Redes sociais podem ser uma ameaça para as experiências médicas

As redes sociais podem afetar severamente a maneira como se conduzem experiências médicas. A comparação de resultados entre voluntários, por exemplo, pode influenciar os resultados obtidos.

Testar novos tratamentos farmacêuticos é um processo complicado. Muitas vezes, os participantes têm preferências ou esperanças, seja sobre o que o teste deve medir ou sobre qual deve ser o resultado.

Os pacientes frequentemente inscrevem-se no estudo em busca de acesso a medicamentos experimentais, enquanto os médicos geralmente têm estimativas sobre qual tratamento funcionará melhor. O patrocinador só irá recuperar milhões de investimentos no desenvolvimento de medicamentos se o teste for bem sucedido.

Certificar-se de que estas preferências não influenciam o resultado da experiência é crucial para a sua credibilidade. Por esta razão, os tratamentos são frequentemente mascarados de modo a que nem os médicos nem os pacientes do estudo saibam quem está a receber quais tratamentos.

No entanto, na era da Internet e das redes sociais, os participantes do estudo podem facilmente encontrarem-se uns aos outros — através de grupos de pacientes, por exemplo — para discutir e comparar tratamentos e resultados, potencialmente revelando a experiência. Um estudo publicado em janeiro deste ano na revista Nature expõe este ponte de vista.

Desde a década de 1960, o ensaio clínico aleatorizado (RCT) tem sido o modelo experimental padronizado para avaliar a segurança e a eficácia de novos medicamentos. A experiência compara os resultados de um grupo de pacientes que recebem a nova droga, com os de um grupo de pacientes semelhantes que não recebem. Este é usado para neutralizar ou até eliminar efeitos que poderiam influenciar os resultados.

Se o estudo comparar um novo medicamento e um placebo, por exemplo, os dois tratamentos devem idealmente ser idênticos. Desta forma, os participantes não têm maneira de saber se estão realmente a receber um tratamento real ou não.

Se esta transparência falhar e houver correlação sistemática entre as preferências do paciente ou do médico e o resultado do estudo, a experiência será considerada tendenciosa. Embora normalmente não haja provas, é muito provável que a atribuição de de tratamentos não tenha sido neutra: os pacientes podem ter trocado tratamentos ou os médicos podem ter atribuído o seu medicamento favorito a um determinado grupo de pacientes.

Se os pacientes pudessem comparar as suas próprias experiências e dados de saúde, seria muito mais fácil adivinhar o próprio tratamento: se eles estivessem a receber tratamentos diferentes, os efeitos provavelmente também seriam diferentes.

As redes sociais podem agora transformar a exceção na regra. As comunidades de pacientes cresceram muito na Internet, variando de simples listas de discussão ou grupos de Facebook a sites dedicados, como o PatientsLikeMe.

Alguns podem olhar para isto como uma vitória dos pacientes sobre os interesses farmacêuticos, permitindo que todos os voluntários tenham acesso ao medicamento verdadeiro e não ao placebo. Mas o problema com médicos ou pacientes a terem preferências sobre tratamentos ainda permanecerá.

PARTILHAR

RESPONDER

Google paga prémios até centenas de milhares de euros para descobrir bugs

A Google aumentou o valor dos prémios que oferece a quem descobrir bugs nos seus produtos e serviços. Alguns dos prémios podem mesmo chegar aos milhares de euros. Ganhar dinheiro ao descobrir bugs é algo desconhecido …

Identificado suspeito do incêndio no estúdio de animação no Japão. Queixa-se de plágio

Esta quinta-feira, um incêndio no estúdio de animação KyoAni provocou 33 mortos e 35 feridos. Confirmadas as suspeitas de que o desastre resultara de fogo posto e que o autor usara gasolina para propagar as …

Nunca ninguém mandou tanto tempo como Benjamin Netanyahu

Benjamin Netanyahu foi o primeiro chefe de Governo de Israel a nascer no país — em Telavive, a 21 de outubro de 1949, um ano após a criação do Estado.  Foi também o primeiro-ministro mais …

Vulcão Etna acordou e entrou de novo em erupção

O Etna voltou a acordar lançando lava de uma das crateras localizadas na área desértica do topo do vulcão siciliano, de acordo com o Instituto Nacional Italiano de Geofísica e Vulcanologia (INGV). A atividade é intermitente …

Agência Europeia para a Segurança da Aviação alerta para limitações dos Airbus 321neo

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) publicou na passada quarta-feira um estudo sobre um problema nos Airbus 321neo que pode dar origem a uma “redução do controle do avião”. O documento alerta todas as …

Carlos Vinícius por 17 milhões no Benfica. É o terceiro reforço mais caro das águias

O Benfica anunciou hoje como reforço o avançado brasileiro Carlos Vinícius, que assina por cinco temporadas, com o clube "encarnado" a pagar 17 milhões de euros ao Nápoles pela transferência. Os encarnados confirmaram a contratação do …

"Acharam que era empregado de mesa". Deputado Hélder Amaral denuncia racismo no Parlamento Europeu

O deputado do CDS-PP Hélder Amaral revela que foi vítima de racismo no Parlamento Europeu. O único deputado afro-descendente com assento parlamentar refere que "acharam que era empregado de mesa". Esta revelação foi feita por Hélder …

Há mais cinco dias para pagar o IVA (e mais mudanças noutros impostos)

Os deputados aprovaram esta sexta-feira, a proposta do Governo que altera diversos códigos fiscais, entre os quais mais cinco dias para o pagamento do IVA e eliminação de garantia para dívidas mais baixas de …

Deputado vai ser testemunha no caso do incêndio de Monchique. Mas não conhece o arguido

O deputado social democrata Cristóvão Norte vai testemunhar em defesa do suspeito do crime de incêndio, que deflagrou em Monchique em 2018, mas não conhece o arguido nem a sua advogada. O deputado foi um dos …

"Sozinhos e perdidos nas contas". O filme da direita segundo Centeno

O tempo das derrapagens e dos orçamentos retificativos pertence ao passado, defendeu, este sábado, o ministro das Finanças, Mário Centeno, considerando que PSD e CDS-PP estiveram na presente legislatura "sozinhos e perdidos nas contas". Estas críticas …