O RB Leipzig detém o título de clube mais odiado da Alemanha, devido ao corporativismo com que é regido. Todavia, o clube tem sido um verdadeiro exemplo de sucesso.

“Red Bull dá-te asas” é um slogan bastante familiar a todos nós. Criação do bilionário Dietrich Mateschitz, a bebida energética nasceu na Áustria, em 1987. Inicialmente, a Red Bull foi banida na Alemanha, o que elevou bastante a sua popularidade. Jovens germânicos atravessavam a fronteira só para provar a “bebida proibida”.

Hoje, a Red Bull é mais do que uma bebida energética. A marca apoia e investe em vários tipos de desportos. No futebol, a Red Bull possui seis equipas: Red Bull Salzburgo, New York Red Bulls, Red Bull Ghana, Red Bull Brasil, Red Bull Bragantino e, finalmente, RB Leipzig.

O RB Leipzig tornou-se um verdadeiro exemplo de sucesso no futebol europeu. O clube foi fundado em 2009 com o nome RasenBallsport Leipzig, fugindo subtilmente ao nome da marca. No estatuto da Federação Alemã de Futebol (DFL), é proibido que uma equipa tenha o nome de uma marca, bem como um emblema que remeta diretamente para o logótipo da empresa.

Em pouco mais de dez anos, a equipa escalou da 5.ª divisão alemã até à Bundesliga. E mais: depois de terminar o campeonato em segundo lugar em 2016/17, o clube foi pela primeira vez à Liga dos Campeões. Acabou por não passar da fase de grupos, seguindo para a Liga Europa, onde se ficou pelos ‘quartos’.

Na fase de grupos, os germânicos apanharam o Benfica, com quem empataram um e venceram o outro encontro.

Muito mudou num par de anos. Nesta época que passou, o Leipzig quebrou a barreira do impensável e atingiu as meias-finais da Liga dos Campeões. O jovem emblema acabaria por cair da competição, derrotado pelo Paris Saint-Germain.

Mas como conseguiu o RB Leipzig crescer tanto em tão pouco tempo? Para além do óbvio investimento da marca de bebidas energéticas, o clube rege-se por uma rígida filosofia, apostando maioritariamente num plantel recheado de juventude e talento. Basta olhar para o seu treinador.

Julian Nagelsmann, também conhecido por ‘Baby Mourinho’, tem apenas 33 anos, mas já mostrou todo o seu valor no futebol europeu. Nagelsmann foi a mente responsável pelo sucesso do Hoffenheim nos anos recentes. Em 2017/18, terminou no terceiro lugar da Bundesliga, garantindo a qualificação para a Liga dos Campeões.

Em Leipzig, o técnico germânico sentiu-se velho ao lado dos seus jogadores. Com uma média de idades de 22,7 anos, o ‘Die Bullen’ tem um dos planteis mais jovens da Europa.

Da defesa ao ataque, o Leipzig reforçou-se com um conjunto de atletas novos e com muito talento bruto. Muitos deles custaram uma ‘ninharia’ e continuam ao serviço do clube, à medida que este vai crescendo a olhos vistos.

O Leipzig também contou com a colaboração do outro emblema mais notável da Red Bull, o Salzburgo.

Joshua Kimmich, Naby Keïta e Timo Werner são três exemplos de jogadores que passaram pelo emblema da Red Bull, mas que devido à sua qualidade acabaram por se aventurar noutras andanças. O último, o avançado internacional alemão Timo Werner, rumou ao Chelsea este verão, mediante o pagamento de uma verba de 53 milhões de euros.

O clube mais odiado da Alemanha

Desde cedo, o RB Leipzig enfrentou uma enorme onda de protestos na Alemanha. Muitos consideram que os valores do futebol germânico ficaram em xeque em virtude do oportunismo comercial. Em alguns casos, os adeptos rivais recusaram frequentar os jogos no estádio do Leipzig, a Red Bull Arena, com capacidade para cerca de 43 mil pessoas.

Num caso mais extremo, os adeptos do Dynamo Dresden até atiraram uma cabeça decapitada de um touro para o relvado.

A origem deste ódio pelo “corporativismo” do clube está enraizada na história do futebol alemão. Até 1998, o investimento privado era estritamente proibido, com todos os clubes a não terem fins lucrativos. Desde esse ano, os clubes que tenham investimento privado devem obedecer àquela que é conhecida como a regra “50+1”.

A regra determina que para um clube competir na Bundesliga tem de deter a maioria do capital do clube (ou seja, 51%). Idealmente, isto impede que investidores estrangeiros injetem dinheiro e assumam as rédeas do clube.

Há exceções: o Bayer Leverkusen (da farmacêutica Bayer) e o Wolfsburgo (da fabricante automóvel Volkswagen). Também o Hoffenheim, cujo dono já investe há muitos anos no clube, usou uma brecha permitida pela liga para comandar o ‘Hoffe’.

Enquanto, por exemplo, o Bayern Munique tem mais de 290 mil sócios, o RB Leipzig tem apenas 750. Os sócios do emblema da Baviera pagam, sensivelmente, entre 30 e 60 euros por ano. Por sua vez, os sócios do Leipzig têm de pagar uma ‘joia’ de 100 euros de entrada, mais 800 euros por ano.

Embora a regra “50+1” seja cumprida pelo Leipzig, a maioria dos sócios do clube são empregados da Red Bull. Foi esta a maneira encontrada pela direção do clube para se esquivar à regulamentação da federação alemã.

DC, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas iguais

Uma série de novas imagens revela que os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas sopas iguais. Astrónomos mapearam os produtos químicos dentro dos berços planetários com detalhe extraordinário. Os mapas revelam a …

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …