/

Rui Pinto pode ser decisivo para tramar o FC Porto nos negócios suspeitos com o Portimonense

2

Mário Cruz / EPA/Lusa

Rui Pinto no arranque do julgamento do chamado caso “Football Leaks” que envolve o Fundo de Investimentos Doyen.

Os documentos pirateados pelo hacker Rui Pinto no âmbito do chamado “Futebol Leaks” estão a ser utilizados pelas autoridades judiciais para investigar os negócios entre FC Porto e Portimonense, em torno de suspeitas de fraude fiscal e branqueamento de capitais.

Rui Pinto está a colaborar com a Polícia Judiciária (PJ) em diversos processos judiciais depois de ter sido detido no âmbito do “Football Leaks”, onde foi acusado de um total de 90 crimes, incluindo acesso indevido e violação de correspondência.

Mas o hacker tem estado a colaborar com a Justiça e pode, agora, ser decisivo nas investigações aos negócios entre o FC Porto e o Portimonense.

O Correio da Manhã (CM) aponta que a PJ apreendeu “vários documentos relevantes” na semana passada, em buscas efectuadas no clube algarvio. Essas buscas terão resultado de investigações que contaram com a colaboração de Rui Pinto que já assumiu ser portista.

O hacker “forneceu inúmera documentação que indicia que muitos negócios entre o Portimonense e o FC Porto mais não foram do que financiamentos encapotados de Theodoro Fonseca à SAD azul-e-branca”, aponta o CM.

Theodoro Fonseca é o actual accionista maioritário do Portimonense e é um dos alvos da justiça nas investigações que também envolvem a SAD portista.

Em causa estão negócios como a venda de Hulk ao Zenit, intermediada pela empresa For Gool através da qual Theodoro Fonseca controla a SAD do Portimonense. O negócio rendeu-lhe 13 milhões de euros e as verbas foram divididas por várias sociedades com sede em paraísos fiscais.

Comissões de Pedro Pinho sob suspeita

Há outros negócios feitos pelo FC Porto que estão também a ser investigados pelas autoridades, nomeadamente envolvendo o empresário Pedro Pinho. Em causa estão comissões que estão a ser vistas como possíveis “luvas”.

Pedro Pinho está a ser investigado no processo Cartão Vermelho, onde o suspeito principal é Luís Filipe Vieira.

Entre os negócios implicados, neste caso, está a venda de Zé Luís ao Spartak de Moscovo, em Junho de 2019, por cerca de 10,7 milhões de euros. Contudo, o FC Porto pagou mais 1,4 milhões de euros em comissões.

O negócio foi intermediado pelo empresário José Fouto, através da agência Socas Investiment, Lda., mas este terá pago uma comissão de 333 mil euros a Pedro Pinho, como refere o CM.

Também a venda de Fábio Silva ao Wolverhampton por 40 milhões de euros estará a ser investigada. O FC Porto só lucrou 25 milhões com o negócio numa transferência mediada por Jorge Mendes, mas onde, mais uma vez, terá sido paga uma comissão a Pedro Pinho.

  ZAP //

2 Comments

  1. Oooops…. Agora entendo as manifestações de “apoio” dos SD quando o Rui Pinto esteve preso no Porto… A culpa é do Benfica, dirão o insolvente e o Macaco…

  2. Possivelmente iremos ficar a saber tanto como nos casos em que está envolvido o Benfica, mas uma coisa parece ser certo, o Rui Pinto sabe mais que toda a PJ junta!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.