o casal real e as princesas terem sido canonizados. Em 2016, por ocasião do centenário da morte dos Romanov, o mesmo acontecerá com Alexei e Maria.

“Queremos que os exames sejam feitos na presença de testemunhas da Igreja. Estas pessoas foram canonizadas e os seus restos mortais são relíquias sagradas. As pessoas rezam diante delas. É importante termos a certeza”, disse no início do mês ao The Guardian um porta-voz ortodoxo, Vsevolod Chaplin.

Os descendentes dos Romanov estão divididos entre os que se queixam da hesitação da igreja e os que defendem a sua posição – entre eles a princesa Maria Vladimirovna, tetraneta de Nicolau II, que mora em Espanha e se autointitula herdeira do trono russo.

Os descendentes vivem fora da Rússia, mas visitam constantemente o país e ainda são venerados pelos fiéis ortodoxos e por pessoas ligadas à extrema-direita.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Fato? O ano 2000 andava de fato? Como é que em Portugal, se insiste neste disparate, que nada tem a ver connosco? Por cá e que eu saiba, mesmo com o tal “pseudo acordo” ainda se escreve e diz, facto! Para além de ser muito mais correcto, é mais elegante e soa muito melhor.

RESPONDER

Área Metropolitana de Lisboa em contingência até ao fim de agosto

O Governo vai manter a Área Metropolitana de Lisboa (AML) em situação de contingência até ao final de agosto, apurou o jornal Observador junto do Executivo socialista liderado por António Costa. De acordo com o …

Sindicato vai processar Ryanair por assédio laboral e discriminação

O Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) vai processar a Ryanair por assédio laboral e discriminação, exigindo a restituição de créditos laborais, após a resolução de contratos por justa causa, disse …

Em Itália, preparar o regresso às escolas inclui serras afiadas

Itália, o primeiro epicentro de covid-19 fora da China, usou um regime agressivo de testes e uso de máscaras para conter uma segunda vaga no país. Agora, as escolas estão a preparar-se para receber, no …

Marcelo promulga Estatuto do Antigo Combatente e veta alterações ao direito de petição

O Presidente da República promulgou o novo Estatuto do Antigo Combatente, aprovado por larga maioria no parlamento em 23 de julho, desejando tratar-se de “o início de um caminho” e não “o seu termo”. Em nota …

O céu de Wuhan iluminou-se com 400 drones para homenagear a população

O céu de Wuhan, cidade chinesa onde se pensa ter surgido o novo coronavírus, em dezembro de 2019, foi iluminado, este domingo, com 400 drones para homenagear os habitantes. De acordo com o vídeo da CGTN, …

Vila do Conde revela que tem 173 casos ativos no concelho

A Câmara de Vila do Conde, do distrito do Porto, revelou esta quarta-feira que existem 173 casos ativos de covid-19 no concelho e que já está em marcha um plano de apoio à população, assim …

Descarrilamento de comboio na Escócia faz pelo menos três mortos

Três pessoas morreram e seis ficaram feridas em consequência do descarrilamento de um comboio de passageiros na Escócia, anunciou a polícia escocesa, citada pela agência Lusa. O acidente ocorreu 160 quilómetros a nordeste de Edimburgo. Numa primeira …

Temido garante que "não haverá exceções" para o Avante (e pede cautela com vacina russa)

A ministra da Saúde defendeu esta quarta-feira que a lotação da Festa do Avante!, organizada pelo PCP, terá este ano que ser inferior à capacidade máxima de 100 mil pessoas do recinto no Seixal, por …

Trump pondera impedir entrada de residentes suspeitos de exposição à covid-19

A Administração norte-americana está a ponderar barrar a reentrada no país a cidadãos norte-americanos ou residentes legais suspeitos de terem sido expostos ao novo coronavírus. De acordo com o Jornal Económico, que cita o jornal New …

Pelo menos 42 feridos em Beirute em confrontos entre polícia e manifestantes

Pelo menos 42 pessoas ficaram feridas, esta terça-feira, em confrontos entre manifestantes e a polícia, pelo quarto dia consecutivo, nas proximidades do Parlamento em Beirute. De acordo com a Cruz Vermelha libanesa, dos pelo menos 42 …