Relações de amor-ódio causam mais stress do que inimigos

pgneto / Flickr

Um estudo feito por psicólogos nos Estados Unidos revelou que as “relações ambivalentes” – amigos com quem costumamos ter uma relação de amor-ódio – podem ter um efeito mais nocivo na nossa saúde do que os nossos inimigos.

Na língua inglesa existe até mesmo um termo para descrever esse tipo de pessoa: “frenemy” – uma combinação das palavras friend (“amigo”) e enemy (“inimigo”).

Segundo a psicóloga Julianne Holt-Lunstat, da Bringham Young University, no Utah, metade das pessoas que conhecemos, em média, são pessoas com quem mantemos esse tipo de relação.

“É raro encontrar alguém que não possui pelo menos uma dessas relações”, diz Holt-Lunstad.

Amizade e saúde

As relações que mantemos são importantes para nossa saúde. Cerca de 150 estudos diferentes analisados pela psicóloga mostraram que relações sociais saudáveis podem reduzir o risco de morte em até metade – o mesmo índice registado por pessoas que param de fumar. Ser solitário é quase duas vezes mais perigoso do que ser obeso.

Os amigos ajudam a reduzir os níveis de stress, reduzindo a pressão sanguínea e riscos de infeção. Alguns males como distúrbios de sono estão ligados à falta de amizades.

As amizades, contudo, possuem diferentes graus. O famoso antropólogo Robin Dunbar, da Universidade de Oxford, chegou a propor o “número de Dunbar“, que sustenta que cada pessoa é capaz de manter apenas 150 amizades com alguma profundidade.

“[Nas nossas relações com os outros], estamos sempre a lidar com vários interesses que concorrem entre si. O problema é neutralizar o stress para permitir que o nosso grupo social se mantenha coerente ao longo do tempo”, diz Dunbar.

“É preciso agradar os nossos aliados, o que pode incluir alguns frenemies. Toleramo-los para conseguir administrar melhor os nossos interesses.”

Estudos

No entanto, estudos conduzidos em Utah mostram que tentar administrar relações com pessoas que “amamos e odiamos” pode trazer mais malefícios do que se pensa.

Em um dos estudos, os cientistas mediram a pressão sanguínea de voluntários quando em contacto com seus amigos. Como seria de prever, os amigos mais amados produziram pressões sanguíneas baixas nos voluntários; colegas de trabalho irritantes ou maus chefes fizeram a pressão subir.

A surpresa, porém, foi descobrir que a pressão atingiu seu ponto mais alto diante de um certo grupo de amigos – os tais frenemies. Outros estudos posteriores confirmaram e ampliaram estes resultados.

“Mesmo quando a pessoa em questão está na sala ao lado, a pressão aumenta, com maiores níveis de ansiedade. Só por causa da sensação de a qualquer momento ter de lidar com a pessoa”, diz Holt-Lunstad. Em alguns casos, bastava mostrar o nome da pessoa numa tela para que o batimento cardíaco subisse.

O problema, segundo os cientistas, é que essas relações de amor-ódio têm um impacto muito grande na vida das pessoas. Pequenos sinais do quotidiano que desencadeiem memórias relacionadas com elas são suficientes para castigar o corpo com más sensações.

Para Hold-Lunstad, é a falta de estabilidade na relação que gera stress.

“Há sempre uma incerteza quando encontramos um frenemy. Será que a pessoa veio para me ajudar ou para dizer novamente algo desagradável?”

O psicólogo Bert Uchino, que trabalhou na mesma investigação, diz que os frenemies têm um impacto mais nocivo no nosso comportamento porque são pessoas que costumamos levar a sério e com quem nos importamos. Segundo ele, comentários maldosos feitos por inimigos são mais fáceis de serem ignorados, já que não consideramos muito a opinião de quem não gostamos.

“Temos tendência a ficar ruminando conversas dolorosas que tivemos com nossos frenemies por mais tempo”, diz Uchino.

Estratégias

Por ora, todos os estudos realizados analisam apenas períodos curtos, mas os cientistas querem compreender o efeito a longo prazo dessas relações para a nossa saúde. Uchino está a estudar o impacto das amizades no ADN para determinar se há consequências mais graves para a saúde, como a incidência de cancro.

