A NASA testou o novo reator de fissão nuclear (e é incrivelmente poderoso)

Los Alamos National Laboratory / NASA

A NASA testou com sucesso o seu “Kilopower Reactor Using Stirling Technology”, ou KRUSTY

Cientistas da NASA, em colaboração com a Administração Nacional de Segurança Nuclear do Departamento de Energia dos EUA, criaram um novo sistema de reator nuclear de fissão que poderia permitir missões tripuladas de longa duração à lua, Marte e outras partes do sistema solar.

A NASA está há algum tempo à procura de novas soluções para equipar as suas naves espaciais com motores que nos permitam chegar mais longe do que alguma vez o Homem chegou, que vão do propulsor iónico incrivelmente lento, até ao mítico “motor impossível” com propulsão EM saído das histórias de ficção científica – que está próximo de acontecer.

Mas a solução para o motor que nos levará para além do Sistema Solar poderá afinal estar num reator de fissão nuclear. A experiência, chamada “Kilopower Reactor Using Stirling Technology”, ou simplesmente KRUSTY, já foi testado com sucesso em laboratório.

Para podermos passar bastante tempo em qualquer local do sistema solar que não seja a  Terra, precisamos de novas formas de produção de energia. O Kilopower é exatamente isso: um sistema de energia de fissão leve que pode alimentar missões robóticas, bases humanas e missões tripuladas de exploração.

O KRUSTY é capaz de gerar até 10 quilowatts de energia elétrica, o suficiente para várias residências serem alimentadas continuamente por dez anos, ou para manter um posto avançado na lua ou em Marte.

Energia segura, eficiente e abundante será a chave para futuras explorações robóticas e humanas. Espero que o projeto Kilopower seja uma parte essencial das arquiteturas de energia lunar e marciana à medida que evoluírem”, disse Jim Reuter, da Diretoria de Missão de Tecnologia Espacial da NASA, em comunicado.

O protótipo do sistema possui um pequeno núcleo sólido de urânio-235, bem como tubos de calor de sódio para transferir o calor do reator para motores Stirling de alta eficiência, que depois o convertem em eletricidade.

Este sistema é ideal para locais como a lua, onde a geração de energia usando painéis solares é difícil porque as noites lunares são equivalentes a 14 dias na Terra. Além disso, muitos planos para a exploração lunar envolvem a construção de postos avançados em regiões polares permanentemente sombreadas ou subterrâneas.

Foster+ Partners / ESA

Um reactor Kilopower permitiria manter bases permanentes na Lua e em Marte e alimentar a produção de combustíveis e outros materiais

Em Marte, a luz do sol é mais abundante, mas sujeita ao ciclo diurno e ao clima do planeta, como tempestades de poeira. Essa tecnologia pode garantir um fornecimento constante de energia que não depende de fontes intermitentes, como a luz solar.

A experência Kilopower foi conduzida entre novembro de 2016 e março de 2017. Além de demonstrar que o sistema é capaz de produzir eletricidade através da fissão, o objetivo dos cientistas era mostrar que é estável e seguro em qualquer ambiente.

Por esse motivo, a equipa realizou a experiência em quatro fases. As duas primeiras foram conduzidas sem energia e confirmaram que cada componente do sistema funcionava adequadamente.

Já na terceira fase, a equipa aumentou a potência para aquecer o núcleo lentamente antes de passar para a fase quatro, que consistiu num teste de 28 horas de potência total. Esta fase simulou todas as etapas de uma missão, que incluiu a inicialização do reator, a aceleração até à sua potência máxima, uma operação estável e o encerramento.

Durante toda a experiência, a equipa simulou várias falhas do sistema para garantir que continuaria em funcionamento. Isso incluiu reduções de energia, falhas no motor e falhas nos tubos de calor. O gerador KRUSTY continuou a fornecer eletricidade, provando que pode suportar qualquer obstáculo que a exploração espacial o imponha.

Se tudo correr como esperado, o KRUSTY pode permitir postos humanos permanentes em diversos locais do sistema solar e além, bem como oferecer apoio a missões que dependem da utilização de recursos locais para produzir combustível.

Este sistema de reatores também pode abrir o caminho para foguetes que dependem de propulsão nuclear-térmica ou nuclear-elétrica, possibilitando missões mais rápidas e mais económicas.

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. O sistema é tão à frente que até faz o tempo andar para trás!
    É mesmo! Veja-se a passagem “…A experência Kilopower foi conduzida entre novembro e março de 2017…” isto é, começou em novembro e terminou em março desse mesmo ano. Notável!

