Redes sociais podem ser uma ameaça para as experiências médicas

As redes sociais podem afetar severamente a maneira como se conduzem experiências médicas. A comparação de resultados entre voluntários, por exemplo, pode influenciar os resultados obtidos.

Testar novos tratamentos farmacêuticos é um processo complicado. Muitas vezes, os participantes têm preferências ou esperanças, seja sobre o que o teste deve medir ou sobre qual deve ser o resultado.

Os pacientes frequentemente inscrevem-se no estudo em busca de acesso a medicamentos experimentais, enquanto os médicos geralmente têm estimativas sobre qual tratamento funcionará melhor. O patrocinador só irá recuperar milhões de investimentos no desenvolvimento de medicamentos se o teste for bem sucedido.

Certificar-se de que estas preferências não influenciam o resultado da experiência é crucial para a sua credibilidade. Por esta razão, os tratamentos são frequentemente mascarados de modo a que nem os médicos nem os pacientes do estudo saibam quem está a receber quais tratamentos.

No entanto, na era da Internet e das redes sociais, os participantes do estudo podem facilmente encontrarem-se uns aos outros — através de grupos de pacientes, por exemplo — para discutir e comparar tratamentos e resultados, potencialmente revelando a experiência. Um estudo publicado em janeiro deste ano na revista Nature expõe este ponte de vista.

Desde a década de 1960, o ensaio clínico aleatorizado (RCT) tem sido o modelo experimental padronizado para avaliar a segurança e a eficácia de novos medicamentos. A experiência compara os resultados de um grupo de pacientes que recebem a nova droga, com os de um grupo de pacientes semelhantes que não recebem. Este é usado para neutralizar ou até eliminar efeitos que poderiam influenciar os resultados.

Se o estudo comparar um novo medicamento e um placebo, por exemplo, os dois tratamentos devem idealmente ser idênticos. Desta forma, os participantes não têm maneira de saber se estão realmente a receber um tratamento real ou não.

Se esta transparência falhar e houver correlação sistemática entre as preferências do paciente ou do médico e o resultado do estudo, a experiência será considerada tendenciosa. Embora normalmente não haja provas, é muito provável que a atribuição de de tratamentos não tenha sido neutra: os pacientes podem ter trocado tratamentos ou os médicos podem ter atribuído o seu medicamento favorito a um determinado grupo de pacientes.

Se os pacientes pudessem comparar as suas próprias experiências e dados de saúde, seria muito mais fácil adivinhar o próprio tratamento: se eles estivessem a receber tratamentos diferentes, os efeitos provavelmente também seriam diferentes.

As redes sociais podem agora transformar a exceção na regra. As comunidades de pacientes cresceram muito na Internet, variando de simples listas de discussão ou grupos de Facebook a sites dedicados, como o PatientsLikeMe.

Alguns podem olhar para isto como uma vitória dos pacientes sobre os interesses farmacêuticos, permitindo que todos os voluntários tenham acesso ao medicamento verdadeiro e não ao placebo. Mas o problema com médicos ou pacientes a terem preferências sobre tratamentos ainda permanecerá.

PARTILHAR

RESPONDER

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …

Os furacões podem provocar atividade sísmica tal como um terramoto

Uma equipa de cientistas descobriu um novo fenómeno geofísico no qual furacões ou fortes tempestades podem produzir vibrações no fundo do oceano tão fortes quanto um terramoto de magnitude 3.5. "As tempestades, furacões ou ciclones extratropicais …

Quem anda mais devagar pode envelhecer mais rapidamente

A velocidade a que caminham as pessoas aos 45 anos pode ser um indicador de como é que o cérebro e o corpo envelhecem, revela um novo estudo levado a cabo por uma equipa de …

Sporting apresentou participação disciplinar à FPF contra o Alverca

O Sporting participou ao Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) contra a utilização de Luan pelo Alverca no jogo da Taça de Portugal, confirmou à agência Lusa fonte ligada ao processo. Em causa, …

Há um país europeu que está a "importar" padres da Índia

O clero irlandês está a ficar cada vez mais envelhecido e as novas gerações parecem menosprezar a profissão. Por isso, a Igreja procura soluções no exterior. Há dois anos, o padre Francis Xavier Kochuveettil aterrou no …

Fábio Silva fez história na goleada frente ao Coimbrões

Fábio Silva, o jovem avançado do FC Porto, fez este sábado história no jogo frente ao Coimbrões: tornou-se o mais jovem de sempre a marcar pelos dragões. No jogo deste sábado para a Taça da …

Relação com o PS "nunca foi fácil", diz Catarina Martins

O Bloco de Esquerda assumiu este sábado que a relação com o PS “nunca foi fácil” e recusou que a perda de votos e a falta de um acordo de maioria parlamentar possam ser encarados …

Pedro Rodrigues, ex-líder da JSD, quer liderar a bancada do PSD

O antigo líder da JSD Pedro Rodrigues quer liderar a bancada parlamentar do PSD durante a próxima legislatura, avança o Expresso este sábado, dando conta que o deputado eleito por Lisboa já está a recolher …

Boris Johnson pede novo adiamento do Brexit (e reitera que não o quer)

Depois do Dia D que pouco ou nada definiu no Parlamento britânico, o primeiro-ministro Boris Johnson assegurou esta sábado ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que vai fazer um novo pedido de adiamento do …