O desafio para a maior parte das pessoas, segundo os psicólogos, é romper as relações com os frenemies, já que muitos deles são amigos de longa data. Há também uma sensação de que se deve ter “grandeza” e manter relações mesmo com pessoas que não amamos totalmente.

Uchino conta que, pessoalmente, estuda duas estratégias para lidar com os seus “amigos que odeia”. Uma delas é expor mais os pontos de conflito na relação, na tentativa de reduzir a sensação de ambiguidade e incerteza. A outra é meditar sobre o papel de cada amigo na sua vida, o que segundo alguns estudos pode ajudar a reduzir o stress nas relações.

No entanto, o psicólogo diz que esses estudos ainda não são cientificamente robustos o suficiente para serem levados a sério.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Acredito mesmo neste estudo, se for no caso de relacionamentos profissionais e familiares, pode ser muito destrutivo, falo com conhecimento de causa e por experiencia propria.

RESPONDER

Acordo para o Brexit garante milhões aos homens mais ricos do Reino Unido

Os três homens mais ricos do Reino Unido acabaram de ficar mais ricos apenas com o acordo entre o Governo de Boris Johnson e a União Europeia para o Brexit. O anúncio de acordo fez …

Funcionários da Groundforce julgados por furto de malas no Aeroporto de Lisboa

23 funcionários da Groundforce vão ser julgados por furto de centenas de objetos tirados de dentro de bagagens no Aeroporto de Lisboa. 23 funcionários da Groundforce, que trabalhavam no Aeroporto de Lisboa até 2016, vão ser …

Clássico entre Barcelona e Real Madrid adiado

As duas equipas espanholas têm de chegar a um acordo para uma nova data, até à próxima segunda-feira, para a realização do clássico da 10.ª jornada. O jogo FC Barcelona-Real Madrid, agendado para 26 de outubro, …

Dez escolas fechadas em Lisboa por protestos contra falta de funcionários

As 10 escolas do Agrupamento Vergílio Ferreira, em Lisboa, não abriram as portas, esta sexta-feira, devido a um protesto de trabalhadores não docentes, revoltados com a falta de pessoal. A paralisação irá prolongar-se durante toda …

"Casillas apoiou-me desde o momento em que cheguei", diz Marchesín

O guarda-redes argentino falou da sua adaptação ao novo clube, destacando que o seu antecessor, do qual não esconde a sua grande admiração, o apoiou desde que chegou ao FC Porto. Na semana passada, Agustín Marchesín …

Zoo de Paris apresenta Blob, uma estranha criatura amarela sem cérebro e com quase 720 sexos

O zoológico de Paris exibe desde esta quarta-feira um estranho organismo unicelular criado em laboratório: parece um fungo, mas interage como um animal. De acordo com a agência AFP, a estranha criatura, batizada de bolb (bolha), …

Apesar das críticas, Venezuela conquista um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU

A Venezuela conquistou um assento no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, depois de uma votação, esta quinta-feira, na Assembleia Geral da ONU. O Brasil ficou com a outra vaga destinada aos países da …

Amália Rodrigues apoiou secretamente a causa antifascista

A fadista Amália Rodrigues, que chegou a ser acusada de estar ao serviço do Estado Novo, financiou presos políticos e apoiou a causa antifascista durante a ditadura, revela uma investigação publicada pela revista Visão Biografia. Numa …

FC Porto pode ser obrigado a criar equipa de futebol feminino

A UEFA deverá obrigar todas os emblemas que participem nas competições europeias a ter uma equipa de futebol feminino. O objetivo é promover o desporto e aumentar o número de jogadoras. O FC Porto pode vir …

Há novas suspeitas no negócio do lítio. João Galamba rejeita ilegalidades

A aprovação da concessão de exploração de lítio em Cepeda, no concelho de Montalegre, à empresa Lusorecursos Portugal Lithium continua envolta em polémica. Desta vez, surgem suspeitas de ilegalidades relacionadas com divergências no capital social …