    • ahahah… é isso mesmo… e muito mais.
      A NASA está tão avançada que precisa dos foguetões russos e do Cosmódromo de Baikonur senão os americamos da Estação Espacial Internacional morriam á fome e á sede.

      • Caro Montezuma,
        a NASA está mesmo “avançada”. Tanto mais que preferem pagar o serviço de entrega de mantimentos e equipamento aos russos, do que eles próprios o fazerem. Fica mais barato, imputam responsabilidades a terceiros e contornam limitações de orçamento nacional. Neste caso não é preciso parecer esperto, é preciso ser inteligente.

        Cumprimentos.

    • A ignorância é admissível a incúria nem por isso.
      Sugiro a quem fez o comentário “o tempo andar para trás!” a ler melhor o artigo, e já agora com atenção.
      É “Notável!”, não é!?

  2. Ainda bem que este tipo de reactor já é possível de ser produzido, agora resta acabar com todas as centrais de fusão nuclear (e consequentemente com o lixo nuclear) e substitui-las pelos de fissão nuclear, que não produzem lixo radioativo.
    Se é bom para a Lua ou Marte que não tem ninguém, muito melhor será para a Terra.

  3. Que bela confusão este artigo. O reactor serve apenas para produzir electricidade, não tem nada a ver com propulsão. É verdade que a NASA anda a estudar há décadas a propulsão iónica, mas isso não tem nada a ver com o reactor nuclear em causa. Convém estudar as matérias antes de escrever os artigos.

Vai ser possível ver auroras boreais a partir de um balão de ar quente

A agência Off The Map Travel vai lançar em dezembro de 2020 o primeiro balão de ar quente. O objetivo é levá-lo a ver auroras boreais do céu. As auroras boreais são já um verdadeiro espetáculo …

Nova tecnologia militar aquece as mãos em temperaturas negativas sem luvas

Cientistas do exército norte-americano criaram uma tecnologia capaz de aquecer as mãos dos soldados em baixas temperaturas sem serem necessárias luvas. Se completar uma tarefa do dia-a-dia com luvas pode revelar-se complicado, imagine-se tentar recarregar uma …

Os animais começaram a fazer sons para poderem conversar no escuro

O reino animal está cheio de diferentes vocalizações. A produção sonora apareceu há entre 100 milhões e 200 milhões de anos e a sua origem está fortemente ligada à vida no escuro. Os vertebrados são animais …

O novo líder do CDS reclama uma nova direita (e quer um partido "sexy")

Francisco Rodrigues dos Santos sagrou-se este domingo o 10º presidente do CDS, reclamando no seu discurso de vitória a herança de todos os seus antecessores, desde o fundador, Freitas do Amaral, a Assunção Cristas. O tom …

Paços 0 - 2 Benfica | “Águia” não vacila e passa pressão

O Benfica foi a Paços de Ferreira vencer por 2-0, colocando pressão sobre o FC Porto, segundo classificado, que na próxima terça-feira recebe o Gil Vicente. A formação “encarnada” foi superior na maioria dos principais momentos …

Governo reabre processo para corrigir mapa das freguesias

O Governo reabriu o processo para a correção ao mapa de freguesias, num compromisso com as associações de municípios e de freguesias, anunciou o secretário de Estado da Descentralização e Administração Local, Jorge Botelho. “Iremos retomar …

Google cria modelo de cérebro mais detalhado (e com maior resolução) de sempre

A recriação 3D do cérebro de uma mosca da fruta - que mostra 20 milhões de sinapses e 25 mil neurónios - é a que tem a maior resolução até ao momento. Uma equipa de …

Morreu Kobe Bryant, uma das maiores estrelas de sempre da NBA

Kobe Bryant, um dos maiores basquetebolistas de sempre, morreu na manhã deste domingo em Calabasas, Califórnia, num desastre de helicóptero. De acordo com a TMZ, Bryant viajava com, pelo menos, três outras pessoas num helicóptero privado, …

Há seis queixas de violência policial por semana

Em Portugal, são apresentadas em média seis queixas semanais por violência policial, escreve o semanário Expresso na sua edição deste fim-de-semana, citando os dados mais recentes da Procuradoria-Geral da República. De acordo com os números, relativos …

CRISPR tornou galinhas resistentes a um vírus comum

A técnica de edição genética CRISPR tem sido usada para tornar as galinhas resistentes a um vírus comum, uma abordagem que poderia aumentar a produção de ovos e de carne em todo o mundo. Mesmo quando …