Roedor gigante pré-histórico tinha um cérebro de apenas 113 gramas

(dr) Ferreira et al., Biology Letters, 2020

Cientistas reconstruiram o cérebro do roedor extinto Neoepiblema acreensis

O crânio de um roedor que viveu há dez milhões de anos, na América do Sul, indica que, apesar de este animal ter sido grande e pesado, o seu cérebro era totalmente o oposto.

De acordo com a agência Europa Press, este animal já extinto, agora denominado Neoepiblema acreensis, é o maior roedor já conhecido da América do Sul, segundo os investigadores da Universidade Federal do Acre e da Universidade Federal de Santa Maria, ambas no Brasil.

O crânio quase completo estava em excelentes condições e o seu tamanho permitiu à equipa de cientistas calcular o tamanho do roedor. De acordo com a agência espanhola, o N. acreensis tinha cerca de 1,5 metros de comprimento, pesava 80 quilos e tinha incisivos muito grandes.

Uma análise posterior determinou que o fóssil tinha aproximadamente dez milhões de anos. Os cientistas descobriram ainda que este animal vivia na parte ocidental da Amazónia brasileira e que foi um parente das atuais pacaranas e chinchilas.

De acordo com os investigadores — cujo estudo foi publicado, esta quinta-feira, na revista científica Biology Letters —, devido ao seu tamanho, este roedor não terá cativado a atenção de muitos predadores, embora tenha sido uma boa refeição para os crocodilos gigantes que também viviam naquela zona.

Para além de todas estas características, os cientistas destacam uma bastante interessante. Apesar de ter sido um animal grande e pesado, supõe-se que não era muito inteligente, uma vez que tinha um cérebro pequeno em comparação com o resto do corpo (pesava apenas 113 gramas).

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

As bactérias formam comunidades na nossa língua (e uma imagem revela como)

Cientistas norte-americanos descobriram que as bactérias que vivem na nossa língua têm uma organização complexa e altamente estruturada. Os micro-organismos estão em toda a parte - até no interior da nossa boca. Um novo estudo revela …

Como sobreviver ao isolamento? Astronautas explicam

Em todo o mundo, cidades e até países inteiros estão em quarentena como forma de travar a propagação do novo coronavírus, Covid-19. Alguns astronautas deixaram conselhos sobre como sobreviver ao isolamento. Para alguns, o auto isolamento …

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …