Rússia planeia chegar à Lua em 2030, 61 anos depois de os EUA lá terem ido

Marshall Space Flight Center / NASA

A Rússia prepara-se para ir à Lua em 2030, 61 anos depois de os EUA terem ganho a corrida lunar à União Soviética, que tinha sido pioneira nas viagens espaciais.

A agência espacial norte-americana, a NASA, planeia uma missão tripulada à Lua em 2024 como primeiro passo de um objetivo maior: chegar a Marte. Quanto à Roscosmos, a agência russa, está desde 2009 à espera que esteja concluída uma nave espacial de nova geração chamada ‘Federação’, com capacidade para seis tripulantes, cujo primeiro voo está planeado para 2022.

O projeto da empresa estatal ‘Energia’ tem sofrido sucessivos atrasos e o diretor-geral da Roscosmos, Dmitri Rogozin, admitiu no Twitter que foi preciso “despedir indolentes” responsáveis por problemas de organização.

Em 1969, por decreto da liderança comunista, os soviéticos não puderam ver em direto na televisão a chegada à Lua da missão Apolo 11, que levou os astronautas Neil Armstrong, Edwin “Buzz” Aldrin e Michael Collins ao solo lunar, onde ficou hasteada uma bandeira dos Estados Unidos.

“Considero, como considerei na altura, que o nosso povo foi roubado: o voo lunar foi um feito de toda a Humanidade”, afirmou em entrevista à agência Ria Novosti o cosmonauta Alexei Leonov, o primeiro ser humano a fazer uma caminhada espacial.

Leonov, com os outros cosmonautas, foi uma das únicas pessoas na União Soviética a conseguir assistir às imagens da descida do módulo lunar da Apolo 11 e ao desembarque dos astronautas Armstrong e Aldrin.

Era o seu nome que estava no topo da lista para a missão lunar soviética, que esteve prevista para acontecer em 1968, mas nunca se realizou. A missão tripulada à Lua ficou congelada e, oficialmente, o foco passou a estar no envio de veículos automáticos não tripulados mas, na verdade, a URSS não tinha um foguetão suficientemente potente e fiável para enviar humanos à Lua.

“Neil Armstrong é um dos heróis, mas não é o mais importante. Eu cresci a ver Yuri Gagarin e o passo que o americano deu na Lua foi mais um na conquista do Espaço”, disse à EFE o cosmonauta Fiodor Yurshijin, com 60 anos e cinco voos espaciais no currículo.

Yurshijin afirmou que a Lua é “a primeira estação nas viagens interplanetárias tripuladas do futuro” e assinalou que “é um corpo celeste suficientemente grande para ali desenvolver a tecnologia que permita aos seres humanos viver noutro planeta“.

O cosmonauta considerou que a cooperação internacional é essencial para desenvolver a investigação, já que “nenhum país tem dinheiro para o conseguir isoladamente”.

// Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

    • O mais engraçado é haver quem acredite que não houve uma Apolo 11! Ou que os americanos andaram de facto na Lua! Há gente que sonha mesmo com unicórnios. Porque não percebe nada de ciência pões a dar opiniões como se fosse alguém dotado do conhecimento absoluto!

  1. “Rússia planeia chegar à Lua em 2030, 61 anos depois de os EUA lá terem ido”
    61 anos? Foram lá em 1969, foi à 50 anos

  2. Como se os Russos fossem deixar passar uma mentira como a simulação da ida à lua. Eles tinham espiões em todo lado e desmascarar uma mentira dessas seria ouro sobre azul para eles.

RESPONDER

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …

Marta Temido antevê dias complicados e alta pressão sobre o SNS (e admite novas medidas)

A ministra da Saúde disse que se vive "um momento muito difícil da evolução da pandemia em Portugal e na Europa" e que "os próximos dias se anteveem complicados e com elevada pressão sobre o …