Resistência das bactérias aos antibióticos é finalmente desvendada

Cientistas britânicos descobriram como é que as bactérias conseguem resistir aos antibióticos. A OMS definiu este problema como uma das maiores ameaças à saúde global.

Investigadores da Universidade de Newcastle estudaram amostras de pacientes idosos que tinham infeções urinárias recorrentes e observaram como é que as bactérias perdem as paredes celulares para se camuflarem no corpo humano. Estas paredes são um alvo comum em vários grupos de antibióticos.

“Imagine que a parede é como se a bactéria estivesse com um colete refletor vestido. Isto dá-lhe um formato regular, tornando-a forte e protegendo-a, mas também deixando-a altamente visível, especialmente para o sistema imunitário humano e antibióticos como penicilina”, compara a cientista Katarzyna Michiewicz, em entrevista ao Phys.

“O que vimos é que na presença de antibióticos, a bactéria consegue mudar de uma forma de parede para um estado completamente aleatório, sem parede e em formato de L. Desta forma o corpo não consegue reconhecer facilmente a bactéria e então não a ataca, e os antibióticos também não“, explicou.

Quando estão neste formado de L, as bactérias ficam moles e fracas, mas algumas sobrevivem e escondem-se no corpo até que o antibiótico se ausente. Aí ela reconstrói a parede celular e volta ao seu formato normal. As células de um paciente voltaram ao formato normal apenas cinco horas depois de não haver mais penicilina no corpo.

Em pacientes saudáveis, a fraqueza da célula com formato L significa que o próprio sistema imunitário da pessoa consegue matar estas bactérias, mas em pacientes fragilizados ou idosos como os que foram utilizados no estudo, estas bactérias conseguem sobreviver. Isto pode explicar porque é que algumas pessoas têm infeções urinárias recorrentes.

“Para os médicos, isto pode significar ter em consideração uma combinação de tratamentos: primeiro um antibiótico que ataca a parede celular e depois um tipo diferente para qualquer célula com formato de L que esteja escondida”, explica a investigadora.

As bactérias em formato de L também ficam invisíveis em métodos tradicionais de identificação de infeções. Para conseguir realizar este estudo e identificar pela primeira vez a mudança de formato das bactérias, os cientistas usaram um método especial de deteção osmoprotetor.

Esta observação é revolucionária, já que destaca pela primeira vez que bactérias conseguem sobreviver sem uma parede celular. O trabalho foi publicado esta quinta-feira na revista Nature Communications.

Agora, os investigadores pretendem alargar a pesquisa a pacientes que já receberam tratamento contra a infeção. A resistência de bactérias a antibióticos foi identificada pela Organização Mundial da Saúde como uma das maiores ameaças à saúde global.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Canadá. Indígena e neta de 12 anos detidos ao tentarem abrir conta em banco

Um indígena apresentou duas queixas por racismo após ter sido detido e algemado, juntamente com a sua neta de 12 anos, quando tentava abrir uma conta no BMO - Banco de Montreal, no Canadá. Em dezembro, …

ONG encontra alianças de casal de migrantes que sobreviveu a naufrágio

As alianças encontradas pela ONG espanhola pertencem a um casal de migrantes argelinos que sobreviveu, em outubro, a um naufrágio ao largo da costa de Lampedusa, em Itália. De acordo com o jornal The Guardian, foi no …

Turquia condena 337 pessoas a perpétua por ligação à tentativa de golpe

Mais de 300 pessoas foram condenadas a prisão perpétua, esta quinta-feira, na maioria oficiais e pilotos militares, no principal julgamento relacionado com a tentativa de golpe falhado de 2016. De acordo com o jornal Público, a …

Rangers 2-2 Benfica | "Power" das águias chega para empatar

Num último assomo, o Benfica conseguir empatar um jogo que parecia irremediavelmente perdido. No espaço de três minutos – dos 78 aos 81 -, um autogolo de Tavernier, com intervenção decisiva de Gonçalo Ramos, e …

Lulas gigantes estão a deixar enormes cicatrizes em tubarões brancos

Cientistas marinhos encontraram evidências que sugerem que grandes tubarões brancos (Carcharodon carcharias) estão a ser atacados por lulas gigantes no Oceano Pacífico. Uma equipa de investigadores encontrou 14 tubarões brancos (Carcharodon carcharias) com evidências de cicatrizes …

Twitter passa a alertar utilizadores que colocam "like" em informações incorretas

O Twitter passou a alertar os utilizadores quando estes tentam 'curtir' uma publicação que contenha informações consideradas incorretas, medida que faz parte da esforço da empresa para combater a desinformação. Esta mudança significa que os utilizadores …

Erosão causada por tempestade tropical revela naufrágio do século XIX na Florida

Depois da tempestade tropical Eta arrebatar o norte da Florida no início deste mês, um banhista fez uma descoberta inesperada enquanto caminhava na costa de St. Augustine. Ao caminhar pelas dunas de areia de Crescent Beach, …

Uma mentira de um trabalhador de uma pizzaria forçou o confinamento na Austrália do Sul

O estado da Austrália do Sul decretou um confinamento geral, no dia 18 de novembro, depois de um funcionário de uma pizzaria ter mentido. Segundo o Huff Post, o homem, de nacionalidade espanhola, estava infetado com …

Jogar Monopólio, Scrabble ou até bilhar pode ser (ainda) mais divertido com uma nova mesa touch

Por mais divertidos que sejam os jogos de tabuleiro, estes podem ser um passatempo caro pois quem realmente gosta não se cansa de os comprar. Agora, a empresa Arcade1Up criou o Infinity Game Table que …

A apreensão histórica de cetamina na Tailândia não foi assim tão histórica. Eram só aditivos alimentares

Análises laboratoriais revelaram que a apreensão "histórica" de cetamina anunciada pelo Governo da Tailândia há cerca de duas semanas foi, na verdade, uma apreensão de aditivos alimentares e agentes de limpeza. As autoridades tailandesas anunciaram, …