Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Scott Kilbourne / Flickr

Daniel Ricciardo (Red Bull)

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada.

Helmut Marko fez a revelação à televisão austríaca ORF no passado domingo, explicando que a ideia passava por colocar os pilotos Max Verstappen, Alexander Albon, Pierre Gasly e Daniil Kvyat num “acampamento para que fossem infetados”.

A proposta, contou, “não foi bem recebida”. “[Estes pilotos] são jovens e estão com excelente saúde e, assim, estariam prontos para quando a temporada começasse“.

A temporada de 2020 tinha previstas 22 provas, mas, dada a rápida propagação do novo coronavírus, o calendário teve de ser revisto para 15 a 18 corridas, sendo que não deverá ter início antes de 14 de junho, data prevista para o Grande Prémi do Canadá.

O Grande Prémio da Austrália, primeira ronda do calendário, foi cancelado no dia em que deveriam desenrolar-se os treinos livres. China, Bahrain, Vietname, Países Baixos e Espanha também adiaram as suas provas para datas posteriores, enquanto o Mónaco cancelou definitivamente a sua histórica prova.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 142.300 são considerados curados.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE