Reator de fusão nuclear compacto promete mudar o mundo

DR Lockheed Martin

Thomas McGuire, investigador do MIT, com protótipo de reactor de fusão nuclear da Lockheed Martin

Thomas McGuire, investigador do MIT, com protótipo de reactor de fusão nuclear da Lockheed Martin

Um reator de fusão nuclear compacto, com capacidade para alimentar até 100 mil casas com energia “super limpa”, foi apresentado esta quarta-feira pela empresa norte-americana Lockheead Martin e poderá estar disponível dentro de dez anos.

Desenvolvido pela Skunk Works, a divisão de tecnologia experimental da Lockheed Martin, empresa norte-americana ligada à aeronáutica e tecnologia militar, o modelo apresentado tem dois metros por três e capacidade para cem megawatts, podendo fornecer energia a aviões, naves espaciais – ou até uma pequena cidade com 100 mil habitações.

Trata-se de um invento que pode mudar a civilização como a conhecemos.

A fusão nuclear – a fusão do núcleo dos átomos que acontece nas estrelas – tem sido estudada há décadas e é considerada o “Santo Graal” da energia, já que, ao contrário da fissão nuclear das centrais atómicas (e da bomba atómica) não produz resíduos radioactivos de longa duração.

A proposta agora apresentada pela é inovadora, por se propor construir um reator compacto.

DR Lockheed Martin

Bobinas magnéticas super-condutoras do conceito experimental de fusão nuclear da Lockheed Martin

Bobinas magnéticas super-condutoras do conceito experimental de fusão nuclear da Lockheed Martin

O contentor magnético será capaz de suportar temperaturas extremamente altas, de até centenas de milhões de graus.

“Ao conter esta reacção”, explica a empresa, “podemos libertá-la de forma controlada para criar energia que possa ser usada”.

O calor produzido através deste reactor de fusão compacto permite alimentar geradores ao substituir as câmaras de combustão por permutadores de calor.

Thomas McGuire, investigador do MIT e líder do projecto, explica num vídeo que o reactor compacto poderá vir a estar operacional em 10 anos.

A empresa apela agora ao financiamento de investidores privados para continuar o trabalho.

Ao contrário da fissão nuclear das centrais e bombas atómicas, baseadas no conceito de que uma pequena quantidade de energia incide num material radioactivo instável e liberta uma grande quantidade de energia, a fusão nuclear é baseada no conceito de que dois átomos de um material não radioactivo colidem a grande velocidade, formando um terceiro átomo e libertando uma grande quantidade de energia.

Este processo só acontece nas estrelas, onde as enormes temperaturas provocam a fusão dos átomos no seu estado natural.

O “Santo Graal” da produção de energia é conseguir provocar uma fusão nuclear “a frio” (a uma temperatura “normal”), numa “reacção eficiente” ou seja, que liberte mais energia do que a necessária para a provocar – e capturar essa energia para uso corrente.

A fusão nuclear apresenta duas grandes vantagens sobre a fissão: é uma fonte de energia segura (não apresenta riscos de libertação acidental de materiais radioactivos) e considerada “energia limpa” porque a reacção não produz resíduos tóxicos cujo armazenamento a longo prazo levanta cada vez mais dificuldades.

ZAP

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. “centenas de milhões de graus” … eu percebo que o autor/tradutor do artigo não tenha formação em ciência, mas convem informar-se antes de escrever isto. Uma pequena pesquisa na internet e fica a saber que este valor é completamente absurdo …. até as estrelas mais quentes não passam dos 50 000 K (~ 50 000 ºC).

    • Caro Filcon,
      Obrigado pelo seu reparo.
      De facto também nos parece um disparate, mas é o que consta na página da própria Lockheed Martin que citámos: “The bottle is able to handle extremely hot temperatures, reaching hundreds of millions of degrees

      • Caro ZAP,
        Tem razão e o erro é todo meu (a prepotência também). Proveio da minha precipitação. Para além da fusão nuclear requerer temperaturas dessa magnitude, pelo menos teoricamente, a temperatura a que me refiro é da superfície das estrelas, daí a minha precipitação e comentário sem pensar …
        Mea culpa e se quiser pode retirar os comentários. Cumprimentos

  2. De facto os números apontados para as temperaturas atingidas num reactor de fusão nuclear, estão certos.
    Estudos e experiências sobre a fusão nuclear (reacção que ocorre no sol e que é responsável pela energia que emite), referem que, para que uma colisão entre 2 deutérios (núcleo do átomo hidrogénio) provoque a sua fusão, resultando um núcleo de hélio + energia, a temperatura do interior do reactor deverá rondar os 12 milhões de graus. No entanto e a esta temperatura uma percentagem significativa das colisões não são eficazes, isto é não dão lugar á fusão e por isso o reactor consome mais energia do que aquela que produz. De facto para que o Sistema seja rentável as temperaturas rondam valores entre os 200 e os 300 milhões de graus Celcius.

Responder a ZAP Cancelar resposta

Em tempos difíceis, alguns dinossauros tornaram-se canibais

Um novo estudo sugere que os alossauros, grandes predadores do Jurássico, poderiam tornar-se canibais em tempos de escassez de alimentos. De acordo com o site Science Alert, não é fácil encontrar marcas de dentes de dinossauros …

Praias, cafés e espetáculos. Países mais afetados pela pandemia começam a aliviar planos de emergência

Numa altura em que a pandemia parece começar a dar tréguas e com o verão a aproximar-se no hemisfério norte, dezenas de países reabrem esta segunda-feira atividades económicas, de lazer e culturais após as restrições …

Costa, Ferro, Medina e 85% dos socialistas querem que Marcelo continue em Belém

Cerca de 85% dos socialistas querem que Marcelo Rebelo de Sousa continue na Presidência da República para um segundo mandato, revela uma sondagem da Pitagórica para o Jornal de Notícias e TSF. A seis meses …

Um terço das mulheres europeias herdou um gene neandertal favorável à fertilidade

Um terço das mulheres europeias herdou um gene neandertal favorável à fertilidade, sugere uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Max Planck, na Alemanha, e do Instituto Karolinska, na Suécia. Em causa está …

Combater a pobreza energética até 2040 custa 384 milhões por ano

Pela primeira vez, o Governo sabe quanto seria preciso investir para combater a pobreza energética até 2040: 7.671 milhões de euros  – o equivalente a 384 milhões de euros por ano. De acordo com o jornal …

Trump classifica movimento antifascista como organização terrorista

O Presidente norte-americano anunciou que vai classificar o movimento ANTIFA (antifascistas) como organização terrorista, e culpou os média por “fomentarem o ódio e anarquia” na onda de protestos contra a violência policial. “Os Estados Unidos da …

Megaoperação em Loures. PSP e PJ cercam bairro da Quinta da Fonte e detém nove pessoas

A Unidade Especial da Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Polícia Judiciária (PJ) estão, esta segunda-feira, desde antes das 7h, a fazer uma megaoperação no Bairro Quinta da Fonte, em Loures. Segundo avança a TVI24, …

Cientistas podem ter descoberto onde vive o stress no cérebro humano

Onde é que os sentimentos negativos, como a pressão e a ansiedade, existem no nosso cérebro? Cientistas da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, tentaram encontrar a resposta. Estudos anteriores indicam que os sentimentos subjetivos ou …

A atmosfera de Marte está a escapar para o Espaço (e já se sabe quem é o culpado)

Marte pode já ter sido um planeta habitável mas, ao longo de milhares de milhões de anos, a sua atmosfera escapou para o Espaço. Os cientistas mapearam as correntes elétricas na atmosfera marciana que podem …

Júpiter é tão grande que o nosso Sistema Solar quase teve dois sóis

O nosso Sistema Solar tem apenas uma estrela e uma série de planetas relativamente pequenos. No entanto, Júpiter esteve muito perto de se tornar o irmão mais pequeno do Sol. Júpiter é, de longe, o maior …